Elementos de Geometria de Clairaut: uma análise a partir da Hermenêutica de Profundidade

  • Fernando Guedes Cury Docente do Departamento de Matemática da UFRN, Campus Natal.
  • Larissa Cristina Alves Discente do Curso de Licenciatura em Matemática da UFRN, Campus Natal.

Resumo

Este texto trata de aspectos iniciais de uma análise sócio-histórica segundo a Hermenêutica de Profundidade (HP) de J. B. Thompson da obra Elementos de Geometria escrita por Alexis Claude Clairaut (1713-1765) a partir da versão publicada no Brasil em 1909. No presente texto, além de apresentarmos o início da nossa análise sobre o livro de Clairaut destacamos aspectos da HP enquanto ferramenta profícua aos estudos de História da Educação Matemática, em especial, sobre os artefatos voltados ao ensino de matemática, tal como os livros didáticos. O estudo aqui abordado é parte de uma pesquisa desenvolvida em nível de Iniciação Científica que pretende além de conhecer aspectos ligados ao ensino de matemática no Brasil e na França nas épocas em que o livro analisado foi publicado, aprofundar estudos sobre a Hermenêutica de Profundidade.

Referências

ANDERSON, P.. Linhagens do Estado Absolutista. 3. ed.. São Paulo: Brasiliense. 1998

ANDRADE, M. M. Ensaios sobre o Ensino em geral e o de Matemática em Particular, de Lacroix: Análise de uma Forma Simbólica à luz do Referencial Metodológico da Hermenêutica de Profundidade. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). UNESP, Rio Claro, 2012.

ARIÈS. P. Por uma história da vida privada. In: ARIÈS, P.; CHARTIER, R. (org). História da Vida Privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. Tradução: Hildegard Feist. São Paulo: Companhia da s Letras. 1ed. p. 9-25. 2009.

BARROS, J. D.. A História Cultural e a Contribuição de Roger Chartier. Diálogos, DHI/PPH/UEM, v. 9, n. 1, p. 125-141, 2005. Disponível em . Acesso em 30 de maio de

CARDOSO, V. C.. A Cigarra e a Formiga: uma reflexão sobre a Educação Matemática brasileira da primeira década do século XXI. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação – UNICAMP. Campinas, 2009.

GARNICA, A. V. M; OLIVEIRA, F. D. Manuais didáticos como forma simbólica: considerações iniciais para uma análise hermenêutica. HORIZONTES (Dossiê Escolarização: memórias, sentidos, representações e prática). USF. Itatiba. Vol. 26, número 1, p. 31-43, janeiro/julho 2008.

GOULEMOT. J.M. As práticas literárias ou a publicidade do privado. In: ARIÈS, P.; CHARTIER, R. (org). História da Vida Privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. Tradução: Hildegard Feist. São Paulo: Companhia da s Letras. 1ed. p. 359-396. 2009.

GOMES, M. L. M. Quatro visões iluministas sobre a educação matemática: Diderot, D’Alembert, Condillac e Condorcet. Campinas: Unicamp, 2008.

MARTINS, J. B. A marquesa de Chatelet. Revista Norte Ciência, Belém, v. 1, n.1, p. 63-65, 2010. Disponível em <http://aparaciencias.org/p.63-65Jader.pdf >. Acesso em 23 de junho de 2014.

MIORIN, M. A. J. Introdução à História da Educação Matemática. São Paulo: Atual, 1998.

OLIVEIRA, F. D., ANDRADE, M. M., SILVA, T. T.. A Hermenêutica de Profundidade: possibilidades em Educação Matemática. Alexandria, Florianópolis, v.6, n.1, p. 119-142, 2013.

SCHUBRING, G. Análise histórica de livros de matemática. Tradução de Maria Laura Magalhães Gomes. Campinas: Autores Associados, 2003...

THOMPSON, J. B.. Ideologia e Cultura Moderna. 9 ed., Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

VALENTE, W. R. Positivismo e matemática escolar dos livros didáticos no advento da República. Cadernos de Pesquisas. Campinas/SP: Fundação Carlos Chagas/Editora Autores Associados, 2000.

Publicado
2022-01-08
Como Citar
Cury, F. G., & Alves, L. C. (2022). Elementos de Geometria de Clairaut: uma análise a partir da Hermenêutica de Profundidade . Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (2), 940-949. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/15194
Seção
Sessões Coordenadas