O PRINCÍPIO DA INTERCULTURALIDADE NAS IDEIAS HISTÓRICAS DE JOVENS ESTUDANTES A PARTIR DAS NARRATIVAS HISTÓRICAS GRÁFICAS COMO POSSIBILIDADE INVESTIGATIVA PARA A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

  • Marcelo Fronza

Resumo

Esta pesquisa está ligada ao projeto de pesquisa Os jovens e as ideias de verdade histórica e intersubjetividade na relação com as narrativas históricas visuais vinculado ao Grupo Pesquisador Educação Histórica: Consciência histórica e narrativas visuais (GPEDUH/UFMT) e ao Laboratório de Pesquisa em Educação Histórica (LAPEDUH/UFPR). Começa com a preocupação em relação à formação de professores de história em compreender como os jovens constroem os processos históricos ligados à relação entre interculturalidade e o novo humanismo. A interculturalidade parte
do princípio do reconhecimento igualitário e humanista da diferença cultural (RÜSEN, 2014). Pesquiso as ideias históricas de jovens estudantes de ensino médio de uma escola da rede pública de Mato Grosso, Várzea Grande, Brasil, sobre como compreendem a interculturalidade presente nos conflitos entre europeus e indígenas durante a conquista da América, que teve lugar em torno de 1492 e 1550, quando confrontados por duas narrativas históricas gráficas sobre este tema histórico. Busco compreender como esses jovens se orientam temporalmente a partir da dimensão sofrimento humano do outro narrado por esses artefatos da cultura histórica. Com isso, é possível inferir que a geração de sentido histórico é um componente vital da formação dos professores de história.

Publicado
2019-11-25