A representação dos interesse políticos em Triste Fim de Policarpo Quaresma

  • Edson Mendes de Sousa Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Palavras Chave, Interesses Políticos, Policarpo Quaresma, Representação, Literatura Brasileira, Lima Barreto.

Resumo

O objetivo do presente trabalho é analisar, no contexto do romance Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, publicado em 1915, as representações dos interesses políticos, desde as inter-relações humanas nas diversas micro sociedades em que os personagens se encontram inseridos até os interesses obscuros dos políticos ao se proporem a concorrer a um cargo público eletivo, associando-os com episódios reais da história do país. A partir de uma abordagem qualitativa e método exploratório da obra, ao final do romance, conclui-se que a política no Brasil se transformou num objeto de satisfação do ego dos próprios políticos que fazem de tudo para se perpetuarem no poder, violando a ética e o compromisso que assumem quando se lançam candidatos. Conforme seus biógrafos, Lima Barreto, dedicou seu talento de escritor a lutar por justiça social, empenhando-se numa literatura autodeterminada militante, como afirma Lilia Schwarcz. De fato, conhecendo algumas de suas obras, tais como Os Bruzundangas, Recordações do Escrivão Isaias Caminha, dentre outras, notamos esta militância que o escritor exercia. Em Triste fim de Policarpo Quaresma, ele busca abordar o comportamento social, especialmente dos subúrbios cariocas, a cultura e a política, sendo, pois, esta última, objeto da presente análise. Para fundamentar nosso estudo, baseamo-nos em estudiosos como Lilia Schwarcz (2017), Arnaldo Franco Jr. (2009), teórico literário, e Laurentino Gomes (2014), historiador, dentre outros.

Biografia do Autor

Edson Mendes de Sousa, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
Acadêmico do Curso de Letras Português/Espanhol da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - Campus Aquidauana

Referências

BASTOS, Winter. Afonso Henrique de Lima Barreto. Disponível em < https://www.anarquista.net/afonso-henriques-de-lima-barreto/>. Acesso em 12 de abril de 2019.

BARRETO, A. H. de Lima. Clara dos Anjos – 2ª ed – São Paulo: Editora Ridel, 2011.

BARRETO, A. H. de Lima. Os Bruzundangas; Incluindo Outras Histórias dos Bruzundangas: texto integral. São Paulo –SP: Ática, 2001. (Série Bom Livro)

BARRETO, A. H. de Lima. Recordações do Escrivão Isaias Caminha – São Paulo: Martin Claret, 2010. – (Coleção MC clássicos de bolso: literatura em língua portuguesa; 3)

BARRETO, A. H. de Lima. Triste Fim de Policarpo Quaresma – 5ª ed – São Paulo: Martin Claret, 2011. – (Coleção a obra-prima de cada autor; 23)

MATA, Anderson Luís Nunes da. Representação e Responsabilidade na Narrativa Brasileira Contemporânea. In ______ Pelas Margens: representação na narrativa brasileira contemporânea / Regina Dalcastagnè e Paulo C. Thomas (organizadores) Vinhedo: Editora Horizonte, 2011.

ENGEL, Magali Gouveia. Parte I: Lima Barreto (1881-1922). In _____ Crônica Cariocas e Ensino de História. Rio de Janeiro: 7letras, 2008.

GOMES, Laurentino. 1989: Como um Imperador Cansado, um Marechal Vaidoso e um Professor Injustiçado Contribuíram para o Fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil – 1ª ed. – São Paula: Globo Livros, 2014.

HOSSNE, Andrea Saad. Lima Barreto: A Forma da Angústia. In _____ Cult: Revista Brasileira de Cultura. Ano VII, nº 63. São Paulo: Editora 17, novembro 2002.

JÚNIOR, Arnaldo Franco. Operadores de Leitura da Narrativa. In ______Teoria Literária: Abordagens Históricas e Tendências Contemporâneas / organização Thomas Bonnici, Lúcia Osana Zolin. 3ª ed. rev. e ampl. Maringá – PR: Eduem, 2009.

LOPES, Ana Cristina M. e REIS, Carlos. Dicionário de Narratologia. 7ª Edição. Coimbra – PT: Edições Almedina AS, 2007.

SCHWARCZ, L. M. Lima Barreto: Triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SCLIAR, Moacir. Triste fim, gloriosa permanência. IN: MOTA, Lourenço Dantas e ABDALA Jr., Benjamin. Personae: grandes personagens da literatura brasileira. São Paulo: Editora SENAC, 2001.

Publicado
2020-03-30
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)