A ve(o)z do povo surdo: do historicismo à história cultural

  • Carlos Roberto de Oliveira Lima Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus do Pantanal - CPAN
  • Fabiano Quadros Rückert Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus do Pantanal - CPAN
Palavras-chave: Surdos, Educação de Surdos, História Cultural.

Resumo

Esse artigo tem por objetivo pontuar os períodos que as pessoas Surdas percorreram dentro da história da humanidade, desde a pré-história até os dias atuais, e os modelos de educação que foram empregados na tentativa de educa-los e tirá-los da condição de seres sem alma e sem voz ativa nos sistemas de sociedade dos períodos iniciais. A partir de levantamentos bibliográficos, serão apresentadas as três fases da história dos Surdos - Revelação Cultural; Isolamento Cultural e Despertar Cultural - e seus pontos marcantes para as transformações na forma de pensar de cada época. Para entendermos melhor tais mudanças, o resgate histórico se faz necessário, pois através do mesmo é possível reconstruir e verificar a evolução de um povo que hoje está caminhando para a independência linguística. Conclui-se que estas propostas estruturais das fases históricas do povo surdo trazem à tona elementos comprobatórios de que o Surdo é autor de uma história, que pode ser contada não pelo viés do colonizador, mas do próprio colonizado que permaneceu em resistência.

Biografia do Autor

Carlos Roberto de Oliveira Lima, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus do Pantanal - CPAN
Tradutor Intérprete de Língua de Sinais e Mestrando em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul campus do Pantanal (Cpan). Possui formação em Tecnologia em Logística - Anhanguera Educacional (2014) e Exame de Proficiência - PROLIBRAS - em Tradução e Interpretação da Língua Brasileira de Sinais pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015).
Fabiano Quadros Rückert, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus do Pantanal - CPAN
Em 2015 conclui o Doutorado em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Nesta mesma instituição cursei Licenciatura Plena e Mestrado em História. No decorrer da graduação participei de pesquisas na área de relações interculturais e iniciei trabalhos com a metodologia da História Oral; posteriormente, ingressei na linha temática das Ideias e Movimentos Sociais na América Latina pesquisando o imaginário e as representações da Guerra Fria no contexto latino-americano. No Mestrado em História, cursado durante o biênio 2005-2006, desenvolvi uma pesquisa inserida no campo da História Ambiental, enfatizando a dimensão cultural e política do movimento ambientalista brasileiro. No período de 2013 a 2015, trabalhei como Editor da Revista Latino-Americana de História (RLAH) e como Coordenador do GT de História Ambiental da ANPUH-RS. Com o auxilio da CAPES, realizei intercâmbio na Universidad Nacional del Centro de la Província de Buenos Aires (UNICEN) e na Universidad de Jaén - España, ambos durante o curso de Doutorado. Em 2016, ingressei como Professor Adjunto no quadro de Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS),Campus Pantanal, onde leciono no Curso de Licenciatura em História e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Atualmente sou membro do Diretório de Pesquisa História, Água e Meio Ambiente.

Referências

BERNARAB, Liazid; OLIVEREIRA, Celso Socorro. Estudo da Língua Brasileira dos sinais e da língua dos sinais francesa através da sua formação e da influência do segundo Congresso Internacional de Milão na educação dos Surdos. In: IV congresso brasileiro multidisciplinar de educação especial, 4. 2007, Londrina. Anais. Londrina: Uel, 2007. p. 1 - 8. Disponível em: http://www.psiquiatriainfantil.com.br/congressos/uel2007/080.htm. Acesso em: 29 ago. 2019.

BRASIL. Portaria nº 1.060, de 30 de outubro de 2013. Relatório sobre a Política Linguística de Educação Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Grupo de Trabalho, designado pelas Portarias nº 1.060/2013 e nº 91/2013 do MEC/SECADI.

CHARAUDEAU, Patrick. Identidade linguística, identidade cultural: uma relação paradoxal. In: LARA, G. P.; LIMBERTI, R. P. (org.). Discurso e (des)igualdade social. São Paulo: Contexto, 2015, p. 13-30.

DUARTE, Soraya Bianca Reis et al. Aspectos históricos e socioculturais da população surda. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, out-dez. 2013, p.1713-1734.

FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristovão. Prática de texto para estudantes universitários. Petrópolis: Vozes, 2016.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Integração social do surdo. Trabalhos em linguística aplicada. Campinas, São Paulo, v. 7, p. 13-22. 1986.

GESUELI, Zilda Maria. Lingua (gem) e identidade: a surdez em questão. Educação & Sociedade, v. 27, n. 94, 2006, p. 277-292.

GOLDFELD, Marcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 2001.

GUARINELLO, Ana Cristina. O papel do outro na escrita dos sujeitos surdos. São Paulo: Plexus, 2007.

ILARI, Rodolfo. Reflexões sobre a língua e identidade. In: BORBA, Lilian do Rocio; LEITE, Cândida Mara Brito (Org.). Diálogos entre língua, cultura e sociedade. Campinas: Mercado de Letras, 2013, p. 17-50.

LANE, Harlan. A máscara da benevolência: a comunidade surda amordaçada. Lisboa: Instituto Piaget, 1992.

