A Matemática Informal: sua Aplicação no Canteiro de Obras por meio do Conhecimento Empírico

Palavras-chave: Matemática. Canteiro de obras. Etnomatemática.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo principal analisar situações reais de um canteiro de obras para utilização da construção do conhecimento matemático abordado em sala de aula. Inicialmente identificando como a matemática está inserida na construção civil, e assim, associar exemplos do cotidiano de um pedreiro à matemática formal, ressaltando a importância da Etnomatemática como proposta educacional. As atividades desenvolvidas de pesquisa foram realizadas com cinco pedreiros do município de Rebouças-PR. O referencial teórico tem como base a literatura da Etnomatemática, a partir da abordagem qualitativa. Metodologicamente utilizou-se de entrevista e relato de experiências dos construtores. Como principal resultado, verificamos que a Matemática está ligada ao cotidiano de um canteiro de obras, por exemplo, realização do orçamento, cálculo para manter a estrutura no “esquadro”, proporções de água e massa para a obtenção do concreto adequado ao tipo de finalidade, inclinação do telhado, nivelação dos pisos e diversas outras aplicações. Via de regra, os cálculos e previsões utilizam a Regra de Três. A exceção a esta regra está relacionada à área e volumes. Dessa forma, torna-se imprescindível criar relações entre a matemática formal, abordada em sala de aula, com o saber empírico, presente na comunidade.

Biografia do Autor

Paula Délis Baum, Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Irati

Graduada na licenciatura em Matemática, pela Universidade Estadual do Centro Oeste- Unicentro, Irati- PR. Estudante da disciplina isolada Métodos e Tópicos em Educação e Matemática do programa de mestrado PPGEN da Universidade Estadual do Centro Oeste. E-mail: pauladelis123@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0381-2368.

Denilson Ramos Otomar, Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Irati

Licenciado e bacharel em Física pela UFV (2002) e Mestre em Física Aplicada pela mesma universidade (2005). Doutor pela UFF em Física Nuclear na área de Reações Nucleares (2009).  Pós-doutorado por meio de uma bolsa do projeto PNPD (2009-2014). Atualmente, professor adjunto da Unicentro - Universidade Estadual do Centro Oeste. E-mail: dotomar@unicentro.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1609-5414.

Renata Maria de Carvalho Schimitz, Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Irati

Professora colaboradora do departamento de matemática da Universidade Estadual do Centro Oeste, Irati - Paraná. Mestre em desenvolvimento comunitário. E-mail: re.schimitz@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7884-1972.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

CARRAHER, David Willian; CARRAHER, Teresinha Nunes; SCHLIEMANN, Analúcia. Na vida dez na escola zero. 16º ed. São Paulo: Cortez, 2015.

CRATO, Nuno. O ‘Eduquês’ em Discurso Directo – Uma Crítica da Pedagogia Romântica e Construtivista. Lisboa: Gradiva, 2006.

DALL’ AGNOL, Luzitânia; SOARES, Maria Rosana. Relação do Conhecimento Formal e Informal: Valorizando a Etnomatemática. XII Encontro Nacional de Educação Matemática (São Paulo – SP, 13 a 16 de julho de 2016), SBEM, São Paulo.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. IV ENEM: 4° Encontro Nacional de Educação Matemática (Blumenau, 26 a 31 de janeiro de 1992), SBM/FURB, Blumenau, 1995; pp.26-33

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. 4 ed. São Paulo: Ática, 1998.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

D’AMBROSIO, Ubiratan. O programa etnomatemática: uma síntese. Acta Scientiae, v. 10, n. 1, p. 7-16, 2008.

FIORENTINI, Dario. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática: o caso da produção científica em Cursos de Pós-Graduação. 1994. 425f. Tese. (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KNIJNIK, Gelsa. O saber acadêmico e o saber popular na luta pela terra. Educação Matemática em Revista, Blumenau, n. 1, p. 5-11, 1996.

KUCINSKAS, Ricardo. A matemática do cotidiano: Resultados ligados à Mecânica e à Marcenaria. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) - Universidade Federal de São Carlos, 2013.

LOPES, Antonio José. Os saberes das crianças como ponto de partida para o trabalho pedagógico. In: BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Apresentação / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. – Brasília: MEC, SEB, 2014.

LORENZATO, Sérgio. Laboratório de Ensino de Matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados, 2006. p. 113-134.

MERRIAM, Sharan. The design of qualitative research. In: Qualitative Research and Case study Applications in Education. San Francisco: Allyn and Bacon, 1998, p 4-25.

MONTEIRO, Alexandrina; POMPEU, Geraldo Junior. A matemática e os temas transversais. Editora Moderna, São Paulo, 2001, 160p.

MOURA, Amanda Queiroz. Pedagogia Freiriana e Educação Matemática: Diálogo, Tolerância e Inclusão. Revista Perspectivas da Educação Matemática, v.14, n.35, 2021.

PINHEIRO, Rodrigo Carlos; ROSA, Milton. Uma perspectiva etnomatemática para o processo de ensino e aprendizagem de alunos Surdos. RPEM, v. 5, n. 9, p. 56-83, 2016.

PIRES, Eugênia Maria de Carvalho Pardal. Um estudo de Etnomatemática: A matemática praticada pelos pedreiros. Dissertação (Especialidade em Ensino da Matemática) - Universidade Aberta. 2008.

PARRA, Cecília. Cálculo mental na escola primária. In: PARRA, Cecilia; SAIZ, Irma. Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Tradução de Juan Acuña Llorens. Porto Alegre: Artmed, 1996, p.186-235.

SCHWANTES, Vilson. Et al. Uma reflexão sobre a etnomatemática do pedreiro e a matemática escolar. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 04, Ed. 07, v. 14, p. 87-106, 2019.

SKOVSMOSE, Olé. Educação matemática crítica: a questão da democracia. Campinas, SP: Papirus, 2001.

Publicado
2021-12-17
Como Citar
BAUM, P. D.; OTOMAR, D. R.; SCHIMITZ, R. M. DE C. A Matemática Informal: sua Aplicação no Canteiro de Obras por meio do Conhecimento Empírico. Perspectivas da Educação Matemática, v. 14, n. 36, p. 1-20, 17 dez. 2021.