Educação Matemática: Um olhar para os cursos de doutorado do Brasil

  • Marizete Nink de Carvalho Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Thiago Pedro Pinto Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

A Educação Matemática passa por um processo de afirmação no cenário científico não só nacional, mas mundial. Este trabalho tende observar alguns dados dos cursos de doutorado em Educação Matemática em atividade no Brasil, procurando mostrar possíveis aproximações e distanciamentos entre eles. Para tanto, buscamos as informações disponibilizadas pela CAPES e as instituições de ensino que oferecem os cursos. De posse destas informações, caminhamos de forma metodológica através da pesquisa documental, analisando e apresentando as possíveis semelhanças e dessemelhanças entre os cursos. Como ponto importante percebemos que os cursos em si possuem uma polarização para a interdisciplinaridade, bebendo assim de diferentes fontes e ciências.

Biografia do Autor

Marizete Nink de Carvalho, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Doutoranda em Educação Matemática pela Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Professora da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Brasil. Email: marizete@unir.br
Thiago Pedro Pinto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”. Professor da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Brasil. Email: thiagopedropinto@gmail.com

Referências

D’Ambrósio, U. (2014). A educação matemática e o estado do mundo: desafios. Em Aberto. 27(91), 157–169.

Garnica, A. V. M. & Souza, L. A. (2012). Elementos de História da Educação Matemática. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Jorge, T. C. A., Sovierzoski, H. H. & Borba, M. C. (2017). A Área de Ensino após a avaliação quadrienal da CAPES: reflexões fora da caixa, inovações e desafios em 2017. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 10(3), 1–15.

Kilpatrick, J. (1996). Fincando Estacas: Uma tentativa de demarcar a Educação Matemática como campo profissional e científico (R. G. S. Miskulin, C. L. B. Passos, R. C. Grando & E. A. Araújo, Trad.). Zetetiké/Unicamp, Faculdade de Educação, Revista do Círculo de Estudo, Memória e Pesquisa em Educação Matemática. 4(5), 99–120.

Kilpatrick, J. & Sierpinska, A. (Eds.). (1998). Mathematics education as a research domain: A search for identity. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer.

Miguel, A., Garnica, A. V. M., Igliori, S. B.C. & D’Ambrósio, U. (2004). A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, (27), 70–93.

Pádua, E. M. M. (1997). Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. Campinas: Papiros.

Silva, M. A. & Miarka, R. (2017). Geni, a Pesquisa em [E]ducação [M]atemática e o Zepelin. Perspectivas da Educação Matemática, 44(3), 752–767.

Steiner, H. G. (1993). Teoria da Educação Matemática (TEM): Uma introdução. Quadrante, 2(2), 19–34.

Valente, W. R. (2016). O Saber: uma questão crucial para a institucionalização da educação matemática e profissionalização do educador matemático. Perspectivas da Educação Matemática, 9(20), 460–478.

Publicado
2019-04-25
Seção
Sessões Coordenadas