Uma ação de capacitação de professores para o ensino da temática indígena em Mato Grosso do Sul

Victor Ferri Mauro

Resumo


Este artigo descreve as ações do projeto de extensão "Formação de Professores em História e Cultura Indígena" desenvolvido pela UFMS no município de Naviraí nos anos de 2012, 2013 e 2016 e analisa alguns de seus resultados que vêm beneficiando a sociedade regional. Viabilizado por recursos da Pró-reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis da citada universidade e coordenado pelo autor do presente texto, o projeto, na forma de curso presencial, promove palestras ministradas por pesquisadores especializados na temática dos povos originários - sendo alguns deles representantes desses povos - para professores da rede básica de ensino e estudantes de cursos de licenciatura. O objetivo é formar multiplicadores do conhecimento capacitados para atuar em sala de aula, abordando junto a crianças e jovens, questões como: as contribuições dos indígenas na formação da nação brasileira, a realidade indígena atual e a importância dos povos ameríndios na diversidade sociocultural do país e do estado. Dentre as metas buscadas destacam-se a desconstrução dos preconceitos raciais e o estímulo ao diálogo respeitoso para com as diferenças. O projeto assim contribui para a aplicação do ensino de História e Cultura Indígena nos estabelecimentos escolares tal como preconiza a Lei 11.645/2008. São apresentados aqui alguns resultados do projeto levantados a partir de relatos de frequentadores do curso narrando experiências profissionais em que aplicaram conhecimentos obtidos em sua participação na ação de extensão.


Palavras-chave


Lei 11.645, formação de professores, história e cultura indígena, educação, diversidade cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Adriana de Carvalho. Ensino de História e Cultura Indígena: trabalhando com

conceitos, desconstruindo estereótipos. Espaço Acadêmico, n. 168, p. 42-54, 2015.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; GOMES, Luana Barth. A temática indígena na escola: ensaios de educação intercultural. Currículo sem fronteiras, v. 12, n. 1, p. 53-69, jan./abr., 2012.

BORGES, Elizabeth Maria de Fátima. A inclusão da história e da cultura afro-brasileira e indígenas nos currículos da educação básica. Revista do Mestrado em História, Vassouras, v. 12, n. 1, p. 71-84, jan./jun., 2010.

BRASIL. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental.Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural.Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Presidência da República: subchefia de assuntos jurídicos. Lei 11.645 de 10 de março de 2008. Disponível em:. Acesso em: 05 mar. 2016.

FERNANDES, José Ricardo Oriá. Ensino de história e diversidade cultural: desafios e possibilidades. Cadernos CEDES, Campinas, v. 25, n. 67, p. 378-388, set./dez. 2005.

GANDRA, Edgar Ávila; NOBRE, Felipe Nunes. A temática indígena no ensino de História do Brasil: uma análise da coleção didática Projeto Araribá (2008-2013). Revista do Lhiste, v. 1, n. 1, p. 40-57, jul./dez. 2014.

GOULARTE, Raquel da Silva. MELO, Karoline Rodrigues de. A lei 11.645/08 e a sua abordagem nos livros didáticos do ensino fundamental. Entretextos, Londrina, v. 13, n. 2, p. 33-54, jul./dez. 2013.

GRUPIONI, Luis Donizeti Benzi. Livros didáticos e fontes de informação sobreas sociedades indígenas no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopez da Silva; GRUPIONI Luiz Donisetti Benzi. (Org.). A questão indígena na sala de aula. Novossubsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC, 1995, pp. 481-526.

JORNAL DA UFMS. Professores recebem formação indígena em Naviraí. Campo Grande-MS, ano XIV, n. 59, p. 6, out. 2016.

LEITE, Marlene Gomes. Entrevista concedida a Victor Ferri Mauro. Naviraí-MS, 12/10/2016.

LOPES DA SILVA, Aracy. Nem taba, nem oca: uma coletânea de textos à disposição dos professores. In:_______. (org.). A questão indígena na sala de aula: subsídios para professores de 1º e 2º graus. São Paulo: Brasiliense, 1987. pp. 129-173.

MARCOS, Marina Cândido. Entrevista concedida a Victor Ferri Mauro. Naviraí-MS, 10/12/2016.

MARQUES, Eugênia Portela Siqueira; CALDERONI, Valeria Aparecida Mendonça de Oliveira. Os deslocamentos epistemológicos trazidos pelas leis 10.639/2003 e 11.645/2008: possibilidades de subversão à colonialidade do currículo escolar. OPSIS, Catalão-GO, v. 16, n. 2, p. 299-315, jul./dez. 2016.

MARTINS, Maria Cristina Bohn.As sociedades indígenas, a história e a escola.Antíteses, vol. 2, n. 3, p. 153-167, jan./jun. 2009.

MUSSI, Vanderléia Paes Leite; SOUZA, Noêmia Machado de. Os povos indígenas no Brasil – outra visão da História e da Literatura. In: AGUILERA URQUIZA, Antonio Hilário. (org.). Culturas e história dos povos indígenas de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Ed. UFMS, 2013. pp. 109-164.

ORIÁ, Ricardo. O negro na historiografia didática: imagens, identidades erepresentações. Textos de História, Brasília, v. 4, n. 2, p. 154-165, 1996.

ROCHA, Everardo P. Guimmarães. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

RUSSO, Kelly. PALLADINO, Mariana. Reflexões sobre a Lei 11.645/2008 e a inclusão da temática indígena na escola. Itabaiana: GEPIADDE, ano 08, v. 16, p. 31-50, jul./dez. 2014.

SARZI, Julio Cesar. Entrevista concedida a Victor Ferri Mauro. Naviraí-MS, 11/10/2016.

SILVA, Alzira. Entrevista concedida a Victor Ferri Mauro. Naviraí-MS, 29/11/2016.

SILVA, Edson. Povos indígenas e ensino de história: subsídios para a abordagem da temática indígena em sala de aula. História & Ensino, Londrina, v. 8, p. 45-62, out. 2002.

URIARTE, Urpi Montoya. Euro, etno e outros centrismos. Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 8, nº 87, p. 76-79, dez. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .