De Monumento Nacional à Patrimônio Mundial: uma análise comparativa entre o Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos e os engenhos dominicanos da Rota dos Escravos

  • Rodrigo Christofoletti UFJF

Resumo

A comparação entre bens culturais análogos constitui uma das etapas mais difíceis da candidatura a patrimônio mundial. Compara-se para se ativar os possíveis pontos de convergência que fortalecerão a admissão do bem na lista indicativa do Estado-parte, mas, sobretudo para confirmar as especificidades do bem pleiteante. Há, atualmente, dois lugares no planeta em que a primitiva cultura do complexo açucareiro ainda guarda reminiscências de seus episódios mais longevos: na República Dominicana, em Santo Domingo e no Brasil, na Ilha de São Vicente, atual município de Santos. Cada qual guarda especificidades com relação às técnicas construtivas, a forma de implantação e função de seus elementos. O primeiro representando um exemplo típico de engenhos caribenhos de arquitetura espanhola e o segundo testemunho único de um engenho de tipo açoriano de influência portuguesa.

Referências

CARENA, Carlo. Ruína e Restauro. In: Enciclopédia Einaudi, Le Goff (org). Porto: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1984. pp.107/129.

CASTILLO - RUIZ, J. Hacia una nueva definición de patrimonio histórico? PH Boletín del Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico, Sevilla, v. 4, n. 16, 1996.

CHRISTOFOLETTI, Rodrigo. Imerso no tacho de cobre: patrimônio açucareiro e educação nas Ruínas Engenho São Jorge Dos Erasmos. In: IV Seminário Internacional de História do Açúcar - Patrimônio, economia e sociedade, Santos, 2013. Anais do IV Seminário Internacional de História do Açúcar - Patrimônio, economia e sociedade. São Paulo: Pro Reitoria de Cultura e Extensão USP, 2013. v. 1. p. 15-17.

__________. Olhares a partir do Brasil: apontamentos sobre a celebração do 40º aniversário da Convenção do Patrimônio cultural e natural de Paris (1972). In: 2º Congresso Brasileiro de Relações Internacionais - ABRI, 2012, Brasília. Anais do 2º Congresso Brasileiro da Associação Brasileira de Relações Internacionais. Brasília: Editora UnB, 2012. v. 1. p. 235-235.

_________; LEITE, Gilvan. Moto-contínuo: consumo e produção de energia no Engenho São Jorge dos Erasmos. Revista Leopoldianum (UniSantos), v. 2, p. 49, 2010.

JULIÁN, Amadeo. Bancos, Ingenios y Esclavos.UEMA. Santo Domingo, 2003.

LEREBOURS, Michel Philippe. L´Habitation Sucrière Dominguoise et Vestiges d´Habitations dans la Région de Port-au-Prince, Editions Presses nacionales. Port-au-Prince, 2006.

MARTÍN RODRÍGUEZ, Manuel y MALPICA CUELLO, Antonio. El azúcar en el encuentro entre dos mundos. Asociación de Fabricantes de azúcar, Madrid, 1992.MEURS, P. Engenho São Jorge dos Erasmos: Santos Preservations Studies. São Paulo: CPC-USP, 1990 (mimeo.).

MOYA PONS, Frank. Historia del Caribe. Azúcar y plantaciones en el mundo atlántico. Ediciones Ferilibro, Santo Domingo, 2008.

________. "Azúcar, negros y sociedad en la Española en el siglo XVI", Eme Estudios Dominicanos, nº 4, Santiago de los Caballeros, 1973, pp. 3-18.

_________. Durante la Era Colonial Española Existieron en el Partido de los Ingenios de Nigua, Hoy San Cristóbal. Ciudad Trujillo: Ed. Montalvo, 1951.

RODRÍGUEZ MOREL, Genaro. "La economía azucarera de La Española en el siglo XVI”. Actas del primer Seminário Internacional História e Tecnología do Açúcar. 1º CEHA, Funchal, 2000, pp. 117-160.

__________. “Contradicciones y alternativas en el comercio del azúcar en La Española durante el siglo XVI". Actas del segundo Seminário Internacional História do Açúcar. Rotas e Mercados, CEHA Funchal, 2002, pp. 319-334.

SAEZ, José Luis, S.J. La Iglesia y el Negro Esclavo en Santo Domingo. Santo Domingo: Colección Quinto Centenario, Patronato de la Ciudad de Santo Domingo, 1994.

SIQUEIRA, Zaida, MONTES, Maria Lucia & MALAVOGLIA, Fabio. A História sob a terra: achados arqueológicos na Baixada Santista. São Paulo. Governo do estado da Cultura/ Secretaria Cultural. 2014.

Publicado
2018-12-17
Seção
Dossiê - Patrimônio, cultura material e imaterial: diálogos e perspectivas