Com a Palavra, a Criança: conversas na sala de aula de inglês que (trans)formam

  • Marianna Cardoso Reis Merlo UFES
  • Liliane Salera Malta Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Educação Linguística com crianças; Autoetnografia; Formação docente.

Resumo

Quando falamos sobre educação linguística em línguas estrangeiras com crianças, ainda há muito o que se discutir em relação a (a ausência de) documentos orientadores, regulamentação curricular, formação docente, entre outras questões (XXXX, 2018; XXXX, 2019). Faz-se relevante salientar, porém, que avanços nesse cenário vêm ocorrendo, especialmente nas últimas duas décadas, sobretudo quanto à formação docente e ao aumento de pesquisas relacionadas ao tema   (ROCHA,   2006;   TONELLI; PÁDUA; OLIVEIRA, 2017; TONELLI; KAWACHI-FURLAN, 2021, entre outras), conforme mapeamento do Grupo de Pesquisa Formação de Professores e Ensino de Línguas para Crianças (FELICE), com base na Universidade Estadual de Londrina. Esses estudos têm gerado reflexões que nos permitem compreender que teorias basilares em educação e em linguística aplicada, tais como a educação crítica freireana (FREIRE, 1996; 1997) e a translinguagem (CANAGARAJAH, 2017; YIP; GARCÍA, 2018; MACIEL; ROCHA, 2020), podem nos auxiliar nas práticas em sala de aula ao propor uma educação linguística com crianças de forma horizontal e dialógica (MONTE MÓR; NASCIMENTO, 2020). Em nossas práticas pedagógicas, percebemos que esse diálogo envolve um processo de escuta atenta (ARAGÃO, 2018), que não somente abre espaço para que as crianças assumam seu papel de sujeitos ativos no processo de construção de conhecimento (LÓPEZ-GOPAR, 2019), como também permite que nos formemos como educadoras enquanto educamos (FREIRE, 1996), na medida em que construímos conhecimentos acerca de nossa formação docente a partir da voz das crianças. Com isso em mente, lançamos um olhar autoetnográfico (MULIK, 2021) sobre nosso fazer docente e relatamos histórias de sala de aula que têm nos (trans)formado, provocando rupturas significativas em nosso fazer pedagógico, estimulando-nos a (re)pensar teorias, práticas e até mesmo a própria língua, colaborando com nossa práxis educacional em língua inglesa com as crianças.

Biografia do Autor

Liliane Salera Malta, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutoranda em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Pesquisadora da área de Linguística Aplicada, atuando com as teorias da Educação Crítica, Letramentos, Formação de Professores e Teorias Decoloniais. Participante do grupo de pesquisas FELICE (Formação de professores e ensino de línguas para crianças). Mestra em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), participou do Grupo de Estudos em Educação Crítica (GEEC/UFES). Graduada em Letras-Inglês pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Graduada em Pedagogia pela Universidade de Franca (UNIFRAN). Tem experiência na área de Linguística Aplicada, atuando em Educação Linguística com teorias de Educação Critica, Letramentos e Formação de Professores. Bacharel em Nutrição pela Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo - Vitória (2009).

