Tecnologias Digitais: Apoio à Teoria dos Registros de Representações Semióticas na Resolução de Equações do 1º Grau

Palavras-chave: Objeto digital de aprendizagem, Equações do 1º grau., Representações Semióticas.

Resumo

Neste artigo, analisamos as contribuições do objeto digital de aprendizagem a “Balança” para minimizar as dificuldades dos alunos do 3º ano do Ensino Médio na resolução de equações do 1º grau. Este texto originou-se das reflexões realizadas durante a pesquisa de Mestrado Profissional em Práticas de Educação Básica, as quais ocorreram ao longo da aplicação da sequência didática proposta para a investigação. Como aportes teóricos, adotamos os estudos de Duval (2006, 2011, 2012, 2013) sobre a Teoria dos Registros de Representações Semióticas, e as concepções de Zabala (1998), acerca da sequência didática como prática educativa. Para interpretação dos dados coletados, consideramos o método qualitativo da Análise de Conteúdo, de Bardin (1977). Os resultados encontrados na análise revelaram que o objeto digital utilizado deu suporte às reflexões sobre o conceito de equação do 1º grau, permitindo aos estudantes conhecerem e averiguarem as potencialidades desse recurso na compreensão e na resolução das referidas equações. Além disso, ficou evidente a importância da intervenção do professor durante a realização das atividades com os alunos.

Biografia do Autor

Rosiméri Corrêa França, Colégio Pedro II

Mestra em Práticas em Educação Básica pelo Colégio Pedro II/CPII-RJ. Professora de Matemática das redes municipal e estadual do Rio de janeiro. E-mail: rosicfranca@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6898-9781.

Edite Resende Vieira, Colégio Pedro II

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Anhanguera de São Paulo. Brasil. Docente do Programa de Mestrado Profissional em Práticas de Educação Básica do Colégio Pedro II/CPII – RJ. E-mail: edite.resende@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9198-6255.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2.ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

BARBEIRO, Eulália da Conceição Canada. A aprendizagem das equações do 1º grau a uma incógnita: uma análise dos erros e dificuldades de alunos do 7º ano de Escolaridade. 2012. 94f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) - Universidade de Lisboa, Lisboa, 2012. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/8318/1/ulfpie043292_tm.pdf. Acesso em: 18 de jan. 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BOHRER, Temis Regina Jacques. As Teorias Implícitas de ensino e Aprendizagem dos Professores Supervisores de Escolas e dos Alunos de Ciências Biológicas pertencentes ao PIBID de uma Instituição de Ensino Superior/RS. 2016. 133f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2016. Disponível em: http://www.ppgecim.ulbra.br/teses/index.php/ppgecim/article/view/271/249. Acesso em: 18 de jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018.

BRASIL. PROJETO RIVED. Brasília: MEC/ Secretaria de Educação a Distância, 2004.

DUDA, Rodrigo; SILVA, Sani de Carvalho Rutz da. A tecnologia como recurso auxiliar na ressignificação do processo resolutivo de equações. Revista Tecnologias na Educação, [S.l], v. 7, p. 1-11, 2015. Disponível em: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2015/12/Art18-vol13-dez2015.pdf. Acesso em: 14 de abr. 2019.

DUVAL, Raymond. A Cognitive Analysis of Problems of Comprehension in a Learning of Mathematics. Educational Studies in Mathematics, [S. l], v. 61, p. 103-131, 2006. Disponível em: http://www.edumatec.mat.ufrgs.br/artigos/esm_2008_v68/5semiotic.pdf. Acesso em: 16 de ago. 2018.

DUVAL, Raymond. Registros de representação semiótica e funcionamento cognitivo do pensamento. Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 266-297, 2012. Título original: Registres de représentation sémiotique et fonctionnement cognitif de la pensée. Tradução de Méricles Thadeu Moretti. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2012v7n2p266. Acesso em: 26 jan. 2019.

DUVAL, Raymond. Sémiosis et pensée humaine: registres sémiotiques et apprentissages intellectuels. Berne: Peter Lang S.A., 1995.

DUVAL, Raymond. A teoria dos registros de representação semiótica. Entrevista concedida a José Luiz Magalhães de Freitas e Veridiana Rezende, Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão, PR, v. 2, n. 3, p. 10-34, 2013. Disponível em: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/view/963/0. Acesso em 15 abr. 2019.

DUVAL, Raymond. Ver e ensinar a Matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar os registros de representações semióticas. Trad. Marlene Alves Dias. São Paulo: PROEM, 2011.

ENGEL, Guido Irineu. Pesquisa-ação. Educar em Revista. Curitiba: Editora da UFPR, n.16, p. 181-191, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/dDzfLYyDpPZ3kM9xNSqG3cw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 27 de abr. 2019.

GIRALDO, Victor; CAETANO, Paulo; MATTOS, Francisco. Recursos Computacionais no Ensino de Matemática. Coleção PROFMAT. Rio de Janeiro: SBM, 2013. Coleção PROFMAT.

GODOY, Arlida Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995. Disponível em https://www.scielo.br/j/rae/a/wf9CgwXVjpLFVgpwNkCgnnC/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 04 de abr. 2019.

MATHISON, Sandra. Why Triangulate? Educational Researcher, [S. l], v. 17, n.2, p.13-17, 1988. Disponível em: https://blogs.baruch.cuny.edu/com9640/files/2010/08/whytriangulate.pdf. Acesso em: 01 de out. 2019.

MELLO, Gabriel et al. Implementando o Agente de Base de Domínio do Sistema Tutor Inteligente PAT2Math. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 1-10, 2009. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/13906. Acesso em: 30 mar. 2019.

RIO DE JANEIRO. Governo do Estado do Rio de Janeiro. Currículo mínimo 2012. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação, 2012, 24p. Disponível em: https://seeduconline.educa.rj.gov.br/curr%C3%ADculo-b%C3%A1sico. Acesso em: 13 jan. 2022.

SILVA, Michele Cristina da. As tecnologias da informação e comunicação como ferramentas motivadoras para o ensino-aprendizagem de matemática. 2015. 86f. Dissertação (Mestrado em Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão, Catalão, 2015. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede/5466/5/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Michele%20Cristina%20da%20Silva%20-%202015.pdf. Acesso em: 15 ago. 2018.

TAROUCO, Liane Margarida; FABRE, Marie-Christine JM; TAMUSIUNAS, Fabricio. Rockenbach. Reusabilidade de objetos educacionais. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2003. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/13628/7697. Acesso em: 18 mar. 2019.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez & Autores Associados, 1988.

TRIPP, David. Action research: a methodological introduction. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 1-5, 2005. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/237316452_Action_research_a_methodological_introduction. Acesso em: 16 de set. 2018.

ZABALA, Antoni. A Prática Educativa: como ensinar. Tradução de Ernani F. da F. Rosa Porto Alegre: Artmed, 1998.

Publicado
2022-03-14
Como Citar
FRANÇA, R. C.; VIEIRA, E. R. Tecnologias Digitais: Apoio à Teoria dos Registros de Representações Semióticas na Resolução de Equações do 1º Grau. Perspectivas da Educação Matemática, v. 15, n. 37, p. 1-19, 14 mar. 2022.