Notação e textualização

discussão metodológica sobre a análise das práticas sociais

  • Letícia Moraes USP
Palavras-chave: textualização, Práticas, Metodologia, Notação, Semiótica

Resumo

Neste trabalho, abordaremos a questão das práticas sociais a partir de uma visada metodológica, pondo em questão o uso da notação como uma ferramenta para a abordagem dos objetos não estabilizados em um suporte estável. O conceito de práticas sociais como objeto semiótico tem sido difundido, nas últimas décadas, na disciplina, graças às pesquisas realizadas por Fontanille (2008a; 2011), Basso Fossali (2006), Basso Fossali e Dondero (2007), Violli (2008), dentre outros semioticistas. Propomos, em nossa discussão, uma leitura crítica do trabalho de Dondero (2014; 2015; 2017), que apresenta a notação como um recurso não pertencente à textualização. Nossa proposta, ao contrário, coloca em relevo a notação como um dos tipos possíveis de textualização, permitindo-nos conjecturar as práticas no âmbito da instância textual. A presente investigação tem como objetivo dar continuidade à discussão acerca dos limites e expansões do objeto da semiótica, considerando, portanto, o texto, em seu sentido mais amplo, como sinônimo de objeto semiótico.

Referências

ANGENOT, Valérie et al. Sémiotique de la communication en coprésence et à distance. Du textualisme à la sémiotique des pratiques. Interfaces numériques, v. 2, n. 3, p. 531-567, 2013.

BASSO FOSSALI, Pierluigi. Testo, pratiche e teoria della società. Semiotiche, 4, Turin: Ananke, p. 209-239, 2006.

BASSO FOSSALI, Pierluigi; DONDERO, Maria Giulia. Semiotica della fotografia. Investigazioni teoriche e pratiche d’analisi. Rimini: Guaraldi, 2007.

CAMURRI, Antonio, MORASSO, P., TAGLIASCO, V., ZACCARIA, R. Dance and Movement Notation. In: MORASSO, P. TAGLIASCO, V. (eds). Human Movement Understanding: From Computational Geometry to Artificial Intelligence. Amsterdam: Elsevier, 1986, p. 83-124.

DONDERO, Maria Giulia. Sémiotique de l’action: textualisation et notation. Cadernos de Semiótica Aplicada, 2014, n. 1, vol. 12, p. 15-47. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/casa/article/view/7117>. Acesso em 20 dez. 2018.

DONDERO, Maria Giulia. Semiótica de la acción: textualización y notación. FOSSALI, Pierluigi Basso et al. (Org.). Dossiê “La inmanencia en cuestión III”. Tópicos del seminário, v. 33, jan.- jun., 2015, p. 101 – 130.

DONDERO, Maria Giulia. The semiotics of design in media visualization: Mereology and observation strategies. Information Design Journal, v. 23, n. 2, p. 208-218, 2017.

FLOCH, Jean-Marie. Sémiotique, marketing et communication. Sous les signes, les stratégies. Paris: PUF, 1990.

FONTANILLE, Jacques. Pratiques sémiotiques. Paris: PUF, 2008.

FONTANILLE, Jacques. L’analyse du cours d’action: des pratiques et des corps. Nouveaux Actes Sémiotiques, Limoges, n. 114, 2011. Disponível em: https://www.unilim.fr/actes-semiotiques/1413. Acesso em: 16 jan. 2019.

MORAES, Letícia. A noção de texto na semiótica: do texto-absoluto ao texto-objeto. Estudos Semióticos, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 233-250, 2020. DOI: 10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.162157. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/162157. Acesso em: 10 abr. 2021.

VIOLLI, Patrizia. Corporeità e sostanza vocale nell’enunciazione in atto. Versus – Quaderni di studi semiotici, n. 106, Milano, Bompiani, p. 105-120, 2008.

Publicado
2021-06-30
Seção
Artigos - Linguística e Semiótica