Relato da Constituição de uma Comunidade Profissional Docente durante a Pandemia: reflexos na prática pedagógica de uma professora de Alemão dos anos iniciais do Ensino Fundamental

  • Miriam Dutra Colégio Johann Gauss
  • Ana Paula de Lima UNESP
Palavras-chave: Formação de professores, Comunidade profissional docente, Ensino de línguas adicionais para crianças

Resumo

Este artigo trata da constituição de uma comunidade profissional docente (NÓVOA, 2017) durante a pandemia do Coronavírus e focaliza as percepções de uma professora de Língua Alemã para crianças dos anos iniciais do Ensino Fundamental acerca de seu processo de desenvolvimento profissional (MARCELO GARCÍA; 1999; OLIVEIRA-FORMOSINHO, 2009). Para tanto, apresentamos um relato de experiências no qual se evidencia a importância da partilha de experiências para a aprendizagem da docência (NÓVOA, 2009), bem como a importância da observação, análise e reflexão acerca da própria prática, no sentido de construir conhecimentos. Entendemos ainda que faz-se urgente regulamentar a oferta de línguas adicionais na infância, formar professores e estabelecer políticas públicas que promovam uma educação linguística pluralista e crítica.

Biografia do Autor

Miriam Dutra, Colégio Johann Gauss

Graduada em Letras (Alemão e Português) pela Faculdade de Ciências e Letras - UNESP - Araraquara; Mestre na área de Língua e Literatura Alemã pela Universidade de São Paulo, suas pesquisas se concentram na área de ensino de Alemão como língua estrangeira, com ênfase na autonomia do aprendiz e no desenvolvimento de estratégias de aprendizagem. Atua como professora de alemão no Colégio Johann Gauss em São Paulo.

Referências

ABREU-E-LIMA, D. de P. M. de. O processo de aquisição de língua estrangeira por crianças brasileiras em sala de aula: reflexões sobre a teoria de Krashen. In: MONTEIRO, D. C. (Org.). Ensino-aprendizagem de Língua Inglesa em alguns contextos brasileiros, Araraquara, n. 6, 2004. p. 35-69.
AQUINO, A. L. de; TONELLI; J. R. A. Ensino de língua inglesa para crianças: um olhar sobre o desenvolvimento de atividades. In: Revista de Educação, Linguagem e Literatura, v. 9, n. 4 , p. 58-76, dez. 2017.
BACARIN, M. C. Formação de professores de inglês para crianças: caminhos a percorrer. Monografia (Especialização em Ensino e Aprendizagem da Língua Inglesa) – Universidade Norte do Paraná, Londrina. 2013.
BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília: 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 26 de julho de 2012.
COSTA, P. H. da S. Uma proposta de material didático para o ensino de inglês no Fundamental I em uma escola pública municipal do Rio de Janeiro: promovendo práticas significativas. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2020.
CRISTOVÃO, V. L. L.; GAMERO, R. Brincar aprendendo ou aprender brincando? In: Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 48, n. 2, p. 229-245, jul./dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-18132009000200005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 de março de 2018.
GALVÃO, A. S. M. English teacher education and early childhood education: mapping of Brazilian federal universities. Monografia (Licenciada em Língua e Literatura Inglesa) - Departamento de Línguas e Letras da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2019..
GUIA curricular para língua inglesa: Educação Infantil e Ensino Fundamental: subsídios para professores e gestores. Londrina, 2013. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/epic/pages/ arquivos/Guia%20Curricular%20versao%20final.pdf. Acesso em: 26 de setembro de 2018.
LIMA, A. P. Desenvolvimento profissional de professores de inglês para crianças do Ensino Fundamental I: possibilidades para a formação e o trabalho docente. Tese (Doutorado em Educação) - Instituto de Biociências do Campus de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Rio Claro, 2019
LIMA, A. P.; et al. Ensino de Língua Inglesa no Ensino Fundamental I: orientações para a rede municipal de Rio Claro - São Paulo. Curitiba: CRV, 2017.
LÜDKE, M.; CRUZ, G. B. DA. Contribuições ao debate sobre a pesquisa do professor da educação básica.Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 2, n. 3, p. 86-107, 18 dez. 2010. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/20/18. Acesso em 01 de jul. 2021.
MARCELO GARCIA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.
MOITA LOPES, L. P. Inglês no mundo contemporâneo: ampliando oportunidades sociais por meio da educação. Texto-base apresentado no simpósio Inglês no mundo contemporâneo: ampliando oportunidades sociais por meio da educação, patrocinado pela TESOL International Research Foundation. São Paulo: Centro Brasileiro Britânico, 25-26 de abril de 2005, 2005, p. 1-15.
MUSSI, R. F. de F.; FLORES, F. F.; ALMEIDA, C. B. de. Pressupostos para a elaboração de relato de experiência como conhecimento científico. In: Revista Práxis Educacional, v. 17, n. 48, p. 60-77, OUT./DEZ., 2021.
NÓVOA, A. Para uma formação de professores construída dentro da profissão. In: NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009. p. 25-46.
NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. In: Cadernos de pesquisa, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, out./dez. 2017.
OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Desenvolvimento profissional dos professores. In: FORMOSINHO, J. (Coord.). Formação de professores. Aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, 2009. p. 221-284.
RAMPIM, M. F. Relações entre a formação e a prática do professor de língua estrangeira (Inglês) para crianças. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.
ROCHA, C. H. Provisões para ensinar LE no ensino fundamental de 1ª a 4ª séries: dos parâmetros oficiais e objetivos dos agentes. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.
ROCHA, C. H. O ensino de LE (inglês) para crianças do ensino fundamental público na transdisciplinaridade da linguística aplicada. In: TONELLI, J. R. A.; RAMOS, S. G. M (Orgs.). O ensino de LE para crianças: reflexões e contribuições. Londrina: Moriá, 2007. p. 1-34.
ROCHA, C. H. O Ensino de línguas para crianças: refletindo sobre princípios e práticas. In: ROCHA, C. H.; BASSO, E. A. (Orgs.). Ensinar e aprender língua estrangeira nas diferentes idades: reflexões para professores e formadores. São Carlos: Claraluz, 2008. p. 15-34.
ROCHA, C. H. Propostas para o inglês no ensino fundamental I público: plurilinguismo, transculturalidade e multiletramentos. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.
ROCHA, C. H. Reflexões e propostas sobre língua estrangeira no ensino fundamental I: plurilinguismo, multiletramentos, transculturalidade. Campinas: Pontes, 2012.
SANTOS, L. I. S. Crenças acerca da inclusão de Língua Inglesa nas séries iniciais: Quanto antes melhor? Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) - Instituto de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2005.
SANTOS, L. I. S. Língua inglesa em anos iniciais do ensino fundamental: fazer pedagógico e formação docente. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista - Campus de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, 2009.
SANTOS, L. I. S. Professores de língua inglesa para crianças: interface entre formação inicial e continuada, experiência e fazer pedagógico. In: Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 11, n.1, p. 223-246, 2011.
SANTOS, L. I. S.; BENEDETTI, A. M. Professores de língua estrangeira para crianças: conhecimentos teórico-metodológicos desejados. In: Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 48, n. 2, p. 333-351, jul./dez. 2009.
Publicado
2022-06-06