Notícias

Template

2021-04-30

Os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS informam, por meio dos seus Editores e da sua Comissão Organizadora, que, a partir de agora, fica disponível na página dos Cadernos para acesso de Autores e Autoras interessados em submeter artigos, papers, ensaios e/ou leituras críticas a serem avaliados pelo Conselho Editorial dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS para cada edição um TEMPLATE PARA SUBMISSÃO – CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS – que servirá de base para enquadramento básico às Normas dos Cadernos. Autores e Autoras poderão fazer downloads desse arquivo na página dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS na Plataforma SEERhttps://drive.google.com/file/d/1UeUD9NUnVdXUqSCMIYa5MfylgT4OkHCG/view?usp=sharing– para formatarem suas propostas de submissões.  

 

 

Saiba mais sobre Template

Edição Atual

v. 1 n. 23 (2020): Cadernos de Estudos Culturais - Ensaio Biográfico (ISSN: 1984-7785)

Informamos que o nº 23 dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS (ISSN: 1984-7785), cuja temática é ENSAIO BIOGRÁFICO, já se encontra em fase de preparação. Para tanto, intelectuais de várias partes foram convidados para contribuir, assim como a CHAMADA-CONVITE foi devidamente divulgada durante o segundo semestre de 2019 e primeiro de 2020. A temática proposta enseja uma discussão conceitual crítica acerca do que se entende por “ensaio biográfico”, uma vez que tal prática de escrita tem se tornado cada vez mais recorrente nos dias atuais. Em meio a tantas perguntas, sobressai esta: teria a ver a prática de tal escrita pessoal com a realidade política de onde tal escrita é posta em prática? Ou a escrita narrada em primeira pessoa não teria nada de política, e apenas estaria satisfazendo o ego de um sujeito narcisista? Enfim, independentemente da direção que se tomar e defender, o fato é que se precisa teorizar criticamente acerca do gênero, se é que tal escrita faz parte de apenas um gênero. Neste momento, ao se propor esta temática, se está pensando aqui precisamente no recente conto “Nó, nós”, do renomado escritor brasileiro Silviano Santiago. Na verdade, percebe-se, mesmo que em uma leitura rápida, que o que o escritor faz ali ainda não tem nome, ou pelo menos a crítica ainda não esta devidamente aparelhada para ler e enfrentar a proposta feita por Silviano. No conto, apesar de minúsculo, Silviano avança e de alguma forma desfaz sua prática de escrita anterior. Ao propor tal temática, os CADERNOS, ao invés de fugirem das temáticas anteriores, muito pelo contrário, converge aprofundando seus interesses que sempre margearam temáticas pouco contempladas pela crítica dos grandes centros do País e do mundo. Na verdade, é a pegada de base fronteiriça, ou descolonial priorizada pelos CADERNOS nestes últimos dez anos, que o leva agora a propor uma temática que carece de uma sustentação teórica por vir e quiçá de um nome que melhor a represente, posto que ENSAIO BIOGRÁFICO já soa por demais moderno. Em todo caso, esperamos que a temática proposta traga uma discussão de base conceitual que contribua para uma melhor compreensão do que muitos artistas vêm fazendo, a exemplo de Silviano Santiago.

Publicado: 2021-07-05

Artigos

Ver Todas as Edições

Os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS (ISSN 2763-888X) – visa a cumprir os objetivos que fazem parte de seu projeto editorial, entre os quais destaco os mais significativos: 1) dar continuidade às discussões realizadas no espaço da disciplina obrigatória Literatura Comparada: fundamentos, do Programa de Pós-graduação – Mestrado em Estudos de Linguagens – UFMS; 2) criar um espaço para o debate crítico, tendo por base os ensaios críticos dos intelectuais convidados p participar dos Cadernos; 3) oportunizar os mestrandos, que desenvolvem projetos sobre a Cultura Local, ou cultura latino-americana, que tornem públicas suas pesquisas acadêmicas; 4) discutir com mais propriedade intelectual a cultura local fronteiriça do Estado de Mato Grosso do Sul (Brasil, Paraguai, Bolívia); 5) incentivar o intercâmbio cultural entre o Estado de Mato Grosso do Sul (Brasil) e seus dois países lindeiros (Paraguai e Bolívia); repensar em conjunto as divergências e convergências instauradas em torno da diversidade cultural que diferencia a cultural local Sul-mato-grossense, assim como em um pseudo-conceito de cultura que quase sempre o Estado quer fazer prevalecer.

Para melhor atender aos objetivos que originaram a ideia dos Cadernos, os mesmos são de natureza temática; justificando, inclusive, o título: Cadernos.

O leitor deste caderno terá a oportunidade de estabelecer redes comparativas e interpretativas entre os ensaios (seguidos de uma Resenha Crítica) que, ao final, lhe proporão mais lucidez crítica sobre o pensamento contemporâneo. Por fim, e o mais importante, agradeço a todos os amigos, professores, críticos, orientandos, intelectuais, que contribuíram para que o Projeto dos Cadernos se tornasse possível.

A revista é coordenada pelo professor Dr. Edgar Cézar Nolasco, professor do Curso de Letras (UFMS) e da pós-graduação Mestrado em Estudos de Linguagens (PPGEL/UFMS), presidente do Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC).

Os artigos, ensaios & resenhas publicadas nos Cadernos de Estudos Culturais contemplam duas edições por ano, uma no primeiro semestre e outra no segundo.

  • NOSSO QUALIS:

QUALIS C, área de Linguística e Literatura, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área de Educação, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B2, área Interdisciplinar, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B4, área Antropologia/Arqueologia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área Biotecnologia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B3, área Ciências Ambientais, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B3, área Comunicação e Informação, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B5, área Direito, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B5, área Geografia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área História, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B2, área Planejamento Urbano e Regional/Demografia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS C, área Psicologia, quadriênio 2013-2016.

QUALIS B5, área Sociologia, quadriênio 2013-2016.

A capa e todos os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS são criadas e diagramadas pelo professor Dr. Marcos Antônio Bessa-Oliveira.