Processos figuracionais da profissionalização de professores de crianças de Mato Grosso do Su

Resumo

O objetivo deste artigo é caracterizar, a partir da trajetória profissional de professores que atuaram com crianças, os aspectos da profissionalização docente no Mato Grosso do Sul. Os procedimentos teórico-metodológicos têm base na proposta de Norbert Elias, em particular na sociologia figuracional e na sociologia dos processos. A metodologia para a coleta de dados foi a história oral temática, a partir da entrevista com quatro professores. O resultado da pesquisa   indica que a formação de professores nas escolas do sul de Mato Grosso do Sul, no período entre 1962 a 2007, foi marcada por uma formação precária e em serviço, na maioria das vezes. Entretanto, o lugar da docência pode ser entendido, sob a ótica desses professores, diante de uma perspectiva histórica, como uma oportunidade de utilização de competências e capacidades prezadas pelo indivíduo, da emancipação, responsabilidade, realização, implicação e eficácia, de desenvolvimento de novas aprendizagens e na tomada de decisão. Nesse sentido, é importante dizer que os professores buscaram, ao longo de sua trajetória profissional, o aperfeiçoamento da profissionalização e com isso garantiram a manutenção de sua carreira profissional. As figurações que cada indivíduo vivenciava, as tensões e os ajustamentos foram necessários para estabelecer sua ocupação funcional, a qual foi exigida uma profissionalização na carreira docente, uma vez que o professor leigo foi entendido como aquele que não tem a habilitação estipulada pela lei para lecionar, e o professor com magistério aquele que precisava buscar a formação superior.

Biografia do Autor

Larissa Wayhs Trein Montiel, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Campus de Naviraí (CPNV).

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Professora na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus de Naviraí (CPNV), atua na área da Educação nos cursos de Pedagogia e Ciências Sociais com disciplinas de Fundamentos da Educação.

Adriana Horta de Faria, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Campus de Naviraí (CPNV).

Doutoranda em Educação na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Mestre em Educação pela UFGD, na linha de História da Educação, Memória e Sociedade. Especializada em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdade de Tecnologia do Vale do Ivaí-PR. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Membro do Grupo de Pesquisa Educação e Processo Civilizador. 

Referências

BRASIL. Decreto n. 7.247 de 19 de abril de 1879 do Ministério do Império. Reforma o ensino primário e secundário no município da Corte e o superior em todo o Império. Império do Brasil de 1879 – Parte II Tomo XLII. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, p. 196-217, 1879. Disponível em http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-7247-19-abril-1879-547933-publicacaooriginal-62862-pe.html.

BRASIL. Diretrizes e Bases para a Educação Nacional. Lei 5692, de 11 de agosto de 1971. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1971.

BRASIL. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. MEC. Brasília MEC, 1996.

BRAZIL, Maria do. Carmo; MANCINI, Ana Paula; MONTEIRO, Juliana da Silva; TREVISAN, Macio Bogaz. A Escola republicana entre ervais e cafezais: cultura material no Sul de Mato Grosso (1908-1971). In. FURTADO, Alessandra Cristina; SÁ, Elizabeth Figueiredo de(Orgs). História da Educação do Centro- Oeste: instituições educativas e fronteiras. Cuiabá: EdUFMT, 2015. 236 p.

CASTANHA, André Paulo. O Ato Adicional e a instrução elementar no Império: descentralização ou centralização? fl. 558. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade Federal de São Carlos. São Carlos-SP, 2007. (Tese de Doutorado).

CAVALCANTI, Tiago Leandro Vieira. Colonialismo, território e territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowa em Mato Grosso do Sul. fl. 470. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Estadual Paulista, Assis-SP, 2013.

ELIAS, Norbert. “Professions”. In: GOULD, Julius; KOLB, William. A dictionary of the social sciences. New York: Free Press.1964.

ELIAS, Norbert. A sociedade da corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

ELIAS, Norbert. Estudos sobre a Gênese da Profissão Naval. NEIBURG, F. & WAIZBORT, L. (org) Norbert Elias. Escritos e Ensaios. RJ. Zahar, 2006, p. 69-112.

ELIAS, Norbert. Introdução a sociologia. Lisboa: Edições 70, 1980.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do Estado e civilização. v. 2. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. 2. ed. v. 1. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

GEBARA, Ademir. Figurações e Educação: A escola, os jovens e os professores. In: SARAT, Magda; SANTOS, Reinaldo dos. (Orgs.) Sobre Processos Civilizadores diálogos com Norbert Elias. 1ª ed. Dourados: Ed. UFGD, 2012. 330p.

GONÇALVES, Djalma. Lino. A colonizadora Vera Cruz Mato Grosso limitada e a formação de Naviraí. fl. 137. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal da Grande Dourados, UFGD, Dourados, 2015. Disponível em: http://www.ppghufgd.com. Acesso em: abril de 2017.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Tradução Albino Pozzer, revisão Maria Helena Menna Barreto Abrahão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

LANDINI, Tatiana. Savoia. A Sociologia processual de Norbert Elias. Anais... IX Simpósio Internacional Processo Civilizador. Ponta Grossa, Paraná, 2005. Disponível em: www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/.../art27.pdf Acesso em: maio de 2018.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. (Re)Introduzindo a história oral no Brasil. In: MEIHY, José Carlos Sebe Bom (org.). (Re)Introduzindo a história oral no Brasil. São Paulo: Xamã, 1996. 342 p.

MESSIAS, Maria Lucia (Org.). Naviraí, 50 anos construindo sonhos. Naviraí – MS: Gráfica PSAF, 2013.

NÓVOA, António. (org.). Vidas de professores. 2a ed. Porto: Porto Editora, 2000.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente in NÓVOA, António. Os Professores e a sua formação. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1992, p. 15-34.

RODRIGUEZ, Margarita Victória. História dos Movimentos Sindical Docente de Mato Grosso do Sul: acordos salariais dos professores da rede estadual. Anais... XII encontro da associação nacional de História. Seção Mato Grosso do Sul. 2014. Disponível em: http://www.encontro.ms.anpuh.org/resources/anais/38/1411215199_ARQUIVO_ArtigoAnpuhconcluido.pdf. Acesso em 03 de ago 2017.

RODRIGUEZ, Margarita Victória; OLIVEIRA, Regina Tereza Cestari de. História da Escola Normal no Estado de Mato Grosso: implantação e consolidação no sul do estado. In: 162 ARAÚJO, José Carlos de Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho (Org.). As escolas normais no Brasil: do império à república. Campinas: Alínea, 2008.

SARAT, Magda. Educação, memória e gênero: contribuições de Norbert Elias. InterMeio, Campo Grande, MS, v. 17, n. 33, p. 118-139, jan./jun. 2011. Disponível em: file:///C:/Users/micro/Downloads/188-130-PB%20(1).PDF. Acesso em: jan. 2018.

TANURI, Leonor Maria. História da Formação de Professores. Revista Brasileira de Educação. Campinas: n.14, p. 61-88, mai./jun./jul./ago, 2000.

THOMPSON, Edward Palmer. A miséria da teoria ou o planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VICENTINI, Paula Perin; LUGLI, Rosário Genta. História da Profissão Docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez Editora, 2009, 234 p.

Publicado
2021-06-30