O ensino de Matemática nas Escolas Isoladas de Santa Catarina: dos enunciados no Programma de 1926

  • Francine Fragoso de Miranda Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Cláudia Regina Flores UFSC

Resumo

Este trabalho trata a respeito do ensino de matemática nas escolas isoladas das zonas coloniais de Santa Catarina. O objetivo é discorrer sobre os enunciados emergentes no Programma de Ensino Oficial adotado pelo Estado no ano de 1926. O referencial teórico adotado é o de Michel Foucault, por meio do qual foi possível analisar o Programma de Ensino das Escolas Isoladas das Zonas Coloniais de Santa Catarina, aprovado por meio do Decreto nº 1944, de 27 de fevereiro de 1926. As análises mostram que houve um outro dimensionamento dado à Matemática neste programa, que tinha o objetivo, além de alfabetizar, de ensinar a língua portuguesa, inclusive a linguagem vernácula aritmética.

Biografia do Autor

Francine Fragoso de Miranda Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciada em Pedagogia pela UFSC (2016). Atuou como professora da Prefeitura Municipal de Antônio Carlos no de 2016. Atualmente é Técnica em Educação na Prefeitura Municipal de Biguaçu, atuando na Educação de Jovens e Adultos. Doutoranda em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: francineemiranda@gmail.com.

Cláudia Regina Flores, UFSC

Doutora em Educação pela UFSC/SC. Professora da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. E-mail: claureginaflores@gmail.com.

Referências

Decreto nº 1.944, de 27 de fevereiro de 1926. (1926). Aprova o Programma de ensino das Escolas Isoladas das zonas coloniaes.

Ferber, L. P. (2014). Os jeitos de ser das escolas isoladas de Santa Catarina: entre relatórios e programas de ensino (1911-1916). Publicações do Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul e Reunião Científica Regional da ANPED (X ANPEDSUL), Florianópolis (SC), (1), 1-15. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/publicacao/trabalhos_completos.php.

Foucault, M. (2008). A Arqueologia do Saber (6ª ed.). Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (2018). Microfísica do poder (8ª ed.). Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra.

Pereira, V. R. B. (2004). NACIONALIZAÇÃO – Autoritarismo e Educação Inspetores e Professores nas escolas catarinenses – 1930 - 1940. Dissertação de Mestrado em Educação. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 1º de agosto, 2020, de: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/86861.

Santa Catarina. (1926). Programma de Ensino das Escolas Isoladas das zonas coloniaes. Imprensa Oficial, Florianópolis.

Santos, P. S. dos, Flores, C. R. & Arruda, J. P. de. (2013). Fotografias: o visível e o invisível de uma história do ensino de matemática. REMATEC, 8(13), 7-23. Disponível em: http://www.rematec.net.br/index.php/rematec/issue/viewIssue/14/25.

Santos, P. S. dos, Kuhn, T. T. & Flores, C. R. (2017). Dos enunciados acerca da matemática e do desenho nos Grupos Escolares catarinenses. Atos de Pesquisa em Educação, 12(2), 363-388. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7867/1809-0354.2017v12n2p363-388.

Silveira, R. K. da. (2013). Orientações da Reforma Orestes Guimarães para a matemática na Escola Normal Catharinense. Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 1º de agosto, 2020, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/107107.

Publicado
2020-10-25
Como Citar
de Miranda Silva, F. F., & Flores, C. R. (2020). O ensino de Matemática nas Escolas Isoladas de Santa Catarina: dos enunciados no Programma de 1926. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (5), 1-5. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/12013
Seção
Sessões Coordenadas