A representação das mulheres em dois romances do século XIX: um estudo comparativo

  • Fernanda Oliveira de Goes Borges UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
Palavras-chave: Literatura brasileira, Mulheres escravas, Romance brasileiro, Bernardo Guimarães, Aluísio Azevedo

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo o estudo de dois romances da literatura brasileira do século XIX, especificamente com a análise da representação da mulher escrava nas obras A escrava Isaura, de Bernardo Guimarães, publicada em 1875, e O Cortiço, de Aluísio Azevedo, publicada em 1890, com um estudo comparativo entre as personagens Isaura e Bertoleza. Como suporte a esta análise, utilizaremos autores como Antônio Cândido (2004) e Freire (2015), acerca da crítica literária sobre os romances, Leandro Narloch (2017) e Jessé de Souza (2017), que compõem o contexto histórico de produção das obras, narrando relatos reais de escravos, e Carlos Reis e Ana Cristina M. Lopes (2007) para discutirmos o conceito de representação, entre outros autores. Como buscamos demonstrar, embora ambas as personagens sejam escravas, há diferenças consideráveis em seus percursos e elas sofrem de maneiras diversas os efeitos da escravidão.

Referências

AZEVEDO, Aluísio. Aluísio Azevedo/seleção de textos, notas, estudos biográfico, histórico e crítico e exercícios por Antônio Dimas. São Paulo: Abril Educação, 1980. (Literatura comentada)

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Editora Ática. 36° edição – 8° reimpressão. 2005

CANDIDO, Antonio. De cortiço a cortiço. In: O discurso e a cidade. São Paulo/Rio de Janeiro: Dias Cidades/Ouro sobre azul, 2004.

FLORENTINO, Manolo Garcia. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre África e o Rio de Janeiro (século XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995)

FREIRE, J. A. T. Habitantes das fronteiras: ‘crias da casa’ na literatura brasileira. In: Olhares sobre o marginal. 1° ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2015, v. 1, p. 159-179.

GUIMARÃES, Bernardo. A Escrava Isaura. Editora Ática, São Paulo: 1988.

LIMA, José Antônio. Onde a escravidão persiste. Carta Capital, 2018. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/politica/onde-a-escravidao-persiste. Acesso em: 16 mai. 2018.

MATA, A. L. N. Representação e responsabilidade na narrativa brasileira contemporânea. In: Regina Dalcastagnè e Paulo C. Thomaz. (Org.). Pelas margens: representação na narrativa brasileira contemporânea. 1ed. Vinhedo: Horizonte, 2011, v. 1, p. 15-39.

NARLOCH, Leandro. Achados e perdidos da História: escravos. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2017.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina M. Dicionário de Narratologia. 7ª. Coimbra: Almedina, 2007.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

Publicado
2020-03-30
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)