Diálogos Transversais: A História Indígena e a educação patrimonial no protagonismo das ações educativas no Triângulo Mineiro

  • Gabriela Gonçalves Junqueira Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Daniella Santos Alves Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Resumo

O presente trabalho é resultado de um projeto de educação patrimonial desenvolvido nas cidades de Canápolis e Monte Alegre de Minas - região do Triângulo Mineiro, Minas Gerais. As ações educativas foram desenvolvidas num processo de experimentação etnográfica inserido num projeto macro de licenciamento ambiental. Tais ações possibilitaram um despertar do saber e da valorização da memórias, culturas e heranças regionais, especialmente, dos povos indígenas. Esse contato possibilitou uma desnaturalização de imagens cristalizadas e genéricas destes povos e viabilizou a importância do reconhecimento das identidades e patrimônios materiais e imateriais dos municípios. Para tal empreendimento contamos com o diálogo entre escola, universidade e comunidade, ou melhor, na tríade indissociável do ensino, pesquisa e extensão.

Biografia do Autor

Gabriela Gonçalves Junqueira, Universidade Federal de Goiás (UFG)
Antropóloga da equipe de Educação Patrimonial da Fundação Araporã. Professora da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais. Pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisas em Arqueologia, Etnologia e História Indígena (GEPAEHI), da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Graduada em Ciências Sociais e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é doutoranda em Antropologia Social pela Universidade Federal de Goiás (UFG).
Daniella Santos Alves, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Antropóloga da equipe de Educação Patrimonial da Fundação Araporã. Professora da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais. Pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisas em Arqueologia, Etnologia e História Indígena (GEPAEHI), da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).  Graduada em Ciências Sociais e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é doutoranda em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências

ALVES, Daniella Santos. Do Alto do Espia: Gentios, Calhambolas e Vadios no sertão do Campo Grande – século XIX. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Uberlândia (UFU), MG, 2017.

AMANTINO, Márcia. O mundo das feras: Os moradores do Sertão Oeste de Minas Gerais – século XVIII. 2001. 426 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

ARRUTI, J. M. P Andion. Etnogêneses Indigenas. In. Povos Indígenas no Brasil. São Paulo: Instituto Socioambiental. 2006.

BARTH, Frederik. “Introducción”. In: F. Barth (org.), Los grupos étnicos y sus fronteras. México: Fondo de Cultura Económica, 1969.

BRASIL. Lei 11.645/08 de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

FAVRET-SAADA, Jeanne. “Ser afetado”, de Jeanne Favret-Saada. Cadernos de Campo, n. 13, PPGAS/FFLCH-USP p. 155-161. São Paulo, jan. 2005.

PREDEZ; ZORZO. Hamykahay- Expressão Gráfica Corporal Pataxó. In. XX Simpósio Nacional de Geometria Descritiva e Desenho Técnico. Rio de Janeiro, 2011.

CARDOZO, Poliana Fabiula; Melo, Alessandro de. PATRIMÔNIO, TURISMO CULTURAL E EDUCAÇÃO PATRIMONIAL. Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 1059-1075, out.-dez., 2015.

GIRALDIN, Odair. Cayapó e Panará. Luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Campinas, Editora da Unicamp, 1997.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 15-36, jan/jun 2005.

GRUNBERG, Evelina. Manual de atividades práticas de educação patrimonial. Brasília, DF: IPHAN, 2007

HORTA, Maria de Lourdes Parreiras; GRUNBERG, Evelina, MONTEIRO, Adriane Queiroz. GUIA BÁSICO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL. Brasília, Museu Imperial/ IPHAN//MinC, 1999.

JUNQUEIRA, Gabriela Gonçalves. O visível e o invisível nas relações de contato dos grupos Jê Meridionais: uma análise da caça, guerra e dos rituais funerários como relações de predação, produção e controle dos poderes latentes da alteridade. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, pp.118-142, 2005.

ROCHA, Thaíse Sá Freire. Refletindo sobre memória, identidade e patrimônio: as contribuições do programa de Educação Patrimonial do MAEA-UFJF. XVIII Encontro Regional ANPUH, 2012.

TAMASO, Izabela. Os Patrimônios como Sistemas Patrimoniais e Culturais: notas etnográficas sobreo caso da cidade de Goiás. Revista ANTHROPOLÓGICAS, Ano 19, 26(2):156-185, 2015.

TEIXEIRA, Claudia Adriana Rocha. A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NO ENSINO DE HISTÓRIA. Biblos, Rio Grande, 22 (1): 199-211, 2008.

Publicado
2018-12-17
Seção
Dossiê - Patrimônio, cultura material e imaterial: diálogos e perspectivas