A questão da identidade de gênero na educação básica: educadores e jogos de poder

  • Danielle Twerznik Camargo Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNesp Bauru-SP / Aluna regular do Mestrado em Docência para a Educação Básica.
  • Antonio Francisco Marques Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP Bauru-SP / Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Assistente Doutor, Regime: Dedicação exclusiva.
Palavras-chave: Identidade de gênero, Heteronormatividade, Educação.

Resumo

>O presente trabalho avalia abordagens pedagógicas na formação da identidade de gênero na Educação Básica, oferecendo subsídios teórico-reflexivos aos educadores que buscam visão menos heteronormativa. Alcançá-la faz parte de um jogo de interesses, muito além do comprometimento com a construção de perspectivas inclusivas. Propõe-se uma revisão bibliográfica, revelando jogos subjetivos para o termo diferença, encarado dentro de estratégias e políticas institucionais impostas para garantir estabilidade na identidade socialmente estabelecida por normal.  Analisamos o rótulo diferente como estratégia para lucro na sociedade do consumo, assim como propõe a mídia. Portanto, é necessário refletir as relações educador/educando/escola, analisando conflitos, disputas e jogos de poder para que se persiga uma postura ética na prática educativa. 

Biografia do Autor

Danielle Twerznik Camargo, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNesp Bauru-SP / Aluna regular do Mestrado em Docência para a Educação Básica.
Aluna Regular do Mestrado em Docência para a Educação Básica Faculdade de Ciências Universidade Estatual Paulista UNESP-Bauru (2015/...); Especialista em Antropologia - área de concentração: Antropologia Cultural pela Universidade Sagrado Coração-USC(2012); Graduada em Pedagogia - Licenciatura e Gestão Escolar pela Universidade Estadual Paulista UNESP-Bauru (2013) e Graduada em Educação Artística (Licenciatura) pela Universidade Estadual Paulista UNESP-Bauru (2006). Atua como docente na Rede Estadual e Particular de Ensino na cidade de Bauru-SP.
Antonio Francisco Marques, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP Bauru-SP / Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Professor Assistente Doutor, Regime: Dedicação exclusiva.
Possui graduação Bacharelado em Psicologia pela Faculdade Salesiana de Filosofia Ciências e Letras de Lorena (1983), graduação em Formação de Psicólogo pela Faculdade Salesiana de Filosofia Ciências e Letras de Lorena (1983), graduação Licenciatura Em Filosofia pela Faculdade Salesiana de Filosofia Ciências e Letras de Lorena (1978), mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1993) e doutorado em Educação (Marília) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Atualmente é professor assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho exercendo atividade de docência nas licenciaturas e Mestrado em Docência Para a Educação Básica. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Psicologia Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino e aprendizagem, educação popular e alfabetização de jovens e adultos, orientação e prevenção de uso de drogas, formação de professores da educação básica e ensino superior, ensino de ciências e educação e religião.

Referências

APPLE, Michael W. Educação e poder. Trad. Maria Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BRASIL, S.E.F. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. Vol. 1: A vontade de saber. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

LEITE, Francisco T. Metodologia cientifica: métodos e técnicas de pesquisa: monografias, dissertações, teses e livros. Aparecida (SP): Ideias e Letras, 2008.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

______, Guacira L. Currículo, Gênero e sexualidade – O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. LOURO, G. L; FELIPE J; GOELLNER. S. V. (org.) Corpo, Gênero e Sexualidade: Um debate contemporâneo na educação – 7. ed. – Petrópolis, RJ : Vozes, 2011, p.41-52.

MAIA, Ana. C. B. Identidade e Papéis Sexuais: uma discussão sobre gênero na escola. In: MAIA, Ana; MAIA, Ari.F. (ORG). Sexualidade e Infância. Cadernos CECEMCA n.1. Bauru Faculdade de Ciências: Cecemca; Brasília: MEC/SEF, 2005, p.66-82.

MEYER, Dagmar, E. Gênero e educação: teoria e política. LOURO, G. L; FELIPE J; GOELLNER. S. V. (org.) Corpo, Gênero e Sexualidade: Um debate contemporâneo na educação – 7. ed. – Petrópolis, RJ : Vozes, 2011, p.9-27.

PEREIRA, Marcos. E. Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: EPU, 2002.

SABAT, Ruth. Gênero e sexualidade para o consumo (p.149-159). LOURO, G. L; FELIPE J; GOELLNER. S. V. (org.) Corpo, Gênero e Sexualidade: Um debate contemporâneo na educação – 7. ed. – Petrópolis, RJ : Vozes, 2011, p.149-159.

SAFFIOTI, Heleieth. As perspectivas metodológicas de investigação das relações de gênero. In: MORAES SILVA, Maria Aparecida (org.). Mulher em seis tempos. Araraquara: UNESP, 1991, p.141-176.

SAMPIERI, Roberto H.; COLLADO, Carlos F.; LUCIO, Maria P. B. Metodologia de pesquisa. 5ª ed. – Porto Alegre: Penso. 2013.

SAYÃO, Debora. T. Pedagogias do corpo ou constituição de bons-moços e boas-moças. Estudos Feministas, v.9, n.1, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2001000100022 Acesso em: 05 Out. 2016.

TEDESCO, Juan C. Alguns aspectos da privatização educativa na América. Estudos avançados. Vol.5 n.12 São Paulo May/Aug. 1991. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v5n12/v5n12a03.pdf Acesso em: 07 out. 2016.

Publicado
2017-07-16
Seção
Artigos