Aprendizagem de Conceitos Matemáticos: tradução de códigos e aplicação de regras

Marisa Rosâni Abreu da Silveira

Resumo


O texto matemático pode ser escrito em linguagem natural e/ou linguagem matemática. A primeira é polissêmica, a segunda é codificada e pretende ter um sentido único. A linguagem matemática não possui oralidade e utiliza a linguagem natural para ser lida. Esse tipo de texto é governado por regras matemáticas e regras gramaticais que subtendem conceitos matemáticos, pois a matemática é um jogo de signos segundo regras relacionadas com a formação de conceitos. Aplicar uma regra de decodificação é traduzir o texto que está codificado para descobrir uma determinação conceitual e transforma-lo em palavras com sentido. Um dos problemas de aprendizagem na matemática é a interpretação de seus enunciados e assim, nos propomos analisar a tradução de códigos matemáticos por palavras da linguagem natural que mudam de sentido conforme o contexto em que são empregadas. Nosso referencial teórico está pautado na filosofia da linguagem de Wittgenstein, bem como em algumas pesquisas de educadores que trabalham nesta perspectiva.


Palavras-chave


Textos matemáticos. Tradução. Regras matemáticas. Filosofia da linguagem

Texto completo:

162-174

Referências


BARATA, R. C. A compreensão de expressões algébricas na filosofia da linguagem de Wittgenstein. Belém: UFPA. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática), 2017.

BENOIST, J. Les limites de l’interprétation. En Wittgenstein et les questions du sens. n. 20, 2ª. Série, pp. 147-162, Paris: L’art du compreendre, 2011.

OLIVEIRA, R. R. N. “Ver como”: uma vivência do olhar para a aprendizagem de geometria. Belém, UFPA, (Dissertação de Mestrado), 2012.

OLIVEIRA, M. S. y Silveira, M. R. A. Falar e mostrar para provar: uma contribuição teórica sobre a utilização dos gestos ostensivos wittgensteinianos como auxiliares na prova matemática. Alexandria, Florianópolis, v. 9, n. 2, 2016.

SAVIETTO, N. Jogos de linguagem e significação em aulas de Física no ensino médio. Florianópolis, UFSC, (Dissertação de Mestrado), 2013.

SILVA, Paulo Vilhena da. O aprendizado de regras matemáticas: uma pesquisa de inspiração wittgensteiniana com crianças da 4ª série no estudo da divisão. Belém: UFPA. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática), 2011.

SILVEIRA, M. R. A.; SILVA, P. V. O cálculo e a escrita matemática na perspectiva da filosofia da linguagem: domínio de técnicas. Educação Matemática e Pesquisa, São Paulo, v.18, n.1, 469-483, 2016.

SOUZA, E. S. R.; SILVEIRA, M. R. A. Etnofísica e linguagem. Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, v. 12, n. 23, 103-117, 2015.

WITTGENSTEIN, L. Escrito a máquina [The Big Typescript]. Madrid: Editorial Trotta, 2014.

WITTGENSTEIN, L. Fichas (Zettel). Lisboa: Edições 70, 1989.

WITTGENSTEIN, L. Gramática Filosófica. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Rio de Janeiro: Coleção Pensamento Humano, 1996.

WITTGENSTEIN, L. Observaciones sobre la filosofía de la psicología. México: Instituto de Investigaciones Filosóficas, v. 1., 2006.

WITTGENSTEIN, L. (1987). Observaciones sobre los fundamentos de la matemática. Madrid: Alianza Editorial.

WITTGENSTEIN, L. Vocabulaire à l’usage des écoles primaires. (Tradução de Jean-Pierre Cometti. In.: Ludwig Wittgenstein. Marseille: SUD. Revue Litteraire Bimestrielle, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License

INDEXADORES

      Resultado de imagem para latindex indexador