Geometria Fractal em Sala de Aula: Uma Revisão Sistemática Envolvendo a Taxonomia de Bloom

Palavras-chave: Educação Matemática, Geometria Fractal, Taxonomia de Bloom, Revisão Sistemática, Objetos de Aprendizagem

Resumo

As dinâmicas e exposições que envolvam objetos não euclidianos, como é o caso dos fractais, permitem conduzir os alunos a percepções até então escondidas por conceitos essencialmente euclidianos. Nesse sentido, insere-se esse artigo que possui como objetivo central investigar como tem sido proposto o ensino da geometria fractal em salas de aula no ensino básico. Serão apresentados brevemente os elementos que permeiam a fundamentação teórica da pesquisa no campo da Educação Matemática. Em seguida, expõe-se um panorama geral de uma revisão sistemática que buscou investigar tendências e concepções no ensino de geometria fractal, aplicando-se a taxonomia dos objetivos educacionais como uma ferramenta de análise qualitativa dos objetos de aprendizagem. Por fim são expostos as considerações finais e comentários relevantes.

Biografia do Autor

Renata Lopes Alves, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e Especialista em Novas Tecnologias para a Educação pela Escola Superior Aberta do Brasil (2021). Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (2019). Tem experiência na área de Educação Matemática, com ênfase em Matemática, e no desenvolvimento de pesquisa envolvendo principalmente os seguintes temas: ensino de matemática, tecnologias e desenvolvimentno de Multimídia, interdisciplinaridade, ensino de físicE-mail: renatalopes.if@gmail.com.  ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7023-4345.

Eduardo Barrére, Universidade Federal de Juiz de Fora

Possui graduação em Bacharelado em Ciência da Computação - UFSCar (1996), mestrado em Ciência da Computação - UFSCar (1998) e Doutorado em Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ (2007). Professor Associado II da Universidade Federal de Juiz de Fora. Diretor do Instituto de Ciências Exatas. Responsável pelo Laboratório de Aplicações e Inovação em Computação (LApIC) da UFJF. Desenvolve pesquisas nas áreas de tecnologias para EaD e Multimídia. Professor dos programas de pós-graduação da UFJF em Educação Matemática (Profissionalizante) e Ciência da Computação (Acadêmico). E-mail: eduardo.barrere@ice.ufjf.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1598-5362

Referências

ALVES, Delba Costa da Silva. Fractais: Uma ferramenta no Ensino Médio. 2019. 78 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós Graduação Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional, Recife, 2019.

BARBOSA, Ruy Madsen. Descobrindo a Geometria Fractal para a sala de aula. 3ª. Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2005.

Bloom, Benjamin Samuel et al. Taxonomy of educational objectives. New York: David Mckay. v. 1. p. 262, 1956.

BORGES, Fábio Alexandre; PEREIRA, Tiago. A geometria dos fractais no ensino de Matemática: uma revisão bibliográfica categorizada das pesquisas brasileiras dos últimos dez anos. Acta Scientiae, v. 19, n. 4, 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática (1998) / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998. 148 p.

BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Diário Oficial da União: Brasília: MEC/CEF, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 05 jul. 2018.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti; BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

FIORENTINI, Dario. A Educação Matemática enquanto campo profissional de produção de saber: a trajetória brasileira. Dynamis, v. 7, n. 7, p. 7-17, 1994.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sérgio. O profissional em educação matemática. Universidade Santa Cecília, 2001.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sérgio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 2ª. Ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

GOMES, Antônio do Nascimento. Uma proposta de ensino envolvendo geometria fractal para o estudo de semelhança de figuras planas. 2010. 228 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Exatas) -Centro de Ciências Exatas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

GRESSLER, Márcia Denise. Construindo uma Percepção Complexa da Realidade a partir do Estudo dos Fractais. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

HAYASHI, André Daniel. Aplicação dos fractais ao mercado de capitais utilizando-se as Elliott Waves. 2002. 132f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

LIMA, Rommel Wladimir de. Mapa de Conteúdos e Mapa de Dependências: ferramentas pedagógicas para uma metodologia de planejamento baseada em objetivos educacionais e sua implementação em um ambiente virtual de aprendizagem. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia Elétrica) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

LOVIS, Karla Aparecida.; FRANCO, Valdeni Soliani. As concepções de geometrias-não euclidianas de um grupo de professores de matemática da Educação Básica. Bolema, Rio Claro, v. 29, n. 51, p. 369-388, 2015.

MANDELBROT, Benoit B. The fractal geometry of nature. New York: WH freeman, 1982.

MARTINS, Ana Maria Sala Minucci; LIBRANTZ, André Felipe Henrique. A geometria fractal e suas aplicações em arquitetura e urbanismo. Exacta, v. 4, n. Esp, p. 91-93, 2006.

MENDONÇA, Fernando Antônio Cavalcante. Aplicações da geometria fractal: uma proposta didática para o Ensino Médio. 2016. 158 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática) – Universidade Federal de Alagoas, Instituto de Matemática, Maceió, 2016.

NAKAGAWA, Elisa Yumi et al. Revisão sistemática da literatura em engenharia de software: teoria e prática. Elsevier Brasil, 2017

OLIVEIRA, Genilton José Cavalcante. Ensaios fractais à luz do ensino médio. 2016. 145 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Alagoas. Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Maceió, 2016.

OLIVEIRA, Pablo Roberto Fernandes et. al. Ontologia dos Objetivos Educacionais. In: Anais do XXXI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. SBC, 2020. p. 1183-1192.

REZENDE, Flávia. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva construtivista. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 2, n. 1, p. 70-87, 2000.

SILVEIRA, Everaldo; POWELL, Arthur Belford; GRANDO, Regina Célia. Materiais manipulativos em educação matemática. In: SILVEIRA, E.; POWELL, A. B.; GRANDO, R. C. (Org.). Glossário de Verbetes em Educação Matemática. No prelo.

SEDIVY, R. et al. Fractal analysis: an objective method for identifying atypical nuclei in dysplastic lesions of the cervix uteri. Gynecologic Oncology, v. 75, n. 1, p. 78-83, 1999.

SOBREIRA, Fabiano. A lógica da diversidade: complexidade e dinâmica em assentamentos espontâneos. 2002. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2002.

SOUZA, Cacilda de. Geometria Fractal e Aplicações no Ensino Médio. 2014. 74 f. Dissertação (Mestrado em Matemática) - Departamento de Matemática, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

SOUZA, Paulo Victor Santos et al. A Tool to Study Fractals in an Interdisciplinary Perspective. The Physics Teacher, v. 57, n. 7, p. 467-469, 2019.

SOUZA, Paulo Victor Santos et al. Characterization of surface roughness by speckle pattern - an experimental approach. Physics Education, v. 56, n. 2, p. 025013, 2021.

Publicado
2021-12-17
Como Citar
ALVES, R. L.; BARRÉRE, E. Geometria Fractal em Sala de Aula: Uma Revisão Sistemática Envolvendo a Taxonomia de Bloom. Perspectivas da Educação Matemática, v. 14, n. 36, p. 1-20, 17 dez. 2021.