O processo diglóssico entre as línguas terena e portuguesa nas comunidades indígenas terena de Campo Grande

  • Guadalupe Vilhalba Cabral Xavier
  • Onilda Sanches Nincao
Palavras-chave: Língua Terena, Língua Portuguesa, Diglossia, Urbana

Resumo

Este trabalho tem por objetivo apresentar a configuração do processo diglóssico da Língua Portuguesa e Terena de comunidades indígenas de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Tal temática é relevante em razão do aumento crescente da população indígena que sai de suas aldeias em busca de novas oportunidades de trabalho na capital (URQUIZA e VIEIRA, 202). Em Campo Grande existem 9 aldeias urbanas e um quiosque no Mercadão Municipal com um quadro sociolinguístico complexo pelo fato dos habitantes serem provenientes de diversas aldeias com manutenção e uso da língua Terena e outras com perda e deslocamento da língua indígena, tendo a língua portuguesa como língua materna. A metodologia da pesquisa de mestrado de caráter qualitativo e etnográfico buscou analisar os resultados obtidos em interação com os participantes da pesquisa (SEVERINO, 2016). A fundamentação teórica baseia-se nos conceitos de fenômenos linguísticos relacionados a línguas em contato (BRAGGIO,1998; MAHER, 2007) e os processos diglóssicos (HAMEL; SIERRA, 1983). Os resultados mostraram a presença do bilinguismo diglóssico diversificado com uso significativo da Língua Portuguesa e o uso diferenciado da língua Terena entre as faixas etárias presentes na comunidade Terena. Desta forma, espera-se contribuir com a comunidade Terena e órgãos capacitados para definição de diretrizes para a preservação e ensino da Língua Terena no contexto das aldeias indígenas urbanas da capital.

Biografia do Autor

Guadalupe Vilhalba Cabral Xavier
Licenciada em Letras Português-Espanhol - UFMS/Campo Grande Mestre em Estudos de Linguagens - UFMS/FAALC/PPGEL
Onilda Sanches Nincao
Docente da Licenciatura Intercultural Indígena - UFMS/CPAQ Docente Permanente do Mestrado Profissional em Letras- UFMS/CPTL Mestre (PUC-SP/LAEL) e Doutora em Linguística Aplicada (UNICAMP/IEL)

Referências

AZANHA, Gilberto. As terras indígenas Terena no Mato Grosso do Sul. Revista de Estudos e Pesquisas. FUNAI, Brasília, v. 2, n. 1, p. 61-111, jul. 2005.

ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Migrações e contatos linguísticos na perspectiva da geolinguística pluridimensional e contatual. Revista de Letras Norte@mentos Estudos Linguísticos, Sinop, v. 6, n. 12, p. 31-52, jul./dez. 2013.

BITTENCOURT, Circe Maria. LADEIRA, Maria Elisa. A história do povo Terena. Brasília: MEC, 2000.

BRAGGIO, Silvia Lucia Bigonjal. Contato entre Línguas: Subsídios para Educação Escolar Indígena. Revista do Museu Antropológico, UFG, Goiânia, v. 2, n. 1., 1998.

CALVET, Louis – Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CAVALCANTI, C. M. (1999). “Estudos Sobre Educação Bilíngüe e Escolarização em Contextos de Minorias Lingüísticas no Brasil”. REVISTA D.E.L.T.A, no 15:385-417. Número Especial.

CENSO DEMOGRÁFICO 2010, CARACTERISTICAS GERAIS DOS INDIGENAS. Resultados do universo. Rio de janeiro. 2010.

FRANCESCHINI, Dulce do Carmo. Línguas Indígenas e Português: Contato ou Conflito de Línguas? Reflexões Acerca da Situação dos Mawé. In SILVA, Sidney de Souza. Línguas em contato: Cenários de bilinguismo no Brasil. Coleção Linguagem e Sociedade, v. 2. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

HAMEL, Rainer Enrique; SIERRA, Maria Teresa. Diglossia y Conflicto Intercultural: la lucha por un concepto o la danz de los significantes. Boletín de Antropología Americana, n. 8: p. 89-110, dez. 1983.

MAHER, Tereza Machado. O Dizer do Sujeito Bilíngue: aportes da Sociolinguística. In: Seminário Desafios e Possibilidades na Educação Bilíngue para Surdos, 1997 / (organização) INES, Divisão de Estudos e Pesquisas - Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Ed. Líttera Maciel Ltda, 1997.

_______. Sendo índio em português. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

_______. Do casulo ao movimento: a suspenção das certezas na educação bilíngue e intercultural. In: CAVALCANTE, Marilda C.; RICARDO, Estella Maris Bortoni. (Org.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, p. 67-73, 2007.

_______. Sendo índio na cidade: mobilidade, repertório linguístico e tecnologias. Revista da Anpoll, Florianópolis, n. 40, p. 58-69, jan./jun. 2016.

MELLO, Heloisa Augusta Brito de. Atitudes linguísticas em uma comunidade bilingue do sudoeste goiano. In: SILVA, Sidney de Souza. Línguas em contato: cenários de bilinguísmo no Brasil. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

NINCAO, Onilda Sanches. Representações de Professores Indígenas sobre o Ensino da Língua Terena na Escola. 2003. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica (PUC), São Paulo, 2003.

_______.“Kóho Yoko Hovôvo/O Tuiuiú e o Sapo”: identidade, biletramento e política linguística na formação continuada de professores Terena. 2008. 236f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2008.

PRUDENTE, Mabel Pettersen. Um estudo Sociolinguístico sobre a comunidade Árabe em Goiânia. In: SILVA, Sidney de Souza. Línguas em contato: cenários de bilinguismo no Brasil. Campinas: Pontes, 2011.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, Luiz Felipe Barros Lima; BERNARDELLI, Mara Lúcia Falconi da Hora. A Constituição da comunidade urbana Água Bonita em Campo Grande – MS: Territorialidade e identidade indígena. XVII Encontro Nacional de Geógrafos. São Luís/MA, jul. 2016.

SILVA, Sidney de Souza. A Colônia do Rio Uvá: Um contexto de Imigração Alemã e Deslocamento Linguístico. . In: SILVA, Sidney de Souza. Línguas em contato: cenários de bilinguísmo no Brasil. Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

URQUIZA, Antônio Hilário Aguilera; VIEIRA, Carlos Magno Naglis. Educação escolar e os índios urbanos de Campo Grande/MS: considerações preliminares sobre as práticas de ensino nas escolas. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Campinas: UNICAMP, 2012.

Publicado
2020-03-31
Seção
EDIÇÃO ESPECIAL - II SELLIAQ (SEMINÁRIO NACIONAL DE LÍNGUAS E LINGUAGENS DA UFMS/CPAQ)