Reflexões sobre a Orientação de Pesquisas de Pós-Graduação em Educação Matemática com o Suporte da Teoria Antropológica do Didático

  • Marilena Bittar UFMS
  • José Luiz Magalhães de Freitas UFMS
  • Luiz Carlos Pais UFMS

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão dos autores sobre a orientação de 15 trabalhos de pesquisa de pós-graduação no campo da Educação Matemática, usando como referencial a Teoria Antropológica do Didático, proposta por Yves Chevallard e compartilhada por outros autores que seguem os mesmos postulados dessa vertente da Didática da Matemática. Os referidos trabalhos foram realizados, na última década, nos cursos de Mestrado e Doutorado, em Programas de Pós-Graduação em Educação e em Educação Matemática. Mais especificamente, as pesquisas desenvolvidas com o suporte da mencionada abordagem antropológica apresentam um traço comum que consiste em envolver práticas e saberes associados à atividade matemática da educação básica. O interesse em adotar esta abordagem justifica-se diante da possibilidade de preservar a valorização dos aspectos conceituais das ciências de referência, interligando as especificidades da Matemática e da Educação. A análise da trajetória seguida na realização de quinze trabalhos, cujos objetivos e resultados são considerados de modo articulado com a abordagem antropológica, indica que um dos desafios atuais na realização de novas pesquisas, usando o mesmo referencial, consiste em estruturá-las para que possam contribuir na proposição de métodos e de recursos inovadores para a educação matemática escolar. Essa perspectiva decorre ainda da potencialidade do referencial adotado no sentido de viabilizar uma educação matemática mais significativa e em sintonia com os desafios da atual sociedade das tecnologias digitais das multimídias da informação.

Referências

ALMEIDA, V. Análises das práticas docentes de professores dos cursos de Licenciatura em Matemática referentes ao estudo de retas paralelas e de ângulos. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2009.

ANJOS, D. R. K..O ensino das operações de adição e subtração: uma análise em livros didáticos dos anos iniciais. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2014.

BOSCH M. et CHEVALLARD Y. Ostensifs et sensibilité eux ostensifs, Recherches en didactique des mathématiques, 19/1, p. 77-124, La Pensée Sauvage, Grenoble, 1999.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : matemática. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. MEC. 1997

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Nacional do Livro Didático. Guia de Livros Didáticos: 1ª a 4ª séries – PNLD. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

CHEVALLARD, Y. La Transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La Pensée Sauvage, 1985. 126 p.

_ _, Y. Esquisse d’une théorieformelledudidactique. I Colóquio Franco- Alemão de Didática da Matemática. Marselha. 1986. Texto disponível no site http://yves.chevallard.free.fr, acessado em 14 de Novembro de 2014.

_ _, Y. Analyse des pratiques enseignantes et didactique des mathématiques: L’approche anthropologique.Atas da Universidade de Verão realizada na cidade Rochelle. Clermont-Ferrand: Editora do IREM, 1998.

_ _, Y. Analyse des pratiques enseignantes et didactique des mathématiques: L´approche anthropologique. Recherches en Didactique des Mathématiques, Vol. 19, nº 2, pp. 221-266, 1999.

_ _, Y. Organiser l’étude Ecologia et Regulation, Atas da 11ª Escola de Verão de Didática da Matemática, pela Editora La Pensée Sauvage: 2002.

_ _,Y. Remarques sur la notion d’infrasfructure didactique et sur le rôle des PER.Conferência proferida Lyon, maio/2009. Disponível em: http://yves.chevallard.free.fr. Acesso em 15 out. 2010.

_ _, Y. Introdução à teoria antropológica do didático [bilingue]. Plano e resumo de um curso ministrado de 4 a 13 de maio de 2011 na Universidade Bandeirante de São Paulo (Brasil). Disponível em: http://yves.chevallard.free.fr. Acesso em 10 out. 2014.

FARIAS, K. C. A representação do espaço nos anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2008.

FELICE, J. Uma organização didática para ensinar conteúdos matemáticos por meio de situações problematizadoras. Anais do EBRAPEM. UNESP-RC. Rio Claro. 2008. Texto disponível no site: www2.rc.unesp.br.

_ _, J. O processo de estudo de temas matemáticos no ensino fundamental por intermédio de situação-problema: práticas vivenciadas por acadêmicos do Curso de Licenciatura em Matemática. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2012.

GASCÓN, J. La necesidad de utilizar modelos en didáctica de las matemáticas. In Educação Matemática Pesquisa. V.5 n.3. São Paulo. EDUC, pp 11-37, 2003.

GROSSMAN, P; WILSON, S.; & SHULMAN, L. Teachers of substance: Subject matter knowledge for teaching. Knowledge Base for the Beginning Teacher, 1989, p. 23-36.

KICHOW, I. Procedimentos didáticos relativos ao ensino de números racionais em nível de sexto e sétimo ano do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2009.

MUNIZ, A. Uma análise das técnicas utilizadas por alunos na resolução de problemas algébricos do 1º grau, propostos em um livro didático do 7º ano do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2010.

OLIVEIRA, A. B. Uma análise dos conhecimentos de professores egressos do curso de Licenciatura em Matemática sobre o tema função. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2010.

REIS, E. O estudo de sistemas de equações do primeiro grau em livros didáticos utilizados em escolas brasileiras. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2010.

SALES, A. Práticas argumentativas no estudo da Geometria por acadêmicos de Licenciatura em Matemática. Tese de Doutorado. Univ. Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2010.

SANTOS, C. M. dos. Análise da prática pedagógica de uma professora indígena voltada para a Geometria no ensino médio. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2013.

SANTOS, L. P. Compreendendo dificuldades de aprendizagem de conceitos geométricos. Diss. de Mestrado em Educação. Univ. Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2002

SHULMAN, L. Those Who Understand: Knowledge Growth in Teaching, Educational Researcher, 1986.

SILVA, C. Práticas de um professor de matemática em contexto multicultural. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2011.

SILVA, M. F. da. Divisibilidade: práticas de estudo realizadas por alunos de um curso preparatório para o vestibular sobre o tema divisibilidade. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Univ. Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2010.

_ _, M. F. da. Estudos de um grupo em fase preparatória para o vestibular sobre divisibilidade. Campo Grande: Anais do IV SESEMAT, 2010.

SOUZA, N. F. de. Contextualização no ensino da Matemática: Uma análise nos livros didáticos dos anos finais do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2014.

VERGNAUD, Gérard. La théorie de champsconceptuels. Recherches em Didactique de Mathématiques, Editora La PenséeSauvage, Grenoble, França, 1990, v.10, n.2.3, p.133-170.

WILSON, S.; SHULMAN, L. S.; RICHERT, A. E. 150 ways of knowing: Representations of knowledge in teaching. In: CALDERHEAD, J. (Ed.). Exploring teachers’ thinking. Grã- Bretanha: Cassell Educational Limited, 1987, pp. 104-124.

Publicado
2014-12-20