Uma análise acerca do conteúdo de equidifferenças e proporções

  • Jeremias Stein Rodriguês Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC
  • David Antonio da Costa Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Pode ser difícil identificar nos livros didáticos quando o ensino de Aritmética termina e o de Álgebra tem início, principalmente pelo último ser percebido como uma generalização do primeiro. Livros de Aritmética do início do século XX evidenciam isto nos conteúdos de equidifferença e proporção com o uso de incógnitas e, implicitamente, na resolução de equações. Contudo, poderíamos considerar a abordagem de tais temas como um ensino de Álgebra? Em caso afirmativo, que Álgebra seria esta? Deste modo, propomos um estudo histórico com base na análise de cinco livros didáticos de Aritmética, na busca por caracterizar os aspectos algébricos deste ensino e verificar sua relação com as perspectivas de Peacock (1842) acerca da Álgebra aritmetizada e da Álgebra simbólica. Foi possível perceber que esta abordagem se aproxima da primeira perspectiva do autor, mas que ainda assim não poderia ser caracterizada como um ensino de Álgebra.

Biografia do Autor

Jeremias Stein Rodriguês, Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC

Doutorando do programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Matemática pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Instituto Federal de Santa Catarina, Brasil. E-mail: jeremias.stein@ifsc.edu.br.

David Antonio da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente no Centro de Ciências da Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: david.costa@ufsc.br.

Referências

Choppin, A. (2004). História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 3, p. 549-566.

Julia, D. (2001). A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, v. 1, n. 1, p. 9-43.

L.L. (1916). Elementos de arithmetica. Campinas: Typografia da Casa Ideal.

Le Goff, J. (1990) História e Memória. Tradução de Bernardo Leitão. et al. Campinas, SP. Editora da UNICAMP.

Leyssenne, P. (1911). Traité D’Arithmétique: Théorique et Pratique. Librairie Armand Colin, Paris.

Peacock, G. A. (1842). TREATISE ON ALGEBRA: Vol. 1 Arithmetical Algebra. Cambridge: J. & J. J. Deighton; London, G. F. & J. Rivington.

Santos, A. B. C., Pereira, J. C. S. & Nunes, J. M. V. (2017). Concepções de professores de matemática do ensino básico sobre a álgebra escolar. Educação Matemática Pesquisa, 19(1), p. 81-103.

Silva, R. L. (1923). Arithmetica Pratica e Formulario. Rio de Janeiro: Besnard Frère.

Souza, A. M.(1910). Arithmetica Elementar. 4. ed. Rio de Janeiro: Rodrigues & C.

Trajano, A. B. (1922). Arithmetica Elementar Illustrada. 92ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Publicado
2020-10-26
Como Citar
Rodriguês, J. S., & Costa, D. A. da. (2020). Uma análise acerca do conteúdo de equidifferenças e proporções. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (5), 1-6. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/10943
Seção
Sessões Coordenadas