Manifestação da polidez/cortesia na tomada de depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na 24ª fase da Operação Lava Jato

  • Andre Luiz dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)/Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG)
Palavras-chave: Linguística forense, Análise da conversação, Polidez

Resumo

Nosso objetivo é apresentar/discutir os conceitos de cortesia e polidez baseados nos estudos de Goffman (1970), posteriormente retomados por Brown e Levinson (1978), e na proposta de cortesia defendida por Koch e Bentes (2008) para consequentemente evidenciar o emprego das estratégias de cortesia/polidez na tomada de depoimento, interação considerada oclusa à sociedade, como assinalam Andrade e Ostermann (2007). Para tanto, valemo-nos de um corpus constituído pelo depoimento prestado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao delegado da Polícia Federal durante a 24ª fase da Operação Lava Jato, divulgado pela imprensa naquela ocasião, disponibilizado no YouTube e transcrito conforme as normas postuladas por Preti (2003). Nosso aporte teórico tem embasamento nos princípios da Análise da Conversação em interface com a Linguística Forense. Os resultados parciais obtidos em nossa pesquisa apontam em uma direção contrária aos estudos anteriores sobre a tomada de depoimentos realizados por Van Dijk (2015). Para esse pesquisador, as estratégias de polidez e cortesia seriam praticamente ausentes devido ao ato discursivo ser “rigidamente controlado” e ocorrer “a ausência quase total de atos de discurso centrados na regulação das relações interpessoais”. Ou seja, em nossa análise, não só é possivel ratificar o posicionamento de Imediato (2018, p. 79) de que o trabalho de face é uma condição da interação e, consequentemente, não poderia estar ausente na interação em estudo, mas também se valida como uma estratégia argumentativo-discursiva mobilizada pelos interactantes durante o depoimento pelo uso de inúmeros recursos linguísticos que expressam a manifestação da cortesia/polidez.

Referências

ÁLVAREZ, A. Cultura e cortesia. 2007 (mimeo).

ANDRADE, D. N. P.; OSTERMANN, A. C. O interrogatório policial no Brasil: a fala institucional permeada por marcas de conversa espontânea. Caleidoscópio, v. 5, n. 2, p. 92-104, maio/ago. 2007.

BROWN, P.; LEVINSON, S. C. Politeness: some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press,1978.

BURGO, V. H.; ARAÚJO, C. P. E. O princípio da cooperação em audiências judiciais: as máximas conversacionais em casos de violência contra mulheres. Cadernos Discursivos, v. 1, n. 1, p. 189-204, 2018.

BURGO, V. H.; FERREIRA, E.; STORTO, L. Expressões e termos da língua falada sob a luz da análise do discurso. In: BURGO, V. H.; FERREIRA, E.; STORTO, L. (Orgs). Análise de textos falados e escritos: aplicando teorias. Curitiba: Editora CRV, 2011, p. 35-56.

CARAPINHAS, C. A linguagem nos “bancos dos réus” – alguns aspectos da linguística jurídica. Ciclo de Seminários do CELGA, Coimbra, março de 2010.

CHAFE, W. L. Linguistic differences produced by diferences between speaking and writing. In: OSLON, D. R.; TORRANCE, N.; HILDAYARD, A. (Eds). Literacy, language and learning: the nature and consequence of reading and writing. Cambridge: Cambridge University Press, p. 105-23,1985.

CHARAUDEAU, P. A conquista da opinião pública: como o discurso manipula as escolhas políticas. Trad. Ângela M. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2016.

CHERUBIN, S. Dicionário de figuras de linguagem. São Paulo: Enio Matheus Guazell, 1989.

FÁVERO, L.; ANDRADE, M. L.; AQUINO, Z. Discurso e interação: a polidez nas entrevistas. Atas do I Colóquio Internacional “A investigação do português em África, Ásia, América e Europa: balanço crítico e discussão do ponto atual das investigações”. Berlim: [s. n.], 1998.

GALEMBECK, P. T. Metodologia de Pesquisa do Português Falado. In: RODRIGUES, A. C. de S. et al. (Orgs.). I Seminário de Filologia e Língua Portuguesa. São Paulo: Humanitas/ FFLCH/ USP, p. 109-19,1999.

GALEMBECK, P. T; CARVALHO, A. Os marcadores conversacionais na fala culta de São Paulo. Projeto Nurc São Paulo, v.1, p. 830-48, 1997.

GOFFMAN, E. Ritual de la interacción. Buenos Aires: Tiempo Contemporáneo, 1970.

HERNANDEZ-FLORES, N. Cortesía y otros tipos de atividades de imagen: significado comunicativo y social em um debate televisivo. International Pragmatics Association, p. 681-706, 2008.

IMEDIATO, W. Face, imagens de si e posturas enunciativas. In: CUNHA, G. X.; OLIVEIRA, A. L. M. (Orgs.). Múltiplas perspectivas do trabalho de face nos estudos da linguagem. Belo Horizonte: UFMG, 2018, p. 71-92.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Análise da conversação. Princípios e métodos. Trad. Carlos Piovenzani Filho. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

KOCH, I. G. V.; BENTES, A. C. Aspectos da cortesia na interação face a face. In: PRETI, D. (Org.). Cortesia verbal. São Paulo: Humanitas, 2008, p. 19-48 (Projetos Paralelos - NURC/SP; v. 9).

MENDES, R. B; OUSHIRO, L. O paulistano no mapa sociolinguístico brasileiro. Alfa, São Paulo, v. 56, n. 3, p. 973-1001, 2012.

OLIVEIRA, J. A. Polidez, a virtude do simulacro. Uniletras, n. 21, dez. 1999, p. 1-7.

PEREIRA BARBOSA, R. S. Inter(faces): uma releitura retórico-problematológica da relação entre ethos e face em um discurso político. In: CUNHA, G. X.; OLIVEIRA, A. L. M. (Orgs.). Múltiplas perspectivas do trabalho de face nos estudos da linguagem. Belo Horizonte: UFMG, 2018, p. 109-128.

PRETI, D. (Org.). Análise de textos orais. 6 ed. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2003.

ROMUALDO, E. C. O discurso relatado em depoimentos da justiça: formas e funções. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, v. 25, n. 2, p. 233-40, 2003.

ROSA, M. M. Marcadores de atenuação. São Paulo: Contexto, 1992.

SANTOS, A. L.; SOUZA, J. P. J. As particularidades do inglês falado na construção da imagem da drag queen americana. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SILVA, L. A. Polidez na interação professor/aluno. In: PRETI, D. (Org.) Estudos de língua falada: variações e confrontos. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 1998, p. 109-30. (Projetos Paralelos, 3).

TRASK, R. L. Dicionário de linguagem e linguística. Trad. Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2004.

VAN DIJK, T. A. Discurso e Poder. 2. ed., 2 reimp. São Paulo: Contexto, 2015.

Publicado
2020-03-30
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)