Referências

ADAMS, T.E.; ELLIS, C.; JONES, S.H. Autoethnography. In: MATTHES, J.; DAVIS, C.S.; POTTER, R.F. (org.) The international encyclopedia of communication research methods. [s.l.]: John Wiley & Sons, Inc., 2017. p. 1-11.
ADAMS, T.E.; JONES, S.H.; ELLIS, C. Autoethnography. New York, Oxford University Press, 2015.
ARAGÃO, R.C. Linguajar e emocionar os tempos de crise na formação de professores de línguas. In: MAGNO E SILVA, W.; SILVA, W.R.; CAMPOS, D.M. (orgs.) Desafios da formação de professores na Linguística Aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2019. p. 241-274.
ARAÚJO, A. C. Ludicidade e transdisciplinaridade: caminhos para construir novos olhares para a infância e uma docência saudável. Leitura EM Revista, n. 11, p. 24, 21 set. 2018. . Acesso em nov./2021.
BAKHTIN, M. (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 7ª ed. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec; 1995.
CANAGARAJAH, S. Translingual Practice as Spatial Repertoires: Expanding the Paradigm beyond Structuralist Orientations. Applied Linguistics, p. 1-25, 2017. Disponível em: DEAN, K.; DEAN, J. Pete the cat and the perfect pizza party. New York: Harper Collins children’s books, 2019.
DUBOC, A.P. M.. Atitude Curricular: Letramentos críticos nas brechas da formação de professores de inglês. 2012. 246f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
FERRAZ, D. M. Educação Linguística e Transdisciplinaridade. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. Perspectivas Críticas de Educação Linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras/es universitárias/os de inglês. São Paulo: Pá de Palavra, 2018. p. 103-117.
_______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
_______. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d'água, 1997.
GEERTZ, C. The interpretation of cultures: selected essays by Clifford Geertz. New York: Basic Books Inc., 1973.
JORDÃO, C. M. Uma jornada crítica em retrospecto, ou de como se respira no mar. In: PESSOA, R.R.; SILVESTRE, V.P.V.; MONTE MÓR, W. (org). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de inglês. São Paulo: Pá de Palavra, 2018. p. 71-82.
KAMII, C. A criança e o número: implicações educacionais da teoria de Piaget para a atuação com escolares de 4 a 6 anos. 11 ed. Campinas, SP: Papirus, 1990.
KAWACHI-FURLAN, C. J. ; XXXX. 2020.
KOHAN, W.O. Infância, estrangeiridade e ignorância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.
LÓPEZ-GOPAR, M.E. Critical pedagogy and teaching English to children. In: GARTON, S.; COPLAND, F. (Orgs.) The Routledge Handbook of Teaching English to Young Learners. Routledge, 2019, p. 234 – 246.
LUCINDA, K. B. ; FERREIRA, M. R. ; KEIM, E. J. . Transdisciplinaridade, cuidado e ludicidade: contornos da construção do conhecimento no cotidiano Mbya-Guarani. Divers@! (Matinhos) , v. 12, p. 105-118, 2019. . Acesso em nov. 2021.
XXXX, 2019.
XXXX, 2019b.
MACIEL, R. F.; ROCHA, C. H. Dialogues on Translingual Research and Practice: Weaving Threads with Suresh Canagarajah’s Views. Revista X, Curitiba, v. 15, p. 7-31, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rvx.v15i1.71807.
MENEZES DE SOUZA, L. M. T. O professor de inglês e os Letramentos no século XXI: métodos ou ética? In: JORDÃO, C.M.; MARTINEZ, J.Z.; HALU, R.C. (orgs.) Formação desformatada: práticas com professores de língua inglesa. Campinas: Pontes, 2011. p. 279-303.
______. Educação linguística: repensando os conceitos de língua e linguagem. In: FERRAZ, D.M.; KAWACHI-FURLAN, C.J. (orgs.) Bate-papo com educadores linguísticos: letramento, formação docente e criticidade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2019. p. 291-306.
MENEZES DE SOUZA, L.M. T; FIGUEIREDO, E.; MARTINEZ, J. "Eu só posso me responsabilizar pelas minhas leituras, não pelas teorias que eu cito": entrevista com Lynn Mario Trindade Menezes de Souza (USP) "I can only be responsible for my own readings, not for the theories I quote": interview with Lynn Mario Trindade Menezes de Souza (USP). Revista X. 14. 2019. p. 5-21. DOI: 10.5380/rvx.v14i5.69230.
XXXX, 2018.
XXXX; KAWACHI-FURLAN, C.J. 2020.
MONTE MÓR, W.; NASCIMENTO, A. K. Hierarquias verticais e horizontais na formação atual de professores. Encontro do 2o Ciclo de Palestras do GEELLE. Youtube. 12/2020. Disponível: . Acesso:nov. 2021.
MULIK, K.B. Letramentos (auto) críticos no ensino de língua inglesa no ensino médio: uma pesquisa autoetnográfica. 2021. 215 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021.
ROCHA, C. H. Provisões para ensinar LE no ensino fundamental de 1ª a 4ª séries: dos parâmetros oficiais e objetivos dos agentes. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.
TONELLI, J. R. A.; PÁDUA, L. S.; OLIVEIRA, T. R. R. Ensino e Formação de Professores de Línguas Estrangeiras para Crianças no Brasil. Paraná: Appris, 2017.
TONELLI, J.R.A.; KAWACHI-FURLAN, C.J. Perspectivas de professoras de inglês para crianças: (re)planejar, (re)pensar e (trans)formar durante a pandemia (Covid-19). Signo. Santa Cruz do Sul, v.46, n. 85, p. 83-96, jan./abr. 2021. Disponível em: . Acesso em abr. 2021.
SCORSOLINI-COMIN F; SANTOS M.A. Bakhtin e os processos de desenvolvimento humano: um diálogo de, no mínimo, duas vozes. Rev. Bras. Cresc. e Desenv. Hum., São Paulo, n. 20, v. 3, p. 745-756. 2010. Disponível em: . Acesso em nov. 2021.
YIP, J.; GARCÍA, O. Translinguagens: recomendações para educadores. Iberoamérica Social: revista-red de estudios sociales IX, p. 164-177, 2018. Disponível em: . Acesso em nov. 2021.
Publicado
2022-06-03