Lugares de Resistência na Formação Inicial de Professores: Por Matemática(s) Decoloniais

  • Diego Matos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
  • Wellerson Quintaneiro Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio de Janeiro (CEFET-RJ)
Palavras-chave: Matemática para o ensino. Formação de professores de matemática(s). Decolonialidade. Profissionalização docente.

Resumo

Este artigo, que é um recorte de uma pesquisa de doutorado, visa a investigar tensionamentos em discursos sobre saberes de matemática para o ensino, bem como a promover um deslocamento desse debate para um terreno político, situado no contexto da formação de professores que ensinam matemática(s). À luz de uma opção decolonial, apresentamos uma releitura da literatura sobre formação de professores, buscando expor rachaduras que possam produzir lugares de resistência para a afirmação da profissão docente. Os dados empíricos foram produzidos com estudantes da licenciatura em matemática de uma universidade pública federal do Rio de Janeiro, a partir de narrativas sobre suas experiências com matemática(s) na escola e na licenciatura, e de grupos focais que promoveram uma discussão sobre as experiências relatadas. Nossos resultados indicam uma subalternização da profissão docente por meio de discursos de poder que silenciam e apagam epistemologias próprias do espaço profissional do professor da escola básica.

Referências

BALL, D; THAMES, M. H.; PHELPS, G. Content knowledge for teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education, v. 59, n. 5, p. 389-407, 2008.
DAVIS, B.; RENERT, M. Mathematics for teaching as shared, dynamics participation. Learning of Mathematics, v. 29, n, 3, p. 37-43, 2009.
DAVIS, B.; RENERT, M. The Math Teachers Know: Profund Understanding of Emergent Mathematics. Routledge Taylor & Francis Group, 2014.
DAVIS, B.; SIMMT, E. Mathematics-for-teaching: An ongoing investigation of the mathematics that teachers (need to) know. Educational Studies in Mathematics, v. 61, n.
3, p. 293-319, 2006.
DUSSEL, E. Europa, modernidad y eurocentrismo. In: LANDER, E. (Ed.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires, CLACSO, 2000. p. 41-54.
FREIRE, P. Educação: o sonho possível. In. BRANDÃO, C. R. (org.) O educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982. p. 89-101.GIRALDO, V. Formação de Professores de Matemática: para uma Abordagem Problematizada. Ciência e Cultura, Campinas, v. 70, n. 1, p. 37-42, jan./mar. 2018.
GIRALDO, V.; QUINTANEIRO, W.; MOUSTAPHA, B.; MATOS, D.; MELO, L.; MENEZES, F.; DIAS, U.; COSTA NETO, C.; RANGEL, R.; CAVALCANTE, A.; ANDRADE, F.; MANO, V.; CAETANO, M. Laboratório de práticas matemáticas para o ensino. In: OLIVEIRA, A. M. O; ORTIGÃO, M. I. R. (Eds.), Abordagens Teóricas e Metodológicas na Pesquisa em Educação Matemática. Brasília: SBEM, 2018, p. 186-209.
KLEIN, F. Elementary Mathematics from an Advanced Standpoint: Aritmetics, Algebra, Analysis. USA: Dover, 2004.
LANDER, E. Ciencias sociales: saberes coloniales y eurocéntricos. In: LANDER, E. (Ed.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires, CLACSO, 2000. p. 11-40.
LARROSA, J. Notas sobre narrativa e identidad (A modo de presentación). In: ABRAHÃO, M. H. M. B (Org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 11-22.
MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Coords.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores/Instituto Pensar, 2007. p. 127-167.
MATOS, D. Experiências com Matemática(s) na Escola e na Formação Inicial de Professores: Desvelando Tensões em Relações de Colonialidade. Tese (Doutorado em Ensino e História da Matemática e da Física) – Instituo de Matemática, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019.
MOREIRA, P. C.; FERREIRA, A. C. O Lugar da Matemática na Licenciatura em Matemática. Bolema, Rio Claro (SP), v. 27, n. 47, p. 981-1005, dez, 2013.
NODDINGS, N. Professionalization and Mathematics Teaching In: Grouws, D. (Ed). Handbook of Research on Mathematics Teaching and Learning. New York: MacMillan, 1992. p. 197-208.
OLIVEIRA, L. F.; CANDAU, V. M. F. Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr. 2010.
ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.
PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4. ed. Campinas: Pontes, 2006.
QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, E. (Ed.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000. p. 201-246.
ROQUE, T. História da Matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas, Rio de Janeiro, Zahar, 2012.
SCHUBRING, G. A Matemática Elementar de um Ponto de Vista Superior: Felix Klein e a sua Atualidade. In: ROQUE, T.; GIRALDO, V. (eds.), O Saber do Professor de Matemática: Ultrapassando a Dicotomia entre Didática e Conteúdo. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2014. p. 34-54.
SHULMAN, L. Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, vol.15, p. 4-14, 1986.
TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, nº 13, p. 5-24, jan/abr. 2000.
WALSH, C. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 131-152, jul./dez. 2008.
WALSH, C. Interculturalidad, estado, sociedad: luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito: Universidad Andina Simon Bolivar: Abya-Yala, 2009.
WALSH, C. Lo pedagógico y ló decolonial: entretejiendo caminos. In: WALSH, C. (Org.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, 2013. p. 23-68.
WALSH, C. ¿Interculturalidad y (de)colonialidad? Gritos, grietas y siembras desde Abya Yala. In: Alai Garcia Diniz; Diana Araujo Pereira (Coords.). Poéticas y políticas da linguagem em vías de descolonização. Foz Iguaçu, Brasil: Universidad de Integración Latinoamericana, 2017. p. 19-53.
Publicado
2020-01-17
Seção
Formação de professores que ensinam matemática em contextos de regulação e perda