O ensino de geometria do curso primário em tempos de escola nova: o que diz a Revista do Ensino?

  • Joana Kelly Souza dos Santos Universidade Federal de São Paulo

Resumo

Esta comunicação está relacionada a um projeto de doutoramento com o objetivo de analisar o saber profissional do professor que ensina geometria em revistas pedagógicas brasileiras em tempos da Escola Nova. Para esta pesquisa há a pretensão de mobilizar referentes teórico-metodológicos vindos de Chartier (2003), Chervel (1990) e Hofstetter e Schneuwly (2017). Com a pretensão de realizar uma primeira análise do proposto no projeto, foi traçado o objetivo de examinar orientações para o professor que ensina geometria a partir de artigos sobre o centro de interesse presente em exemplares da Revista do Ensino de Minas Gerais. O exame das fontes foi embasado a partir dos questionamentos: como era proposto ao professor o ensino de geometria para o curso primário em artigos da revista do ensino? De que forma os autores dos artigos sugeriam o ensino de geometria a partir dos centros de interesse? Foi identificado que o ensino de geometria nas fontes dizia respeito a educação de figuras e sólidos geométricos, as orientações para o professor caracterizava um saber para ensinar que transformava o saber a ensinar, determinava a geometria com relações entre todas as matérias, a partir dos temas centrais, e dava a criança um papel central no ensino, a partir da mediação do professor na série de diálogo.

Biografia do Autor

Joana Kelly Souza dos Santos, Universidade Federal de São Paulo
Doutoranda no programa de pós-graduação em Educação e Saúde na Infância e Adolescência da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), sob orientação da profa Dra Maria Célia Leme da Silva. Email: joanakelly.23@gmail.com

Referências

Catani, D. B. (1996). A Imprensa Pedagógica Educacional: As Revistas de Ensino e o estudo do Campo Educacional. Educação e Filosofia. Uberlândia, MG, v. 10, n. 20, p. 115-130, Jul.-Dez.

Chartier, R. (2003). Formas e sentido. Cultura escrita: entre distinção e apropriação. Campinas, SP: Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil (ALB), 2003. – (Coleção Histórias de Leitura).

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, n.2. Porto Alegre, RS.

Gonzaga, F. (1929). Centro de interesse: criação de aves domesticas. Revista do ensino. Nº33, Ano IV, Maio de 1929 Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/134335.

Hofstetter, R; Scheneuwly, B. (2017). Saberes: um tema central para as profissões do ensino e da formação. In: Hofstetter, R.; Valente, W. R. (org.). Saberes em (trans) formação: tema central da formação de professores. 1ª ed. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Lourenço Filho M. B. (1930). Introducção ao estudo da Escola Nova. São Paulo: Cia. Melhoramentos (Bibliotheca da Educação, v. XI).

MOREIRA, P. C.; DAVID, M. M. M. S. (2003). Matemática escolar, matemática científica, saber docente e formação de professores. Zetetike, v.11, n.19, (p. 57-80). Campinas – SP.

Noronha, A. (1929). Centro de interesse: a laranja (aula de noções de coisas para o 4º anno primario). Revista do ensino. Nº35, Ano IV, Julho de 1929, MG Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/128249.

Silva, M. G. F. (1929). Aulas-modelo Centro de interesse: o menino e a escola. Revista do ensino. nº35, Ano IV, Julho de 1929, MG. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/128249.

Valdemarin, V. T. (2010) História dos métodos e materiais de ensino: a escola nova e seus modos de uso. São Paulo: Cortez.

Valente, W. R. (2013). Oito temas sobre história da educação matemática. Revista de Matemática, ensino e cultura. Natal, RN, ano 8, n.12 (p. 22-50).

Vidal, D. G. (2003). Escola Nova e processo educativo. In Lopes, E. M. T.; Faria Filho, L. M.; Veiga, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Ed. Autêntica.

Publicado
2019-04-25
Seção
Sessões Coordenadas