LIMA, Maria do Socorro Correia. Surdez, bilinguismo e inclusão: entre o dito, o pretendido e o feito. 2004. 271 p. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Campinas - São Paulo. 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/185053. Acesso em: 02 set. 2019.

LODI, Ana Claudia Balieiro. Plurilingüismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, dez. 2005.

LUCHESE, Anderson. Formação docente para atuação com estudantes surdos. 2016. 156 f. Dissertação (Mestrado) Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ, Chapecó, 2016.

LUCHESE, Anderson. Políticas e a Educação de Surdos no Brasil. Indaial: Uniasselvi, 2017. 179 p.

MORI, Nerli Nonato Ribeiro; SANDER, Ricardo Ernani. História da educação de surdos no Brasil. In: XIII seminário de pesquisa do programa de pós-graduação em educação, 8. 2015, Maringá. Anais do seminário de pesquisa do PPE. Maringá: Uem, 2015. p. 1 - 16. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/publicacoes/seminario_ppe_2015/. Acesso em: 29 ago. 2019.

NOGUEIRA, Cléia M. Ignatius; CARNEIRO, Marília I. N; NOGUEIRA, Beatriz N. Língua Brasileira de Sinais. Processo inclusivo na educação básica. Maringá: Cesumar, 2010.

OLIVEIRA, Liliane Assumpção. Fundamentos Históricos, Biológicos e Legais da Surdez. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2011.

PENTEADO, José Roberto Whitaker. A técnica da comunicação humana. 14. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

PERELLO, Jorge; TORTOSA, Francisco. Sordomudez. Barcelona: Científico-Médica. 1978.

PERLIN, Gladis T. T. Identidades surdas. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. 8ª Ed. Porto Alegre: Mediação, 2016. p. 51-73.

PERLIN, Gladis; STROBEL, Karin Lilian. História cultural dos surdos: desafio contemporâneo. Educar em Revista, n. 2, p. 17-31, 2014.

QUADROS, Ronice Müller de; SCHMIEDT, Magali L. P. Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006. 120 p.

RAGO, Margareth; FUNARI, Pedro Paulo A. (Org.). Subjetividades antigas e modernas. São Paulo: Annablume, 2008.

REILY, Lucia. Escola inclusiva: Linguagem e mediação. São Paulo: Papirus, 2004.

REILY, Lucia. O papel da igreja nos primórdios da educação de surdos. Revista brasileira de educação, v.12, n. 35, mai-ago, 2007, p. 308-326. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Rio de Janeiro, Brasil.

ROCHA, Solange. INES Instituto Nacional de Educação de Surdos - Revista Espaço: Edição Comemorativa 140 anos, Belo Horizonte. 1997. Editora Líttera. Disponível em: http://ines.gov.br/publicacoes. Acesso em: 29 ago. 2019.

ROSA, Danielle Gomes da. Educação e surdez: em defesa da língua de sinais para a inclusão social dos surdos. 2013. 53 f. Monografia (Especialização) - Curso de Pedagogia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Unirio, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www2.unirio.br/unirio/cchs/educacao/graduacao/pedagogia-presencial/DanielleGomesdaRosa.pdf. Acesso em: 02 set. 2019.

SÁ, Nídia Regina Limeira de. Cultura, Poder e Educação de Surdos. Manaus: INEP, 2002.

SABACK, Lilian; PATROCÍNIO, Paulo Roberto Tonani do. A insurreição dos sujeitos silenciados: Autorrepresentação nos discursos literário e audiovisual. Revista Alceu: Revista de comunicação, cultura e política, Rio de Janeiro, v. 13, n. 26, p.127-140, jan/jun. 2013. Semestral. Disponível em: http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/media/artigo9_26.pdf. Acesso em: 14 out. 2019.

SACKS, Oliver. Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo. Companhia das Letras, 1998.

SANTOS, Adriana Prado Santana; GOES, Ricardo Schers de. Língua Brasileira de Sinais - Libras. Indaial: Uniasselvi, 2016.

SILVA, Edvaldo Feliciano da; CAMPOS, Marineide Furtado. O percurso dos surdos na história e a necessidade da libras para a inclusão dos sujeitos na escola. JOINBR - Encontro Internacional de Jovens Investigadores, Campina Grande, v. 1, n. 1. 2018. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/revistas/joinbr/anais.php. Acesso em: 15 jul. 2019.

SKLIAR, Carlos. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. 8ª Ed. Porto Alegre: Mediação, 2016, p. 7-32.

STROBEL, Karin Lilian. A visão histórica da in(ex)clusão dos surdos nas escolas. Etd - Educação Temática Digital, Campinas, v. 7, n. 2, p.245-254, jun. 2006. Disponível em: https://nbn-resolving.org/urn:nbn:de:0168-ssoar-101741. Acesso em: 15 jul. 2019.

STROBEL, Karin Lilian. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008a.

STROBEL, Karin Lilian. História da educação de Surdos. 2009. 49 f. Disciplina do Curso de Letras-Libras, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducacaoDeSurdos/assets/258/TextoBase_HistoriaEducacaoSurdos.pdf. Acesso em: 29 ago. 2019.

STROBEL, Karin Lilian. Surdos: vestígios não registrados na história. 2008. 176 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008b.

Publicado
2020-03-30
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)