Todos juntos somos fortes: compartilhando narrativas pedagógicas de professoras que ensinamaprendem matemática

  • Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco
  • Iris Aparecida Custódio Universidade São Francisco
  • Kátia Gabriela Moreira Universidade São Francisco
Palavras-chave: Narrativas pedagógicas. Denúncia. Táticas de resistência. Justiça social.

Resumo

O presente texto tem como foco a história de um grupo de mulheres, professoras – algumas licenciadas em matemática, outras, pedagogas – que acreditam nas possibilidades de resistência ao que vem sendo imposto às professoras em seus cotidianos escolares. A partir dessa história, busca-se discutir: quais as táticas para enfrentar tantas estratégias que são articuladas e manipuladas por agentes externos e que têm como foco as professoras e o controle do seu trabalho? Que outra formação é possível para o empoderamento das professoras? Para isso, tomam-se, como corpus de análise, excertos de narrativas pedagógicas, produzidas em diferentes momentos por professoras que compunham o grupo Obeduc. Identifica-se, por meio desses excertos, que a produção de narrativas pedagógicas, como formas de registrar e refletir sobre a experiência, tornou-se meio para compartilhar práticas, denúncias de condições de trabalho, explicitação das táticas de resistência aos modelos prescritivos que chegam até à escola e mecanismo de justiça social.

Referências

ARROYO, Miguel G. O direito à educação e a nova segregação social e racial – tempos insatisfatórios? Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 03, p. 15-47, jul./set. 2015.

AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. Igualdade e equidade: Qual é medida da justiça social? Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 18, n. 1, p. 129-150, mar. 2013.

CERTEAU, Michel De. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Tradução de Epharaim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. 1. ed. Natal: UFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

FONSECA, Marília. O Banco Mundial como referência para a justiça social no terceiro mundo: evidências do caso brasileiro. Rev. Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 1, jan. 1998. Disponível em: 1.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551998000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: mar. 2019.

FRAGO, Antonio Viñao. Do espaço escolar e da escola como lugar: proposta e questões. In: FRAGO, Antonio Viñao; ESCOLANO, Agustín. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 59-139.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa. O neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Trad. Maria Luiza M. de Carvalho e Silva. 1. ed. Londrina: Plana, 2004.

NACARATO, Adair M. ; SOUZA, Daniela A.; BETERELI, Kelly C. (org.). Entrecruzando vozes e olhares: letramentos, avaliações externas e cotidiano escolar. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2013.

NACARATO, Adair Mendes. As narrativas de vida como fonte para a pesquisa autobiográfica em Educação Matemática. Perspectivas da Educação Matemática – UFMS, Campo Grande, v. 8, número temático, p. 448-467, 2015.

NACARATO, Adair M.; FREITAS, Ana Paula; ANJOS, Daniela Dias dos; MORETTO, Milena (org.). Práticas de letramento matemático nos anos iniciais: experiências, saberes e formação docente. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2017.

NÓVOA, António. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p.1106-1133. out./dez. 2017.

PASSOS, Cármen L. B.; NACARATO, Adair M. Trajetória e perspectivas para o ensino de Matemática nos anos iniciais. Estudos Avançados, São Paulo, v. 94, p. 119-135, 2018.

PRADO, Guilherme Val Toledo do; FERREIRA, Claudia Roberta; FERNANDES, Carla Helena. Narrativa pedagógica e memoriais de formação: Escrita dos profissionais da educação? Revista Teias. Rio de Janeiro. v. 12. n. 26. p.143-153. set./dez. 2011 – Jovens, territórios e práticas educativas.

ZEICHNER, Kenneth M. Formação de professores para justiça social em tempos de incerteza e desigualdades crescentes. In: DINIZ-PEREIRA, Júlio E.; ZEICHNER, Kenneth M. (org.). Justiça social: desafio para a formação de professores. Trad. Cristina Antunes. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 11-34.
Publicado
2020-01-17
Seção
Formação de professores que ensinam matemática em contextos de regulação e perda