Fatores Associados ao Sucesso Profissional do Professor de Matemática da Rede Pública do Distrito Federal

Palavras-chave: Autoconceito Profissional., Professor de Matemática., Sucesso Profissional.

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo examinar a associação entre as variáveis ligadas ao autoconceito profissional de um grupo de professores de matemática da rede pública do DF e estimar o tempo em que esses professores levam para se considerarem profissionais bem-sucedidos. Para tanto, empreendemos a pesquisa por meio de questionário em formato eletrônico aplicado a 50 professores de Matemática do Distrito Federal que atuam na Secretaria de Estado de Educação (SEEDF) ou no Instituto Federal de Brasília (IFB). A análise dos resultados evidenciou o período de tempo em que a sensação de sucesso profissional no campo da educação perdura. Espera-se que este estudo possa colaborar com gestos e políticas de valorização dos professores de matemática e, de modo análogo, aos demais professores.

Biografia do Autor

Mateus Santana Reis, Instituto Federal de Brasília

Natural de Minas Geral e brasiliense de criação. Licenciado em Matemática pelo Instituto Federal de Brasilia (2021). Atualmente trabalha como professor temporário de matemática na Secretaria de Educação do Distrito Federal. Atual principalmente na educação básica, pesquisa aplicada em estatística e probabilidade e temas transversais a educação. E-mail: mateusreis@outlook.com.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1448-9137

Pedro Carvalho Brom, Instituto Federal de Brasília

Natural de Brasília e mineiro de criação. Licenciado em Matemática pela Universidade do Estado de Minas Gerais (2003), Bacharel em Estatística pela Universidade de Brasília (2020), Especialista em Matemática e Estatística pela Universidade Federal de Lavras (2005). Data Science Specialist pela Johns Hopkins University (2017). É professor e pesquisador no Instituto Federal de Brasília, atuando na Matemática Aplicada, Estatística, Modelagem e Programação em linguagem R. Gosta muito da sala de aula tanto para lecionar quanto para estudar. Está sempre bem humorado e tomando café. E-mail: pcbrom@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1288-7695

Mateus Gianni Fonseca, Instituto Federal de Brasília

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília, campus Estrutural; Secretário Regional (Centro-Oeste) da Associação Nacional dos Professores de Matemática na Educação Básica (ANPMat); e Segundo líder do grupo PI: Grupo de Pesquisas e Investigações em Educação Matemática (UnB). Graduado em Matemática pela Faculdade Santa Terezinha (Fast/2008); Especialista em Educação Matemática pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC/2010); e Mestre e Doutor em Educação pela Universidade de Brasília (UnB/2014 e 2019) - eixo de interesse: Educação Matemática, Avaliação e Criatividade. Dentre suas principais produções, é autor do livro 'Matemática das Coisas ou Coisas da Matemática'; co-autor dos livros 'Estimulando a Criatividade, Motivação e Desempenho em Matemática: uma proposta para a sala de aula' e 'Criatividade em Matemática: conceitos, metodologias e avaliação'; e co-organizador do livro 'Criatividade em matemática: lições da pesquisa'. Além disso, foi idealizador e coordena os projetos de extensão 'Biblioteca Virtual de Pesquisas em Pensamento Crítico e Criativo em Matemática' e 'Matemática das Coisas'. E-mail: mateus.fonseca@ifb.edu.br ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3373-2721.

Referências

ALVES, M. G.; AZEVEDO, N. R.; GONÇALVES, T. N. Satisfação e situação profissional: um estudo com professores nos primeiros anos de carreira. Educação e Pesquisa, SciELO Brasil, v. 40, n. 2, p. 365–382, 2014.

BRASIL, l. N. 010172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf> L, v. 10172, 2001.

CAMELO, S. H. H.; ANGERAMI, E. L. S. Competência profissional: a construção de conceitos, estratégias desenvolvidas pelos serviços de saúde e implicações para a enfermagem. Texto & Contexto-Enfermagem, SciELO Brasil, v. 22, n. 2, p. 552–560, 2013.

CAPELO, R.; POCINHO, M. Autoeficácia docente: predição da satisfação dos professores. Educar em revista, SciELO Brasil, n. 54, p. 175–184, 2014.

CARVALHO, Letícia dos Santos; MARTINS, André Ferrer Pinto. Formação de professores de ciências a partir da perspectiva do desenvolvimento profissional. Pesquisa e Debate em Educação, v. 8, n. 2, p. 216-242, 2018.

COCHRAN, W. G. Sampling Techniques: 3d Ed. [S.l.]: Wiley, 1977.

COLOSIMO, E. A.; GIOLO, S. R. Análise de sobrevivência aplicada. [S.l.]: Editora Blucher, 2006.

DIAS, Marina Abreu; NASCIMENTO, Ruben de Oliveira. Autoestima do professor, satisfação/insatisfação profissional e valorização/desvalorização docente. Perspectivas em Diálogo: revista de educação e sociedade, v. 7, n. 15, p. 74-93, 2020.

