Saberes geométricos para ensinar geometria prática

  • Marcos Fabrício Pereira Secretaria Executiva de Educação - SEDUC/PA
  • Francisca Janice dos Santos Fortaleza Universidade Federal do Pará

Resumo

A elaboração deste texto deu-se de forma a identificar os saberes geométricos para ensinar geometria prática no livro didático Geometria Prática ou Desenho Linear de autoria de J. De Brito Basto, configurando o referido livro como nossa fonte de pesquisa. Para tal verificação tomamos como aporte teórico-metodológico, sobretudo, os conceitos de “saberes a ensinar” e “saberes para ensinar”, fazendo notar como decorrência desses a expressão “saberes geométricos para ensinar geometria prática”. Identificamos nas construções geométricas assinaladas por Bastos no referido livro que tais saberes que se mostram mais recorrentes estão relacionados à circunferência, tais como arco e raio, os quais são demandados até mesmo para o tracejo de uma paralela sobre uma reta dada; paralelismo; perpendicularidade; vértice e ângulos, o que nos faz considerá-los como saberes geométricos essências para ensinar geometria prática.

Referências

Bastos, J. de B. (s.d.). Geometria Prática ou Desenho Linear. Pará: Livraria Comercial.

Brito, A. de J., Miorim, M. A. (2016). A institucionalização da História da Educação Matemática. In A. V. M. Garnica (Org.). Pesquisa em história da educação matemática no Brasil (pp. 67-92). São Paulo: Editora Livraria da Física.

Carvalho, M. M. C. de (2010). Reformas da instrução pública. In E. M. S. T. Lopes, L. M. de Faria Filho & C. G. Veiga (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177-229. Retirado em 23 de outubro, 2015, de: http://moodle.fct.unl.pt/pluginfile.php/122510/mod_resource/content/0/Leituras/Chervel01.pdf.

Choppin, A. (2004). História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, 30 (3), 549-566. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27957.

Choppin, A. O manual escolar: uma falsa evidência histórica. História da Educação, 13 (27), 9-75. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/29026.

Frizzarini, C. R. B. & Leme da Silva, M. C. (2014). Primeiras Noções de Geometria Prática de Olavo Freire: um compêndio inovador? Anais Eletrônicos do 14º Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia (pp. 1-8). Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de História da Ciência. Retirado em 06 de maio, 2018, de https://www.14snhct.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=1820.

Hofstetter, R. & Valente, W. R. (Orgs.). (2017). Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Leme da Silva, M. C. & Valente, W. R. (2012). A geometria dos grupos escolares: Matemática e Pedagogia na produção de um saber escolar. Cadernos de História da Educação, 11, 559-571. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/index.

Machado, B. F. & Mendes, I. A. (2016). Manuais didáticos no estado do PARÁ: Aritmética, a Geometria e o Desenho – Século XIX e primeira metade do Século XX. XIV Seminário Temático: Saberes Elementares Matemáticos do Ensino Primário (1890-1970): Sobre o que tratam os Manuais Escolares? (pp. 0-13). Natal: Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação Matemática do Brasil – GHEMAT. Retirado em 20 de novembro, 2017, de: http://xivseminariotematico.paginas.ufsc.br/.

Moacyr, Primitivo. (1936). A instrução e o Império. São Paulo: Companhia Editora Nacional. Disponível em: http://www.brasiliana.com.br/obras/a-instrucao-e-o-imperio-1- vol/pagina/181/texto.

Moreira, E. (1989). O livro didático paraense. In E. Moreira, E. Obras reunidas de Ediorfe Moreira. Belém: Cultural CEJUP.

Pará. (1993). Decreto nº 1.190, de 17 de fevereiro de 1903.Regulamento Geral do Ensino Primário. Typ do Diário Oficial do Pará, Belém.

Valente, W. R. (2007). História da Educação Matemática: interrogações metodológicas. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 2 (1), 28-49. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/12990/12091.

Valente, W. R. (2008). Livro didático e educação matemática: uma história inseparável. ZETETIKÉ, 16 (30), 139-162. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/index.

Valente, W. R. (2012). Tempos de Império: a trajetória da geometria como um saber escolar para o curso primário. Rev. bras. hist. educ., 12 (3), 73-94. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/160382/446-1200-1-PB.pdf;sequence=1.

Valente, W. R. (2017a). Dos livros didáticos para os cadernos de matemática: a emergência dos saberes profissionais. Zetetiké, 25 (2), 254-264. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/index.

Valente, W. R. (2017b). Os saberes para ensinar matemática e a profissionalização do educador matemático. Rev. Diálogo Educ., 17 (51), 207-222. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/index.

Publicado
2019-04-25
Como Citar
Pereira, M. F., & Fortaleza, F. J. dos S. (2019). Saberes geométricos para ensinar geometria prática. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (4). Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/6424
Seção
Sessões Coordenadas