Jogos de Cenas a partir de Mapas Espectrais-Gramaticais

  • Márcia Maria Bento Marim Mestranda da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (FE – UNICAMP) pelo Programa de Pós-Graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e de Matemática (PECIM)

Resumo

Este artigo traz algumas considerações tecidas na nossa pesquisa, que partiu da constatação da longevidade de práticas mobilizadoras de rastros de significação de práticas de ensino de matemática escolar sugeridas pelos Atividades Matemáticas (AM – SEE/CENP/SP). Orientados por uma atitude metódica de caráter terapêutico-desconstrucionista e inspirados nos espectros citacionais de dois filósofos – Ludwig Wittgenstein e Jacques Derrida – tivemos o propósito de mobilizar alguns excertos de nossa pesquisa, a fim de trazer para a discussão no campo de pesquisa historiográfica em educação matemática a noção de performance em encenações narrativas da linguagem. No modo como mobilizamos tais excertos, a linguagem é entendida como ação, ou seja, os jogos de linguagem são vistos como jogos de cenas ou encenações da linguagem. Apresentamos uma possibilidade de descrição na forma de mapas espectraisgramaticais (mapas EG). Os mapas EG se constituíram em instrumentos facilitadores para a descompactação das camadas de significação identificadas nas encenações narrativas de eventos
efetivos para depois mobilizá-las em jogos de cenas e, então, submetê-las, quando possível e necessário, à terapia desconstrucionista.

Referências

CARLSON, M. A. Performance: uma introdução crítica. Tradução de Thais Flores Nogueira Diniz e Maria Antonieta Pereira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

DERRIDA, J. Espectros de Marx: o Estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Tradução de Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

MARIM, M. M. B. AM[OU]: um estudo terapêutico-desconstrucionista de uma paixão. Dissertação de mestrado. UNICAMP/FE.– Campinas, SP, 2014.

MCDONALD, H. The narrative act: Wittgenstein and narratology. Surfaces Revenue électronique, v. IV, 1994. Disponível em: <http://www.pum.umontreal.ca/revues/surfaces/vol4/mcdonald.html>. Acesso em: 14

out. 2013.

___________. Narrative Theory and Cultural Studies. Telos journal. v. 2001, nº121, p. 11-53, 2001.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 1995.

MIGUEL, A. Vidas de professores de matemática: o doce e o dócil do adoecimento. In: GOMES, M. L. M.; TEIXEIRA, I. A. C.; AUAREK, W. A.; PAULA, M. J. (orgs.). Viver e Contar: experiências e práticas de professores e Matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2011. p. 271–309.

___________. A pesquisa historiográfica sob uma perspectiva wittgensteiniana. In: Encontro Nacional de Pesquisas em História da Educação Matemática,1., Vitória da Conquista, BA: UESB, Anais eletrônicos, v. 1, 2012. Mesa redonda. 1 CD ROM.

__________. Historiografia e Terapia na cidade da Linguagem de Wittgenstein. Artigo baseado em apresentação oral realizada no XI ENEM, em Curitiba, PUCPR, Mesa Redonda História da Educação Matemática: o que a filosofia tem a ver com isso? Ano 2013 – no prelo.

WHOLFREYS, J. Compreender Derrida. Tradução de Caesar Souza. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Tradução de José Carlos Bruni. São Paulo: Abril Cultural, 1975. Coleção Os Pensadores.

Publicado
2022-01-08
Como Citar
Marim, M. M. B. (2022). Jogos de Cenas a partir de Mapas Espectrais-Gramaticais . Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (2), 950-960. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/15195
Seção
Sessões Coordenadas