Indígenas no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba - MG: Sítios arqueológicos e patrimônio

  • Aurelino José Ferreira Filho UFU

Resumo

ResumoEste artigo é resultado de trabalhos, em âmbito de extensão, por nós desenvolvidos no Campus Pontal da Universidade Federal de Uberlândia − mais especificamente nos municípios de Ituiutaba e Cachoeira Dourada − na área do patrimônio arqueológico indígena, Trata-se, também, da publicação parcial da pesquisa intitulada História indígena, arqueologia e patrimônio cultural: Triângulo Mineiro-MG[1], desenvolvida por Claudio Scarparo Silva sob nossa orientação. Buscamos, assim, contribuir com as pesquisas­­ acerca da História e da arqueologia indígena da Região do Pontal do Triângulo Mineiro e Alto Parnaíba– MG.[1]Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, defendido no Curso de História da Universidade Federal de Uberlândia – UFU, agosto, 2015

Referências

Bibliografia

-ALVES, Márcia Angelina. As Estruturas Arqueológicas do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro. In: Revista de Arqueologia e Etnologia – USP. Nº 2. São Paulo – SP. pp. 27 – 47, 1992.

-BANDEIRA, Dione da Rocha. Ceramistas pré-coloniais da Baía da Babitonga, SC-arqueologia e etnicidade. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2004, p. 215 - 216.

-BORGES, Benedito A. M. T. Povoadores do Sertão do Rio da Prata. Uberaba - MG. Editora Vitória Ltda. 1996

-FAGUNDES, Marcelo; SILVA, Lidiane Aparecida; CORDEIRO, Isadora Maria dos Santos; BANDEIRA, Arkley Marques. Conjuntos líticos de Horticultores Ceramistas -Associados à Tradição Aratu-Sapucaí: Estudo de Casos dos Sítios Mato Seco e Canoas, Médio do Vale do São Francisco, Minas Gerais; In: Revista Tapairú, Campina Grande - PB, Ano VI – Vol. 1 – Número 09 – Fevereiro, 2015.

-FACCIO; COSTA; LUZ; BARROCÁ; MATHEUS. VASILHAS DUPLAS ARATU (MACRO-JÊ) EM SÍTIO TUPI-GUARANI: EVIDÊNCIA DE CONTATO? Revista Ágora. Vitória, n. 20, 2014, p. 6-23.

-FERREIRA, Lúcio Menezes. Território Primitivo: A Institucionalização da Arqueologia no Brasil, 2007, Tese de Doutorado, UNICAMP.

-FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia. São Paulo: Contexto, 2003.

__________. Os desafios da destruição e conservação do Patrimônio Cultural no Brasil. Trabalhos de Antropologia e Etnologia, Porto, 41, ½, pp., 23-32. 2001

-GIRALDIM, Oldair. Renascendo das cinzas. Um histórico da presença dos Cayapó Parará em Goiás e no Triângulo Mineiro. Revista Sociedade e Cultura, pp 43-57. UFU, 2000

-PROUS, André, O Brasil Antes dos Brasileiros – A pré-história do nosso país, Zahar Editora, Rio de Janeiro – RJ, 2007.

-SANTOS, Marcos César Pereira. Entre a pré-história e a história: o documento material humano. Revista Tempos Acadêmicos. Dossiê Arqueologia Pré- Histórica, Criciúma, n. 11, pp.25-37, 2013.

-SANTOS, Josiel dos; SANTOS, Marcos Cézar Pereira; BITENCOURT, Juliano; História Indígena: O Percalço das Fontes Documentais, Campinas, 2014. Disponível em: http://historiaehistoria.com.br/materia.cfm?tb=artigos&id=263#_ftn7, acessado

em 12/04/2015.

-SORES, Juliana. Discutindo a Tradição Aratu: O sítio cerâmico GO-RV-06 e novas contribuições. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS, 2012.

-SCHIAVETTO, Solange Nunes. Arqueologia Regional e Educação: Propostas de Estudos sobre um “passado excluído” de Araraquara/SP, Tese de Doutorado, UNICAMP. Campinas, 2007.

Publicado
2018-12-17
Seção
Dossiê - Patrimônio, cultura material e imaterial: diálogos e perspectivas