Saberes para ensinar aritmética: prática de ensino após a reforma de Orestes Guimarães em Santa Catarina

  • Maiara Elis Lunkes Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Cientifica e Tecnologia
  • Iara Zimmer Universidade Federal de Santa Catarina
  • David Antonio da Costa Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Com este trabalho objetivamos identificar rastros de uma aritmética para ensinar na prática de ensino na formação do professor do ensino primário após a reforma de Orestes Guimarães em Santa Catarina. Para tanto, utilizamos das categorias teóricas elaboradas por autores da Equipe de Pesquisa em História das Ciências da Educação (ERHISE) da Universidade de Genebra, na Suíça, mais especificamente os saberes para ensinar. Desta forma, utilizamos de documentos como: regulamentos e programas de ensino da Escola Normal e dos Grupos Escolares, decretos, mensagens apresentadas ao congresso legislativo, entre outros, identificados no período da reforma. Os saberes para ensinar aritmética se apresentam na formação do futuro professor pelas demonstrações, ora do reformador, ora pelo diretor dos grupos escolares. Tais saberes são sistematizados nos textos normativos em 1914.

Biografia do Autor

Iara Zimmer, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP. Professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina.

David Antonio da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP. Professor do Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

Borer, V. L. (2017). Saberes: uma questão crucial pra a institucionalização da formação de professores. In R. Hofstetter, W. R. Valente. Saberes em (trans) formação: tema central a formação de professores (pp. 173-199). São Paulo: Editora da Física.

Decreto nº 651, de 29 de janeiro de 1912. (1912). Dispõe sobre a realização de 180 dias de práticas pelas normalistas formadas. Acervo: Centro de memória da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina- ALESC. Retirado em 13 de novembro, 2017, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/179926.

Decreto nº 795, 02 de maio de 1914. (1914a). Dispõem do Regimento interno dos Grupos Escolares. Acervo: DVD – Fontes para o estudo da história da escola primária no Brasil. Retirado em 15 de maio, 2018, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/105191.

Decreto nº 796, 02 de maio de 1914. (1914b). Dispõem do Programa dos Grupos Escolares e Escolas Isoladas. Acervo: APESC. Retirando em 15 de maio, 2018, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/105101.

Martins, Elizabeth. (2011). A presença ausente de Cacilda Guimarães: lugares e fazeres (Santa Catarina, 1907-1931). Dissertação de Mestrado em Educação. Santa Catarina: Universidade Estadual de Santa Catarina.

Santa Catarina. (1914c) Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Cel. Vidal José de Oliveira Ramos em maio de 1914. Acervo: APESC. Retirando em 15 de maio, 2018, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/99098.

Silva, Vera Lucia Gaspar da. (2006). Vitrines da República: Os grupos escolares em Santa Catarina (1889-1930). In D. G. Vidal. Grupos Escolares: Cultura Escolar Primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971) (pp.179-190). Campinas: Mercado de Letras.

Silveira, Rosangela Kirst da. (2013). Orientações da reforma Orestes Guimarães para a matemática na escola normal Catharinense. Dissertação de Mestrado em Educação Cientifica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 13 de maio, 2017, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/130627.

Souza, Thuysa Schlichting de. (2016). Entre o Ensino ativo e a escola ativa: os métodos de ensino de aritmética nos Grupos Escolares catarinenses (1910-1946). Dissertação de Mestrado em Educação Cientifica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 15 de maio, 2018, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/160937.

Teive, Gladys Mary Ghizoni. (2008). Uma vez normalista, sempre normalista: cultura escolar e produção de um habitus pedagógico – (Escola Normal Catarinense – 1911/1935). Florianópolis: Insular.

Teive, G. M. G. & Dallabrida, N. (2011). A escola da República: Os grupos escolares e a modernização do ensino primário em Santa Catarina (1911-1918). Campinas: Mercado de Letras.

Valente, Wagner Rodrigues. (2017). Os saberes para ensinar matemática e a profissionalização do educador matemático. Diálogo Educacional, 17 (51), 201-222. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/174494

Valdemarin, Vera Tereza. (1998). O método intuitivo: os sentidos como janelas e portas que se abrem para um mundo interpretado. In R. F. Souza, V. T. Valdemarin & J. S. de Almeida. O legado Educacional do Século XIX. Araraquara: Unesp – Faculdade de Ciências e Letras.

Publicado
2019-04-24
Seção
Sessões Coordenadas