Aspectos cognitivos da metonímia e sua relação com nomes próprios

  • Tania Mara Miyashiro Sasaki UFMS
Palavras-chave: nomes próprios, metonímia conceptual, Linguística Cognitiva, operações policiais

Resumo

Muitas e variadas questões instigam um estudo mais aprofundado acerca do uso das palavras, ou seja, das unidades lexicais, pelos falantes da língua em diferentes situações de comunicação, pois elas podem manifestar significados distintos e um dos recursos utilizados para isso são os mecanismos cognitivos para a nomeação, mais especificamente a metonímia conceptual. Nomes próprios também representam uma fonte reveladora de fatores culturais, históricos e políticos relacionados a um grupo social em uma determinada época pela sua intrínseca relação com o léxico geral da língua. Estabelecendo uma correlação entre aspectos cognitivos e pragmáticos da metonímia, este trabalho discute resultados parciais de uma pesquisa em desenvolvimento que tem como objeto de estudo a geração de nomes próprios. A proposta aqui apresentada examina, a partir de uma amostra aleatória de cinco nomes próprios de operações policiais, a visão da metonímia como recurso que transpõe a figura de linguagem e alcança o status de fenômeno cognitivo pelo uso pragmático na constituição dos nomes próprios. Tem-se, pois, como objetivo, discutir princípios reguladores constituintes da atuação desse mecanismo cognitivo e oferecer uma perspectiva de abordagem dos aspectos cognitivos subjacentes à nomeação de operações policiais. O estudo fundamenta-se na Linguística Cognitiva, a partir do norte teórico proposto por Lakoff e Johnson (1980); Lakoff (1987); Silva (1997); Radden e Kovecses (2007).

Biografia do Autor

Tania Mara Miyashiro Sasaki, UFMS
PPG - Letras

Referências

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Dimensões da Palavra. Filologia e Linguística Portuguesa, n. 2, p. 81-118, 1998.

BRASIL. Ministério da Justiça (2017). Polícia Federal Notícias. Disponível em: <http://www.pf.gov.br/agencia/noticias>. Acesso em: 20 de abr. 2019.

GEERAERTS, Dirk; CUYCKENS, Hubert. The Oxford handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, 2007.

GEERAERTS, Dirk. Theories of lexical semantics. New York: Oxford University Press, 2010.

LAKOFF, George. JOHNSON, Mark. Metaphors we live by. The University of Chicago Press: Chicago, 1980.

LAKOFF, George. Women, fire, and other dangerous things. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

LANGACKER, Ronald W. Reference-point constructions. Cognitive Linguistics, v. 4, p. 1-38, 1993. Disponível em: <https://doi.org/10.1515/cogl.1993.4.1.1>. Acesso em: 12 mar. 2019

LARA, Luís Fernando. Curso de Lexicologia. 1ª ed. México: D.E.: El Colegio de México, 2006.

McCAULEY, Robert. The role of theories in a theory of concepts. In: NEISSER, U. (ed.) Concepts and conceptual development: ecological and intellectual factors in categorization. New York: Cambridge University Press, 1987, p. 288-306.

PANTHER, Klaus-Uwe, THORNBURG, Linda. Metonomy. In: GEERAERTS, Dirk; CUYCKENS, Hubert. The Oxford handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, 2007, p. 236-242.

RADDEN, Gunter, KOVECSES Zoltán. Towards a theory of Metonomy. In: The Cognitive Linguistics Reader. Edited by Vyvyan Evans, Benjamin Bergen, Jorg Zinken. London: Equinox, 2007, p. 335-359.

ROHER, Tim. Embodiement an Experencialism. In: GEERAERTS, Dirk; CUYCKENS, Hubert. The Oxford handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, 2007, p. 25-44.

SILVA, Augusto Soares. A linguística Cognitiva – uma breve introdução a um novo paradigma em linguística. Revista Portuguesa de Humanidades, Braga, v. 1, n.2, p. 59-101, 1997.

VERHAGEN, Arie. Construal and Perspectivization. In: GEERAERTS, Dirk; CUYCKENS, Hubert. The Oxford handbook of Cognitive Linguistics. New York: Oxford University Press, 2007, p. 48-78.

Publicado
2020-03-30
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)