Um Estudo das Representações de Professores de Matemática Sobre Suas Práticas Pedagógicas em Cursos de EJA

  • Ana Rafaela Correia Ferreira Docente do Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutoranda em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG
  • Maria Laura Magalhães Gomes Docente do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFMG

Resumo

Este trabalho apresenta considerações de uma pesquisa de doutorado que pretende investigar as representações de professores de Matemática sobre suas práticas em cursos de Educação de Pessoas Jovens e Adultas (EJA), oferecidos pela rede pública municipal de educação de Betim - Minas Gerais, no período 1988-2007. A partir de entrevistas realizadas com esses professores sob a metodologia da História Oral, pretende-se descrever e analisar a atuação deles no contexto da EJA e suas concepções sobre o que seja ensinar matemática para estudantes jovens e adultos. Além disso, pesquisaremos documentos oficiais referentes à EJA e ao ensino de matemática nessa modalidade de ensino, visando identificar tendências para o ensino de matemática, destacando como esses professores se apropriaram desses discursos. A pesquisa se encontra em fase de produção de dados, que terão como ferramentas analíticas os estudos sobre EJA, ensino de matemática e História Cultural.

Referências

ALBERTI, V. Manual de História Oral. Rio de Janeiro, FGV, 2004.

APPLE, M. Currículo e poder. Revista Educação e Realidade. Porto Alegre, n.14, 1989.

BETIM. Secretaria Municipal de Educação. Institui nova estrutura para o Ensino Fundamental Noturno na rede municipal de educação de Betim. Portaria n. 012, de 03 de outubro de 2005.

BETIM. Plano Municipal Decenal de Educação (2006-2015), 2005.

BETIM. Decreto n° 23574, de 21 de agosto de 2007. Dispõe sobre a criação de centros de Educação de Jovens e Adultos em Betim.

BETIM. Secretaria Municipal de Educação. Institui nova estrutura para cursos de EJA na Rede Municipal de Educação de Betim. Portaria n. 002, de 10 de setembro de 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: Primeiro Segmento do ensino fundamental: 1ª. a 4ª. série. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: Segundo Segmento do ensino fundamental: 5ª. a 8ª. série. Brasília: MEC, 2002.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados. v. 05, n.11, jan/abr 1991. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-0141991000100010&script=sci_arttext>. Acesso em: 01 set. 2013.

CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. 2ª ed.

CURY, C. R. J. A educação como desafio na ordem jurídica. In: LOPES, Eliane M. T.; FARIA

FILHO, Luciano M.; GREIVE, Cynthia G. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 3ª Ed.

FIORENTINI, D. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática: o caso da produção científica em Cursos de Pós-Graduação. (Tese de doutorado) – Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, 1994.

FIORENTINI, D. Alguns Modos de Ver e Conceber o Ensino da Matemática no Brasil. In: Zetetike (UNICAMP), Campinas, SP, v. 3, n. 2, p. 1-36, 1995.

FONSECA, M. C. F. R. Educação Matemática de Jovens e Adultos – Especificidades, desafios e contribuições. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

FONSECA, T. N. História da educação e história cultural. In: FONSECA, T. N.; VEIGA, C. G. (Orgs). História e historiografia da educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GARNICA, A. História Oral e Educação Matemática: de um inventário a uma regulação. In: Zetetike (UNICAMP), Campinas, v. 11, n. 19, p. 09-55, 2003.

GARNICA, A. História Oral como um recurso para a pesquisa em Educação Matemática: um estudo do caso brasileiro. In: V CIBEM. Porto (Portugal): Fac. de Ciências da Universidade do Porto e Associação dos Professores de Matemática, 2005. v. 01. p. 01-12.

GARNICA, A. Registrar oralidades, analisar narrativas: sobre pressupostos da História Oral em Educação Matemática. In: Ciências Humanas e Sociais em Revista, v. 32, p. 20-35, 2010.

HADDAD, S. ; DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. In: Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, p. 108-130, 2000.

MIGUEL, A.; MIORIM, M. A. História na Educação Matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

OLIVEIRA, M. K. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 12, p. 59-73, 1999.

PORTELI, A. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana, 29 de junho de 1944): mito e política, luto e senso comum. In: FERREIRA, Marieta; AMADO, Janaína. Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

PROST, A. Social e Cultural indissociavelmente. In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, JeanFrançois. Para uma história cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

PESAVENTO, S. J. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

SILVA, T. T. Teoria cultural e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

VIEIRA, M. C. Memória, História e Experiência: Trajetórias de educadores de jovens e adultos no Brasil. (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte, 2006.

Publicado
2022-01-07
Como Citar
Ferreira, A. R. C., & Gomes, M. L. M. (2022). Um Estudo das Representações de Professores de Matemática Sobre Suas Práticas Pedagógicas em Cursos de EJA. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (2), 405-415. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/15140
Seção
Sessões Coordenadas