Da ficção ao real: a memória na narrativa de Antonio Muñoz Molina

  • Ana Paula de Souza Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT PPG - UNICAMP

Resumo

Nos anos de 1980, o escritor espanhol Antonio Muñoz Molina (Úbeda, Jaén, 1956) alcançou o reconhecimento de público e crítica com a publicação de três narrativas inspiradas na estética dos romances policial, de intriga e de espionagem, gêneros nos quais prevalece a engenhosidade de tramas urdidas para prender a atenção do leitor e surpreendê-lo a cada reviravolta. No início dos anos 1990, o autor inova com a publicação de um romance em que ficcionaliza as próprias memórias, questionando as fronteiras que separam a ficção e o real. Desde então, a produção narrativa moliniana demonstra, num crescente, um compromisso ético com a memória do outro e sua transmissão por meio da escrita literária. Este artigo tem por objetivo explorar a dialética entre a ficção e o real na escrita memorialística de Muñoz Molina, levantando as aparentes contradições em seus discursos literários e não literários, na tentativa de entender as concepções do autor sobre a ficção, a memória e o realismo literário.

Biografia do Autor

Ana Paula de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT PPG - UNICAMP

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária do Instituto de Estudos da Linguagem – IEL, da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Professora Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso – FAPEMAT.

Referências

ARISTÓTELES. A memória e a reminiscência. In: TOMÁS DE AQUINO. Comentário sobre “A memória e a reminiscência” de Aristóteles. Tradução de Paulo Faitanin e Bernardo Veiga. São Paulo: EDIPRO, 2016.

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 197 – 221.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

CASTILLA, Amelia. Muñoz Molina considera que el escritor debe romper los códigos de la ficción. El país, Madri, 21 mar. 2001. Disponível em:< http://elpais.com/diario/2001/03/21/cultura>. Acesso em: 30 jan. 2017.

CORBELLINI, Natalia. Trayectoria poética de Antonio Muñoz Molina. 224 f. Tese (doutorado) – Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, Universidad Nacional de La Plata, 2010.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria e ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

MUÑOZ MOLINA, Antonio. Antonio Muñoz Molina: “No preveía disfrutar tanto de la vida”: entrevista. [24 de dezembro, 2002]. Madri: ABC. Entrevista concedida a Alfonso Armada.

_______________ (1991). El jinete polaco. Barcelona: Bibliotex S. L., 2001a.

_______________. Publicaciones. Disponível em:<http://xn--antoniomuozmolina-nxb.es/publicaciones>. Acesso em 06 jul. 2016.

_______________ (1998). Pura alegría. 2 ed. Madri: Alfaguara, 1999.

_______________ (2001). Sefarad. Madri: Alfaguara, 2001b.

PLATÃO. Teeteto. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2017.

RICŒUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et.al. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

Publicado
2020-01-25
Seção
Artigos - Literatura, Estudos Comparados e Interartes