Notícias

Template

2021-04-30

Os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS informam, por meio dos seus Editores e da sua Comissão Organizadora, que, a partir de agora, fica disponível na página dos Cadernos para acesso de Autores e Autoras interessados em submeter artigos, papers, ensaios e/ou leituras críticas a serem avaliados pelo Conselho Editorial dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS para cada edição um TEMPLATE PARA SUBMISSÃO – CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS – que servirá de base para enquadramento básico às Normas dos Cadernos. Autores e Autoras poderão fazer downloads desse arquivo na página dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS na Plataforma SEERhttps://drive.google.com/file/d/1UeUD9NUnVdXUqSCMIYa5MfylgT4OkHCG/view?usp=sharing– para formatarem suas propostas de submissões.  

 

 

Saiba mais sobre Template

Edição Atual

v. 2 n. 24 (2020): Cadernos de Estudos Culturais - Despoéticas, despolíticas, desobediências

Depois de todas as temáticas abordadas — 1º volume: Estudos culturais (abril de 2009); 2º volume: Literatura comparada hoje (setembro de 2009); 3º volume: Crítica contemporânea (abril de 2010); 4º volume: Crítica biográfica (setembro de 2010); 5º volume: Subalternidade (abril de 2011); 6º volume: Cultura local (dezembro de 2011); 7º volume: Fronteiras culturais (abril de 2012); 8º volume: Eixos periféricos (dezembro de 2012); 9º volume: Pós-colonialidade (abril de 2013); 10º volume: Memória cultural (dezembro de 2013); 11º volume: Silviano Santiago: uma homenagem (abril de 2014); 12º volume: Eneida Maria de Souza: uma homenagem (dezembro de 2014); 13º volume: Povos indígenas (abril de 2015); 14º volume: Brasil\Paraguai\Bolívia (dezembro de 2015); 15º volume: Ocidente/Oriente: migrações; 16º volume: Estéticas periféricas (abril de 2016); 17º volume: Cultura urbana; volume 18º: Tendências teóricas do século XXI; volume 19º: Tendências artísticas do século XXI; 20º: Exterioridade dos Saberes: NECC 10 ANOS; 21º: Pedagogias descoloniais; 22 º: Corpos epistêmicos; 23º: Ensaio biográfico — os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS voltam-se para DESPOLÍTICAS, DESPOÉTICAS – DESOBEDIÊNCIAS, por entender que essa temática enseja uma discussão conceitual crítica de ordem fronteiriça ou descolonial. Deve-se pontuar, contudo, que tal prefixo “des” não demanda uma política da des-construção; muito pelo contrário: “des” na discussão implica um modo outro de pensar, de fazer e de teorizar, sempre passando por uma epistemologia outra, ainda não contemplada pela epistemologia moderna, ou seja, pela epistemologia que levou à exaustão a prática da desconstrução conceitual. No plano das despolíticas, podemos pensar em uma forma outra que não a que grassa nas sociedades eivadas de preconceitos e racializações de toda ordem, como tem acontecido na atual política brasileira. No plano das despoéticas, podemos pensar em despoéticas das margens, ou negras, que, a seu modo, não endossam a poética moderna beletrista, como se a produção poética e literária se reduzisse à escritura. No plano das desobediências teríamos uma teorização que levanta a bandeira de que todos aqueles que se encontram do outro lado da fronteira-sul podem pensar e estão pensando e que, por conseguinte, estão filosofando e teorizando, afinal as teorias existem em todos os lugares, inclusive nos não reconhecidos pela teoria e pelo pensamento modernos. A política das Despolíticas, Despoéticas – Desobediências nos mostram, e os textos confirmam, que há formas de pensar outras que não aquelas presas ao discurso acadêmico e disciplinar, nem muito menos a conceitos que caíram numa estereotipia e que, por isso mesmo, não fazem mais grandes sentidos, como o de “Saber”, “Conhecimento”, “Teoria”, “Arte”, “Literatura” etc. E não que as coisas e os conceitos se pluralizaram, mas porque as coisas, os conceitos e as teorizações ocupam lugares específicos e estão em todos os lugares do mundo. A temática contemplada neste volume endossa a política proposta e defendida pelos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS há mais de dez anos, uma vez que ela não se descuida de mirar os lugares sombrios e esquecidos pelos grandes centros, nem muito menos os saberes que emergem dessas bandas ignoradas pelo pensamento moderno. Nós editores agradecemos a todos da COMISSÃO ORGANIZADORA e MEMBROS do NECC que não têm medido esforços para que os CADERNOS continuem contemplando uma publicação que tem ajudado a todos, pelo menos deste lado fronteiriço do Sul, a pensar na diferença colonial o que deve e precisa ser pensado. Gratidão traduz o que todos — neccenses — sentimos pelos ilustres pesquisadores deste volume, sem os quais a temática proposta não seria possível para a realização deste número que entra para a história da crítica biográfica fronteiriça quando o assunto for DESPOLÍTICAS, DESPOÉTICAS – DESOBEDIÊNCIAS.

