Depois de todas as temáticas abordadas ─ 1° volume: Estudos culturais (abril de 2009); 2º volume: Literatura comparada hoje (setembro de 2009); 3º volume: Crítica contemporânea (abril de 2010); 4º volume: Crítica biográfica (setembro de 2010); 5º volume: Subalternidade (abril de 2011); 6° volume: Cultura local (dezembro de 2011); 7º volume: Fronteiras culturais (abril de 2012); 8° Eixos periféricos (dezembro de 2012); 9º Pós-Colonialidade (Abril de 2013); 10º volume: Memória cultural (dezembro de 2013); 11º volume: Silviano Santiago: uma homenagem ─ os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS entenderam que era o momento (aliás, como aconteceu com o volume anterior) de se voltar especificamente para a crítica, a cultura e a intelectualidade brasileira, priorizando aquele traço culturalista contemporâneo que mais se aproximava de sua proposta inicial desde 2009. Dessa vez, o intelectual brasileiro que melhor representa a política defendida pelo periódico é ninguém menos que Eneida Maria de Souza. Os textos arrolados neste volume pontuam, cada um a seu modo, a importância incontestável da vida intelectual de Eneida, tanto para o Brasil, quanto para a América Latina e o resto do mundo. Cabe-me a feliz tarefa de agradecer a todos os autores que aceitaram participar deste volume, enriquecendo-o com seus belos ensaios. Agradeço, também, aos editores-assistentes Marcos Antônio Bessa-Oliveira e José Francisco Ferrari, que não medem esforços para que os CADERNOS venham a público, bem como a todos da Comissão Organizadora e membros do NECC. Gratidão traduz o que todos os neccenses sentimos pelos ilustres pesquisadores deste volume, sem os quais a temática proposta não seria possível para a realização deste número dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS que entra para a história da crítica brasileira quando o assunto for ENEIDA MARIA DE SOUZA.
Publicado: 2017-05-02