A divisão territorial no Mato Grosso do Sul e a construção de muitas infâncias

  • Giana Amaral Yamin
  • Roseli Rodrigues de Mello

Resumo

O presente artigo contempla parte dos resultados de pesquisas realizadas no âmbito da reforma agrária brasileira. Desoculta as conseqüências que a desigual distribuição de terras efetivada no estado do Mato Grosso do Sul gerou para as infâncias vividas por filhas/ filhos de trabalhadores sem-terra. A relação estabelecida entre a carência da terra de trabalho e o delineamento de diferentes infâncias foi sistematizada por meio de um resgate bibliográfico e da História Oral de vida de sujeitos que foram assentados pela reforma agrária. Como resultado, revela como uma estrutura calcada em bases latifundiárias condicionou a vida de crianças indígenas, erveiras, carvoeiras e bóias-frias residentes em um estado cujas áreas particulares delineiam-se com proporções vezes superiores às da média nacional.

Biografia do Autor

Giana Amaral Yamin

Professora-pesquisadora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Roseli Rodrigues de Mello

Professora Pesquisadora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

Publicado
2016-11-08