LETRAMENTOS CRÍTICOS E TRANSLINGUALISMO EM LIBRAS: UMA IDEIA

  • Maria de Lourdes Rodrigues Balabuch

Resumo

Pretende-se neste estudo utilizar de “novos” segmentos da Linguística Aplicada quanto ao ensino-aprendizagem de línguas e estreitar essa ideia com o foco no ensino-aprendizagem da Língua Brasileira de Sinais, envolvendo especificamente o translingualismo e os letramentos críticos. Para tanto, a metodologia utilizada é bibliográfica e conta com a participação da pesquisadora num curso de formação de tradutores/intérpretes oferecido pela rede estadual de ensino no Centro de Formação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez (CAS-MS), com o intuito de identificar a presença dos translingualismos e de letramentos críticos nesse contexto educacional. Para tais formulações foram utilizados pesquisa bibliográfica e conceitos como práticas translíngues de Canagarajah (2013), linguística aplicada indisciplinar de Moita Lopes (2013), linguagem de Bakhtin (2010), translingualismos segundo Garcia e Wei (2014), letramentos críticos de Monte Mór (2015) dentre outros nomes também importantes para o exercício reflexivo sobre o ensino-aprendizagem de línguas, especificamente Libras na formação do tradutor/intérprete. 

Referências

ALBRES, N. A. Ensino de Libras como 2ª língua e as formas de registrar uma língua visuo-gestual: Problematizando a questão. Revell, v.10, n.19, 2012.

BRASIL. Apesar de avanços, surdos ainda enfrentam barreiras de acessibilidade. 23 dez. 2017. Disponível em: https://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justiça. Acesso em: 10 abr. 2019.

BRASIL. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Reconhece a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm. Acesso em: 12 abr. 2018.

Aumento da procura de cursos de Libras tem até lista de espera de 300 pessoas. Campo Grande News. Campo Grande. 13 jan. 2019. Disponível em: https://www.campograndenews.com.br/lado-b/comportamento. Acesso em: 13 abr. 2019.

BAKHTIN, M. M., Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

BRITO, L. F. Por uma gramática da língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. IFRJ, 2010, p. 21-41.

CANAGARAJAH, S. Codemeshing in Academic writing: Identifying Teachable Strategies of Translanguaging. The Modern Language Journal, 2011, p. 95, 401-417.

______. Translingual Practice. Global Englishes and Cosmopolitan Relations. New York: Routledge, 2013.

GARCIA, O., IBARRA J. S., SELTZER K. The Translanguaging Classroom, Leveraging Student, Bilingualism for Learning. Philadelphia, 2009, p. 53.

GARCIA. O., WEI, L. Translanguaging, Language, Bilingualism in Education. New York: Palgrave Mac Millan, 2014.

GARCIA, O. Translanguaging. 11 out. 2017 (16m02s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5l1CcrRrck0&t=242s. Acesso em 19 abr. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: 10 abr. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE SURDOS (INES). Disponível em: https:www.ines.gov.br. Acesso em: 5 de mai. 2018.

LACERDA, C.B.F., CAPORALI, S.A., LODI, A.C., Questões preliminares sobre o ensino de língua de sinais a ouvintes: Reflexões sobre a prática. Distúrbios da comunicação, São Paulo, abril, 2004, p. 53-63.

MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MONTE MÓR, W. M. Letramentos críticos e expansão de perspectivas: Diálogo sobre práticas. In: MARTINEZ, J. Z; JORDÃO, C. M; MONTE MÓR, W. M (Orgs.). Letramentos em prática na formação inicial de professores de inglês. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018, p. 322-323.

_____. Crítica e letramentos críticos: Reflexões preliminares. In: HILSDORF, C. R; R.; MACIEL, R. F. (Orgs.) Língua estrangeira e formação cidadã: Por entre discursos e práticas. 2ª edição. Campinas: Pontes Editores, 2015, p. 31-50.

NUNES, A. A. S. A ordem das frases e o fenômeno da topicalização em Libras. 2015, p.12. Disponível em: http://www.bdm.unb.br/bitstream/10483/12865/1/2015_AnnaAlicedeSousaNunes.pdf. Acesso em: 08 abr. 2019.

PENNYCOOK, A., A linguística aplicada nos anos 90: Em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, I., CAVALCANTE, M. (Orgs.) Linguística aplicada e transdisciplinaridade. Tradução de Denise Bertóli Braga e Márcia Cecília dos Santos Fraga. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 28-37.

Procura por curso de Libras aumenta e alunos aguardam na fila. g1.globo.com. São Paulo. 04 mar. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia. Acesso em: 13 abr. 2019.

QUADROS, R. M.; KARNOP, L. B., Língua de Sinais Brasileira: Estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SILVA, S. B., SOUZA, M. A. A., ZACCHI V. J. Transversalizando o ensino de línguas. TODAS AS LETRAS, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 67-79, jan./abr. 2018.

ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. Ensino de língua estrangeira como prática translíngue: Articulações com teorizações bakhtinianas. Rio de Janeiro: Delta, 2015, p. 411-445.

SOUZA, L. M. T. M. Para uma redefinição de letramento crítico: conflito e produção de significado. In: Maciel, R. F.; Araújo, V. A. (Orgs). Formação de professores de línguas: Ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial, 2011, v.1, p. 1-8,132.

STUMPF, M. R. Aprendizagem de escrita de língua de sinais pelo sistema sign writing: Língua de sinais no papel e no computador. Porto Alegre: UFRGS, 2005. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

TAKAKI, N. H. Letramentos na sociedade digital: navegar é e não é preciso. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

______. Os intelectuais como professores: elaborações preliminares para estudo de matérias sobre imigração atual na mídia brasileira. In: Monte Mór, W. M; Martinez, J. Z; Jordão, C. M (Orgs.). Letramentos em prática na formação inicial de professores de inglês. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018, p.15-17.

Veja o que o mundo está pesquisando. Google trends. 15 abr. 2019. Disponível em: https://trends.google.com/trends/explore?date=all&geo=US&q=Tils. Acesso em: 15 abr. 2019.

ZACCHI, V. J.; STELLA, P. R. (Orgs). Novos letramentos e cosmopolitismo na formação de professores de línguas estrangeiras. Maceió: EduFAL, 2014, p. 137-160.

Publicado
2019-06-17
Seção
Artigos - Linguística e Semiótica