História da educação matemática: um campo de lutas

  • Yohana Taise Hoffmann Universidade Federal de Santa Catarina
  • David Antonio da Costa Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

O objetivo para esta comunicação, é apresentar uma discussão dentro do campo científico da História da educação matemática (HEM) no Brasil, envolvendo a percepção diferenciada em relação a sua “disciplinarização”, de um lado as mobilizações para sua implementação e de outro as resistências por tal proposta, assim como, os diferentes estilos de pensamento que emergem a partir dessa discussão. Mobilizando a sociologia da educação de Pierre Bourdieu (1930-2002) para o conceito de “campo científico”, e a teoria epistemológica de Ludwik Fleck (1896-1961) para o conceito de “estilo de pensamento”. Observamos que no campo da HEM há diferentes vertentes e interpretações em relação a sua prática, e um dos desafios é pensar em sua “disciplinarização” de modo que contemple os diferentes estilos de pensamento do próprio campo.

Palavras-chave: campo científico; história da educação matemática;  disciplinarização.

Biografia do Autor

Yohana Taise Hoffmann, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutoranda em Educação Científica e Tecnológica (UFSC)
Mestra em Educação Científica e Tecnológica (UFSC)Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais (UFSC)Lattes: http://lattes.cnpq.br/6232852581397708ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3590-315X 
David Antonio da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina
Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
CED - Centro de Ciências da Educação TEL  55 48 3721-2249 / 3721-9243GHEMAT-SC: Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática - Santa Catarina
PPGECT - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e TecnológicaCV: http://lattes.cnpq.br/6716603062813715orcid.org/0000-0003-4493-9207

Referências

Bourdieu, P. (2013). O campo científico. In: ORTIZ, Renato (Org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho D’Água. p. 122-155.

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora da UNESP.

Bourdieu, P. (2001). Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brito, A. J.; Miorim, M. A. (2016). A institucionalização da História da Educação Matemática. In: Antonio V. M. Garnica. (Org.). Pesquisa em História da Educação Matemática no Brasil. 1ed.São Paulo: Livraria da Física Editora, v. 1, p. 67-92.

Búrigo, E. Z.; Dalcin, A. ; Fischer, M. C. B. (2017). História da Educação

Matemática: a institucionalização do campo em um curso de licenciatura. CADERNOS DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (ONLINE), v. 16, p. 619-639.

Costa, D. A. (2017). A emergência da disciplina História da Educação Matemática. CADERNOS DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (ONLINE), v. 16, p. 640-652.

De Oliveira, M. C. A. (2017). História da educação matemática como disciplina na formação de professores que ensinam Matemática. CADERNOS DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (ONLINE), v. 16, p. 653-665.

Fleck, L. ([1935] 2010) Gênese e Desenvolvimento de um Fato Científico: introdução à doutrina do estilo de pensamento e do coletivo de pensamento. Belo Horizonte, Fabrefactum Editora.

Garnica, A. V. M. (2017). Sobre o lugar da História na Formação de Professores de Matemática: um ensaio. Revista de Investigação e Divulgação em Educação Matemática, v. 1, p. 27-50.

Hoffmann, Y. T.; Costa, D. A. (2018). CIRCULAÇÃO INTRACOLETIVA: Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil (GHEMAT). In: Anais do XVI Seminário Temático: Provas e Exames e a escrita da história da educação matemática, 2018.

Hofstetter, R.; Schneuwly, B. (2017). Disciplinarização e disciplinação: as ciências da educação e as didáticas das disciplinas sob análise. In: HOFSTETTER, Rita; VALENTE, W. R. (Orgs.). Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores. São Paulo: Livraria da Física, p.21-54.

Mendes, I. A.; Farias, C. A. (2015). HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA BRASILEIRA: entre genealogias e coletivos de pensamento. HISTEMAT: Revista de História da educação Matemática, v. 01, p. 89-103.

Mezzaroba, C.; Bassani, J. J. (2015). Reflexões sobre a Educação Física a partir dos conceitos de “campo” em Pierre Bourdieu e de “paradigma” em Thomas Kuhn. Revista Tempos e espaços em educação. Vol. 8, n. 15, p. 207-222.

Miguel, A. (2014). O que dizem os estudos já elaborados sobre a emergência da história da educação matemática no Brasil?. In: VALENTE, W. R.. (Org.). História da educação Matemática no Brasil: problemáticas de pesquisa, fontes, referências teórico-metodológicas e histórias elaboradas. 1aed.São Paulo: Editora da Física, p. 30-45.

Pinto, N. B. (2014). A Educação Matemática Brasileira e a Realização do Primeiro Encontro Nacional de Pesquisas em História da Educação Matemática. Da importância do I ENAPHEM. In: VALENTE, Wagner Rodrigues.. (Org.). História da Educação Matemática no Brasil. Problemáticas de pesquisa, fontes. referências teórico-metodológicas e histórias elaboradas. 1ed.São Paulo: Editora Livraria da Física, p. 13-29.

Valente, W. R. (2016). O movimento da história da educação matemática. In: Antonio Vicente Marafioti Garnica. (Org.). Pesquisa em História da Educação Matemática no Brasil - sob o signo da pluralidade. 1ed.São Paulo: Livraria e Editora da Física, v. 1, p. 11-18.

Valente, W. R. (2014). Diálogos pertinentes da história da educação matemática - Os diálogos trans, inter e intra da história da educação matemática. In: VALENTE, W. R. (Org.). História da Educação Matemática no Brasil. 1ed.São Paulo: Livraria e Editora da Física, v. 1, p. 97-116.

Publicado
2019-04-25
Seção
Sessões Coordenadas