Identidade e memória: uma perspectiva eliasiana da construção de nacionalidades

Resumo

Quando a globalização tecnológica e política avançava pelo mundo e o neoliberalismo parecia ter se tornado hegemônico no planeta, o pós-nacionalismo tornou-se uma realidade quase palpável. Nessa perspectiva, os Estados-nações estariam com seus dias contados. O século XXI por outro lado, tem nos mostrado que o nacionalismo em suas vertentes políticas e econômicas está mais vivo do que nunca como forma de integração e de legitimação de identidades e memórias. A fim de compreender este momento histórico, debatemos com Norbert Elias a relação entre identidade e memória e sua implicação na formação das nacionalidades. Para tanto, faremos uma revisão dos pressupostos teóricos eliasianos com o objetivo de verificar o papel da nacionalidade na construção identitária na modernidade a partir da perspectiva da sociologia dos processos, analisando as possibilidades de um pós-nacionalismo num futuro que agora parece cada vez mais distante. Buscamos expor em nossa argumentação que Elias demonstra inequivocamente que, em curto e médio prazo, os nacionalismos devem preservar sua força integradora. De maneira complementar, evidencia também que no processo de longa duração da formação de Estados, as nações são apenas uma das etapas possíveis de integração e não a etapa final. O pós-nacionalismo, neste sentido, é ao menos uma possibilidade teórica.

Biografia do Autor

Marcos Aurelio Dornelas, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Sociologia, docente do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Tulane Silva de Souza Pedrosa, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e mestre em Educação pela UFPE.

Catarina da Silva Souza, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e mestre em Educação pela UFPE. Docente da Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE).

Charles Gomes Martins, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e mestre em Educação pela UFPE.

Referências

BECK, Ulrich. The Cosmopolitan Society and its Enemies. Theory, Culture & Society (SAGE, London, Thousand Oaks and New Delhi), v. 19, n. 1-2, p. 17-44, 2002.

BECK, Ulrich. Living in the world risk society. Economy and Society, v. 35, n. 3, p. 329-345, ago. 2006.

BECK, Ulrich. The Cosmopolitan Perspective: Sociology of the Second Age of Modernity. British Journal of Sociology, v. 51, n. 1, p. 79-106, 2000.

ELIAS, Norbert. Federico NEIBURG; WAIZBORT, Leopoldo (org.). Escritos & ensaios: estado, processo, opinião pública. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006. v. 1.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994a.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do estado e civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993. v. II.

ELIAS, Nobert; DUNNING, Erich. Memória e sociedade: a busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Organizado por Michael Schöter; Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994b.

ELIAS, Norbert. A condição humana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

ELIAS, Norbert. Os alemães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

HABERMAS, Jurgen. The Postnational Constellation. Cambridge: Polity Press, 2000.

Publicado
2021-06-30