A Inclusão e a Acessibidade no IFG – Campus Inhumas: Caminhos e Agruras

  • Calixto Júnior de Souza Doutorando em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano).
Palavras-chave: Inclusão, Acessibilidade e Condição de deficiência.

Resumo

Entende-se que o processo de inclusão não é algo novo e, por sua vez, inacabado, dessa forma é preciso repensar como esse processo se materializa no âmbito educacional de modo a investigar as potencialidades e os retrocessos do IFG - Campus Inhumas. Com isso, o objetivo deste artigo é investigar e analisar a acessibilidade neste campus, com o intuito de verificar o acesso, seja ele físico ou atitudinal. Para tanto, no que concerne à metodologia, buscamos utilizar de um estudo com base exploratória de modo a cunhar a análise da estrutura física do locus desse estudo. No que tange aos resultados esperados, almeja-se que as barreiras que se tornam empecilho para o processo de inclusão educacional sejam clarificadas por meio de medidas que possam auxiliar na melhoria da acessibilidade desta instituição, face aos entraves de acesso bem como dos recursos. Assim, a importância de trabalhos de inclusão no âmbito do IFG ressalta a relevância deste estudo para a melhoria do processo de inclusão educacional, garantindo a permanência e o êxito do mesmo perante o alunado em condição de deficiência.

 

Biografia do Autor

Calixto Júnior de Souza, Doutorando em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano).
Doutorando em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano).
Publicado
2018-08-18