Edgar Cézar Nolasco & Marcos Antônio Bessa-Oliveira

Publicado: 2021-05-04

Artigos

Ver Todas as Edições

Os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS (ISSN 1984-7785) – visa a cumprir os objetivos que fazem parte de seu projeto editorial, entre os quais destaco os mais significativos: 1) dar continuidade às discussões realizadas no espaço da disciplina obrigatória Literatura Comparada: fundamentos, do Programa de Pós-graduação – Mestrado em Estudos de Linguagens – UFMS; 2) criar um espaço para o debate crítico, tendo por base os ensaios críticos dos intelectuais convidados p participar dos Cadernos; 3) oportunizar os mestrandos, que desenvolvem projetos sobre a Cultura Local, ou cultura latino-americana, que tornem públicas suas pesquisas acadêmicas; 4) discutir com mais propriedade intelectual a cultura local fronteiriça do Estado de Mato Grosso do Sul (Brasil, Paraguai, Bolívia); 5) incentivar o intercâmbio cultural entre o Estado de Mato Grosso do Sul (Brasil) e seus dois países lindeiros (Paraguai e Bolívia); repensar em conjunto as divergências e convergências instauradas em torno da diversidade cultural que diferencia a cultural local Sul-mato-grossense, assim como em um pseudo-conceito de cultura que quase sempre o Estado quer fazer prevalecer.

Para melhor atender aos objetivos que originaram a ideia dos Cadernos, os mesmos são de natureza temática; justificando, inclusive, o título: Cadernos.

O leitor deste caderno terá a oportunidade de estabelecer redes comparativas e interpretativas entre os ensaios (seguidos de uma Resenha Crítica) que, ao final, lhe proporão mais lucidez crítica sobre o pensamento contemporâneo. Por fim, e o mais importante, agradeço a todos os amigos, professores, críticos, orientandos, intelectuais, que contribuíram para que o Projeto dos Cadernos se tornasse possível.

A revista é coordenada pelo professor Dr. Edgar Cézar Nolasco, professor do Curso de Letras (UFMS) e da pós-graduação Mestrado em Estudos de Linguagens (PPGEL/UFMS), presidente do Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC).

Os artigos, ensaios & resenhas publicadas nos Cadernos de Estudos Culturais contemplam duas edições por ano, uma no primeiro semestre e outra no segundo.

  • NOSSO QUALIS:

QUALIS C, área de Linguística e Literatura, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área de Educação, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B2, área Interdisciplinar, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B4, área Antropologia/Arqueologia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área Biotecnologia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B3, área Ciências Ambientais, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B3, área Comunicação e Informação, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B5, área Direito, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B5, área Geografia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área História, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B2, área Planejamento Urbano e Regional/Demografia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área Psicologia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B5, área Sociologia, quadriênio 2013-2016.

A capa e todos os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS são criadas e diagramadas pelo professor Dr. Marcos Antônio Bessa-Oliveira.