Entre a culpabilização do sujeito feminino e o apagamento da vítima: fronteiras discursivas em comentários no Facebook

  • Amanda da Silva Duarte Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Elaine de Moraes Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Estupro coletivo, Sujeito vulnerável, Culpabilização da vítima

Resumo

As relações de força que atravessam e corporificam o gênero demandam especial atenção, por serem uma das técnicas definidas por estereótipos sociais (FOUCAULT, 2016). Considerando, portanto, as formulações sobre infância e corpo feminino que circulam nas redes sociais, este trabalho visa problematizar, à luz da perspectiva teórico-metodológica da Análise do Discurso de linha francesa, como uma menina de 12 anos, vítima de um estupro coletivo por 11 homens, em Itaguaí-RJ, passa a figurar enquanto um objeto sexual passível de violação. A repercussão do caso noticiado, seja por jornais de grande circulação local, seja no Facebook, foi marcada por dois efeitos de apagamento: a) do estado de saúde da vítima; b) do caráter hediondo do crime. Perpassando as duas arestas silenciadas, há, ainda, um movimento voltado à legitimação da violência em função do imaginário sobre a participação da vítima em um baile funk no Morro do Carvão. Em face do exposto, nosso gesto de análise é constituído pelo batimento entre a notícia, os papéis atribuídos ao gênero feminino e as representações espaciais sobre o local do crime. As diferentes interpretações sobre a chamada e os comentários publicados propiciaram um terreno fecundo para a circulação do rumoral (SILVEIRA, 2016). No rol do cenário descrito, os resultados explicitam a manifestação dos internautas como uma prática que tende a justificar a violência com a culpabilização de sujeitos vulneráveis, além de determinar regras de comportamento para corpos específicos.

Biografia do Autor

Amanda da Silva Duarte, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Voluntária em Projeto de Iniciação Científica - PIVIC e discente do curso de Letras Português e Espanhol da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
Elaine de Moraes Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Docente do Mestrado em Estudos de Linguagens da Faculdade de Artes, Letras e Comunicação (FAALC). Líder do Grupo de Pesquisa Corpo, Surdez e Discursividades (político)midiáticas (SuDiC)CNPq-UFMS.

Referências

ABDULALI, S. Do que estamos falando quando falamos de estupro. Trad. Luis Reyes Gil. São Paulo: Vestígio, 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 01 out. 2019.

DIAS, C. P. Arquivos digitais: da des-ordem narrativa à sede de sentidos. In: GUIMARÃES, E.; PAULA, M. R. de (Orgs.). Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2005, p. 41-56.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010c.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 20. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2010a.

FOUCAULT, M. Mesa redonda em 20 de maio de 1978. In: FOUCAULT, M. Estratégia, Poder-Saber. Organização e seleção de textos, Manoel Barros de Motta; tradução, Vera Lucia Avellar Ribeiro. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010b, p. 335-351. (Ditos e Escritos; IV).

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. O corpo utópico, as heterotopias - Posfácio de Daniel Defert, tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: N-1, 2013.

FOUCAULT, M. Outros espaços: heterotopias. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos. Vol. III. Trad. Inês A. D. Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p. 410-416.

FOUCAULT, M. Subjetividade e verdade: curso no Collège de France (1980-1981). Trad. Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. de Raquel Ramalhete. 37. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GALLO, S. M. L. Plágio na internet. In: MORELLO, R. (Org.). Giros na cidade: materialidade do espaço. Campinas: Labeurb/Unicamp, 2004, p. 47-55.

LUNA, N. M. P. de A. F.; SANTOS, G. F. Liberdade de expressão e discurso de ódio. Revista Direito e Liberdade. V. 16, n. 03. Rio Grande do Norte: ESMARN, 2014, p. 227-255.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 2012.

SANTOS, E. M. de. Efeitos discursivos e a escrita da história política no Brasil de 2018. In: FLORES, G. G. B. et al (Orgs.). Discurso, cultura e mídia: pesquisas em rede. Volume 3. Santiago: Ed. Oliveira Books, 2019, p. 422-436.

SANTOS, E. M. de. O espetáculo político e a docilização do corpo na campanha eleitoral de Lula em 2002. 2009. 167 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

SILVEIRA, J. da. Rumor(es) e Humor(es) na circulação de hashtags do discurso político ordinário no Twitter. 2015. 200 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Letras, Pós-graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2015.

SILVEIRA, J. O efeito de rumor na discursivização do corpo político-midiático: imagens rumorais no discurso ordinário digital. REDISCO - Revista Eletrônica de Estudos do Discurso e do Corpo, v. 10, p. 57-80, 2016. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/redisco/article/viewFile/6142/5884. Acesso em: 12 fev. 2017.

SOUZA, M. A. de. 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente: história, política e sociedade. In: MOREIRA, J. de O.; SALUM, M. J. G.; OLIVEIRA, R. T. Estatuto da Criança e do Adolescente: refletindo sobre sujeitos, direitos e responsabilidades. Brasília: CFP, 2016.

Publicado
2020-03-30
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)