O alargamento da violência nas escolas e o regime de acumulação integral

Nildo Viana

Resumo


O crescimento da violência nas escolas é um grave problema social que merece reflexões mais aprofundadas que consigam explicar sua razão de ser. Para efetivar isso, tornam-se necessários esclarecimentos conceituais, tal como a explicitação do conceito de violência e a distinção entre violência escolar e violência nas escolas, bem como uma base teórica que consiga explicar o fenômeno da violência, tal como a teoria dos regimes de acumulação e da relação entre violência e sociedade. Esses elementos possibilitam uma análise histórica do desenvolvimento capitalista que explicita a relação íntima entre os índices de violência e a dinâmica dos regimes de acumulação. A partir disso a compreensão do fenômeno da violência nas escolas e seu alargamento ampliado torna-se possível. A conclusão é a de que o alargamento da violência nas escolas está intimamente relacionado com a passagem para o regime de acumulação integral e, mais recentemente, com o seu processo de desestabilização.


Palavras-chave


Violência nas Escolas, Violência Escolar, Regime de Acumulação Integral, Alargamento da Violência, Desestabilização

Texto completo:

PDF

Referências


ASMANN, Hugo. A Trilateral – Nova Fase do Capitalismo Mundial. Petrópolis: Vozes, 1979.

BARRETO, Vicente. Educação e Violência. Reflexões Preliminares. In: Zaluar, Alba (org.). Violência e Educação. São Paulo: Cortez, 1994.

BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A Reprodução. Elementos Para Uma Teoria do Sistema de Ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

BRAGA, Lisandro. A Teoria do Regime de Acumulação Integral. Revista Conflicto Social. Ano 06, num. 10, Jul./Dez. 2013a.

BRAGA, Lisandro. Classe em Farrapos. Acumulação integral e expansão do lumpemproletariado. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013b.

CARDIA, Nancy. A Violência Urbana e a Escola. Contemporaneidade e Educação. Ano II, no 02, Setembro de 1997.

COLOMBIER, Claire; MANGEL, Gilbert; PERDRIAULT, Marguerite. A Violência na Escola. São Paulo: Summus, 1989.

DADOUN, Roger. A Violência. Ensaio Acerca do “Homo Violens”. São Paulo: Difel, 1998.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. História da Violência nas Prisões. 2a edição, Petrópolis: Vozes, 1983.

FREUD, Sigmund. Psicanálise da Guerra. São Paulo: San Remo, 1978.

FROMM, Erich. A Anatomia da Destrutividade Humana. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

GUIMARÃES, Áurea. A Dinâmica da Violência Escolar: Conflito e Ambiguidade. Campinas, Autores Associados, 1996.

HARVEY, David. A Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1995.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil. In: Col. Os Pensadores. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

LORENZ, Konrad. A Agressão. São Paulo: Martins Fontes, 1973.

LUCINDA, M. C.; NASCIMENTO, M. G.; CANDAU, V. M. Escola e Violência. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

MARTINS, José de Sousa. A Sociedade vista do Abismo: Novos Estudos Sobre Exclusão, Pobreza e Classes Sociais. Petrópolis: Vozes, 2002.

MARX, Karl. Contribuição à Crítica da Economia Política. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

MARX, Karl. O Capital. Vol. 1, 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MERTON, Robert. Sociologia: Teoria e Estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

MONTAGU, Ashley. A Natureza da Agressividade Humana. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

ORIO, Mateus. O desenvolvimento capitalista na sucessão de regimes de acumulação. Ciências Humanas. Revista da Faculdade Estácio de Sá. Goiânia SESES-Go. Vol. 02, nº 09, 126-139, Jul. 2013/Jan. 2014.

PERINE, Marcelo. Filosofia e Violência: Sentido e Intenção da Filosofia de Éric Weil. São Paulo: Edições Loyola, 1987.

STORR, Antony. A Agressão Humana. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

VIANA, Nildo. A Alienação como Relação Social. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais – UEG/UnU Iporá, v. 1, n. 2, p. 23-42 – jul./dez 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 dez. 2012.

VIANA, Nildo. A Constituição das Políticas Públicas. Revista Plurais (Online), v. 1, p. 94-112, 2006. Disponível em: . Acesso em: 31 dez. 2006.

VIANA, Nildo. A Dinâmica da Violência Juvenil. Rio de Janeiro: Booklink, 2004.

VIANA, Nildo. Estado, Democracia e Cidadania. 2ª edição, Rio de Janeiro: Achiamé, 2015a.

VIANA, Nildo. Inspeção do Trabalho e Violência nas Relações de Trabalho. In: DAL ROSSO, Sadi (Org.). Violência e Trabalho no Brasil. Goiânia: Editora da UFG, 2001.

VIANA, Nildo. Os ciclos dos regimes de acumulação. Territorial - Caderno Eletrônico de Textos, Vol.5, n.7, 20 de agosto de 2015b. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015b.

VIANA, Nildo. Violência e Escola. in: VIEIRA, Renato e VIANA, Nildo. Educação Cultura e Sociedade: Abordagens Críticas da Escola. Goiânia: Edições Germinal, 2002b.

VIANA, Nildo. Violência Urbana: A Cidade Como Espaço Gerador de Violência. Goiânia: Edições Germinal, 2002a.

VIANA, Nildo. Violência, Conflito e Controle. In: SANTOS, Sales e outros (Orgs.). 50 anos depois. Relações Raciais e Grupos Socialmente Segregados. Brasília: Movimento Nacional dos Direitos Humanos, 1999.

WACQUANT, Löic. As Prisões da Miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência: Mortes Matadas por Arma de Fogo. Brasília: Secretaria-Geral da Presidência da República, 2015.

ZALUAR, Alba. A Globalização do Crime e Os Limites da Explicação Local. In: VELHO, Gilberto; ALVITO, Marcos. Cidadania e Violência. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/FGV, 2000.

ZALUAR, Alba. Exclusão Social e Violência. In: ZALUAR, Alba (Org.). Violência e Educação. São Paulo: Cortez, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .