Instrução Pública do Paraná de 1901 a 1930: as leis educacionais e as recomendações de utilização do método de ensino intuitivo

  • Antonio Flavio Claras Professor da rede estadual de Educação Básica do Paraná; Doutorando em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR
  • Iara da Silva França Professora da rede estadual de Educação Básica do Paraná; Professora do Ensino Superior no Instituto Superior do Litoral do Paraná - ISULPAR; Doutoranda em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR
  • Mariliza Simonete Portela Professora do Ensino Superior na Universidade Estadual do Paraná – Campus Paranaguá; Doutoranda em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR

Resumo

A partir da leitura de fontes documentais, o texto apresenta de forma sucinta recomendações do Método de Ensino Intuitivo presentes em Documentos Oficiais de Diretores da Instrução Pública do Estado do Paraná, do início dos novecentos até o final da Primeira República. Inicia mostrando a definição de Ensino Primário. Os primeiros sinais de indicação do Método de Ensino Intuitivo são observados a partir do Regulamento da Instrução Pública do Paraná, de 1901. E finaliza com as proposições verificadas no documento “Bases Educativas para a Organização da Nova Escola Secundária do Paraná (1923)". No período analisado fizemos algumas constatações sobre as ideias que permeavam o cenário educacional paranaense. Neste cenário, os documentos permitiram, ao menos em parte, a compreensão do embate existente acerca das preocupações com a escola primária naquele período e da proposta de utilização de métodos de ensino como elemento-chave para combater os obstáculos que dificultavam o desenvolvimento do estado do Paraná. Os obstáculos eram atribuídos ao ensino centralizado nas práticas memorísticas, até então utilizadas na escola primária paranaense. Como resultado deste ensaio constatamos que a preconização de modernização do ensino no período , abriu espaços no cenário da Escola Primária e Secundária Paranaense que durante o período da Primeira República foi sendo ocupado pelo Método de Ensino Intuitivo.

Referências

CHERVEL, André. A História das Disciplinas Escolares: Reflexões Sobre um Campo de Pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, 176-229, 1990.

JULIA, D. A Cultura Escolar como Objeto Histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 1, jan/jun, 9-38, 2001.

PARANA, BR. (1901). Código do Ensino do Estado do Paraná, 1915. Recuperado 27 de julho, 2013, do Arquivo Público do Paraná e Pesquisa Web site: http://www.arquivopublico.pr.gov.br

PARANÁ, BR. (1901). Relatório de Inspecção,1901, Recuperado 20 de julho, 2013, do Arquivo Público do Paraná e Pesquisa Web site: http://www.arquivopublico.pr.gov.br

PARANÁ, BR. (1901). Relatório de Inspecção,1907, Recuperado 23 de julho, 2013, do Arquivo Público do Paraná e Pesquisa Web site: http://www.arquivopublico.pr.gov.br

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

VALDEMARIN, Vera Teresa. Estudando Lições de Coisas: análise dos fundamentos do Método de Ensino Intuitivo. Campinas, SP: Autores Associados, 2004 – (Coleção Educação Contemporânea).

Publicado
2022-01-09
Como Citar
Claras, A. F., França, I. da S., & Portela, M. S. (2022). Instrução Pública do Paraná de 1901 a 1930: as leis educacionais e as recomendações de utilização do método de ensino intuitivo . Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (2), 1010-1020. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/15201
Seção
Sessões Coordenadas