A cena do crime em Maíra, de Darcy Ribeiro (1976), e as lacunas do processo civilizatório

  • Alessandro Aparecido Fagundes Matos UFMS/CPTL
Palavras-chave: Cena do Crime, Elementos da narrativa, Processo civilizatório

Resumo

O processo civilizatório ainda é efetivo no modelo da sociedade brasileira. A formação do povo brasileiro sustenta e fomenta essa estrutura e as bases epistemológicas dos grandes centros. O objetivo deste trabalho, parte de uma pesquisa maior em desenvolvimento, é perceber, por meio do romance Maíra (1976), de Darcy Ribeiro, mais precisamente do recorte da cena de crime da personagem Alma, os efeitos desse processo representado na obra em destaque. Para entendimento acerca da cena do crime, o trabalho recorrerá aos escritos de Karl Erik Schollhammer. Sobre o processo civilizatório, a produção de Darcy Ribeiro, antropólogo, subsidiará o desenvolvimento do argumento. O método partirá de uma análise a partir dos elementos da narrativa, Yves Reuter, e das imagens construídas por meio da potencialidade da linguagem que conduzirá à interpretação e diálogo com a perspectiva da colonialidade. Por meio do texto literário e das orientações intelectuais que sustentam a análise, é possível refletir sobre o imaginário colonial e considerar a eficiência ocultada do processo civilizatório no imaginário do povo brasileiro. Palavras-chave: Cena do crime; Elementos da narrativa; Processo civilizatório.

Referências

REUTER, Yves. Introdução à análise do romance. Tradução Ângela Bergamini [et al.], 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

RIBEIRO, Darcy. Maíra. 19ª ed. São Paulo: Global, 2014.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 1ª edição digital. São Paulo: Global, 2014.

RIBEIRO, Darcy. O processo civilizatório: estudo de antropologia da civilização. 9ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

SÁ, Lúcia. Meninos, Eu Vi: A velhice indígena em “Y-Juca-Pyrama” e Maíra. In: BARBOSA, Maria José Somerlete (Org.). Passo e compasso: nos ritmos do envelhecer. Coleção Memória das Letras, n. 17. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

SCHULLER, Donaldo. Teoria do romance. 1ª ed., 2ª reimpressão. São Paulo: Editora Ática, 2000.

Publicado
2020-03-31
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)