FORTE, A. M.; FLORES, M. A. Potenciar o desenvolvimento profissional e a colaboração docente na escola. Cadernos de Pesquisa, SciELO Brasil, v. 42, n. 147, p. 900–919, 2012.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Perspectivas sociais e políticas da formação de nível médio: avanços e entraves nas suas modalidades. Educação & Sociedade, SciELO Brasil, v. 32, n. 116, p. 619–638, 2011.

GATTI, B. A. Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, SciELO Brasil, n. 50, p. 51–67, 2013.

GONÇALVES, C. M. D. P. Desenvolvimento profissional do professor no ensino básico: contributos de um projecto de promoção do sucesso escolar. Tese (Doutorado), 2011.

HARGREAVES, A. Aprendendo a mudar: o ensino para além dos conteúdos e da padronização. [S.l.: s.n.], 2002.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. Vidas de professores, v. 2, p. 31–61, 1992.

IAOCHITE, R. T. et al. Autoeficácia docente, satisfação e disposição para continuar na docência por professores de educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, SciELO Brasil, v. 33, n. 4, p. 825–839, 2011.

LIMA, M. A. Machado de; MANRIQUE, A. L. Las políticas públicas de formación de maestros y educación continua de maestros de matemáticas: percepciones de las acciones de formación. Paradígma, Universidad Pedagogica Experimental Libertador, v. 36, n. 2, p. 202–222, 2015.

LOCATELLI, A. S.; LOCATELLI, C. Escolher ser professor e realizar-se na profissão: dilemas do trabalho docente. Práxis Educacional, v. 13, n. 25, p. 313–327, mar. 2017. Disponível em: <https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/966>.

MAIA, N. Á. V. As representações sociais do sucesso: efeito do meio profissional e do sexo de pertença na representação do sucesso profissional. 2000.

MORETTIN, Luiz Gonzaga. Estatística básica: probabilidade e inferência: volume único. Pearson Prentice Hall, 2010.

NETO, V. B. dos S.; BORGES, M. C. O déficit de professores de ciências e a. ENTRE FIOS E TRAMAS DA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES, p. 40, 2020.

NÓVOA, A. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. FEUSP, 1999.

OLIVEIRA, H. Percursos de identidade do professor de matemática em início de carreira: O contributo da formação inicial. Quadrante, v. 13, n. 1, p. 115–145, 2004.

PAGANI, Gabriela. Quando os professores desistem: um estudo sobre a exoneração docente na rede estadual de ensino de São Paulo. 2019.

PASSOS, C. L. et al. Desenvolvimento profissional do professor que ensina matemática: Uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante, v. 15, n. 1&2, p. 193–219, 2006.

PEDRO, N. Auto-eficácia e satisfação profissional dos professores: colocando os construtos em relação num grupo de professores do ensino básico e secundário. Revista de Educação, p. 23–47, 2011.

PIOVESAN, Armando; TEMPORINI, Edméa Rita. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista de saúde pública, v. 29, p. 318-325, 1995.

PONTE, J. P. d. O desenvolvimento profissional do professor de matemática. Educação e matemática, p. 9–20, 1994.

PONTE, J. P. d. O início da carreira profissional de professores de matemática e ciências. Revista de Educação, Isabel Pestana Neves, p. 31–46, 2001.

REBOLO, F.; BUENO, B. O. O bem-estar docente: limites e possibilidades para a feli- cidade do professor no trabalho. Acta Scientiarum. Education, Universidade Estadual de Maringá, v. 36, n. 2, p. 323–331, 2014.

ROCHA, L. P.; FIORENTINI, D. O desafio de ser e constituir-se professor de matemática durante os primeiros anos de docência. 28a Reunião Anual da ANPED, Petrópolis-RJ: Vozes, v. único, p. 1–17, 2005.

ROSIAK, S. P. A inteligência emocional, como ferramenta na obtenção do sucesso profissional. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2013.

RUIZ, A. I.; RAMOS, M. N.; HINGEL, M. Escassez de professores no ensino médio: Propostas estruturais e emergenciais. relatório produzido pela comissão especial instituída para estudar medidas que visem a superar o déficit docente no ensino médio(cne/ceb). mec: 2007. disponível em:< http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/escassez1.pdf>. Acesso em 22/09/2020, v. 1, 2007.

SÁTYRO, N.; SOARES, S. A infra-estrutura das escolas brasileiras de ensino funda- mental: um estudo com base nos censos escolares de 1997 a 2005. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2007.

VEIGA, F.; FONSECA, S. Autoconceito profissional dos professores de ciências e ma- temática do 2o ciclo do ensino básico: Adequação e relação com o tempo de serviço, a formação e a cidadania. Livro de Actas do VII Simpósio Investigação em Psicologia, p. 2591–2606, 2010.

VILLA, A.; CALVETE, E. Development of the teacher self-concept evaluation scale and its relation to burnout. Studies in Educational Evaluation, Pergamon, v. 27, n. 3, p. 239–255, 2001.

Publicado
2022-04-07
Como Citar
REIS, M. S.; BROM, P. C.; FONSECA, M. G. Fatores Associados ao Sucesso Profissional do Professor de Matemática da Rede Pública do Distrito Federal. Perspectivas da Educação Matemática, v. 15, n. 37, p. 1-21, 7 abr. 2022.