Incongruências entre a atual PNA, BNCC e pesquisas na área de alfabetização no Brasil

Resumo

A Secretaria de Alfabetização (SeAlf) do Ministério da Educação tem silenciado pesquisas científicas realizadas no âmbito das universidades brasileiras em diferentes níveis de formação de professores a partir da Política Nacional de Alfabetização (PNA).Este artigo objetiva analisar as incongruências na proposta de alfabetização na PNA com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A Política Nacional de Alfabetização foi criada no ano de 2019 apresentando impactos já no início de 2020 por meio de propagandas midiáticas de programas como Tempo de Aprender (2020), Literacia familiar (2019), dentre outros que se fundamentam nessa política. A PNA apresenta muitas características marcantes, destacando rigorosamente e repetidamente o processo de alfabetização norteado por ciências cognitivas advindas de um contexto internacional com a primazia do método fônico. Na PNA, a literacia emergente e literacia familiar substituem o termo letramento apresentando uma promessa de alterar os resultados negativos nas estatísticas apresentadas no documento sobre o contexto do processo de alfabetização no país. O objetivo desse escrito é apresentar as incongruências, no sentido de contradições, desta política com a proposta de alfabetização e letramento que comparece na Base Nacional Comum Curricular (2018), buscando apresentar que tais incongruências implicam em diferentes concepções de sujeito, homem e sociedade, vislumbrando diferentes projetos de formação desses sujeitos.

Biografia do Autor

Suzana Lopes de Albuquerque, Instituto Federal de Educação de Goiás (IFG)

Professora do Instituto Federal de Educação de Goiás, Câmpus Goiânia Oeste, doutoranda no programa de Educação na Universidade de São Paulo (USP) e bolsista PIQS – IFG. É líder do Grupo de pesquisa Panecástica.

Amanda de Andrade Costa, Instituto Federal de Goiás (IFG)

Graduada em Pedagogia pelo Instituto Federal de Goiás (IFG). Email: amandinha.andrade10@gmail.com

Referências

ABALF. Posicionamento da ABAlf frente ao Programa de Alfabetização "Tempo de Aprender". Universidade do Estado de Santa Catarina: Florianópolis, 2020.

ALBUQUERQUE, Suzana Lopes de. Métodos de ensino de leitura no Império brasileiro: António Feliciano de Castilho e Joseph Jacotot. 2019. 240f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, USP, 2019.

BOTO, Carlota; ALBUQUERQUE, Suzana Lopes de. Entre idas e vindas: vicissitudes do método Castilho no Brasil do século XIX. História da educação (on-line). Porto Alegre, v.22 n.56, set.-dez. 2018. p. 16-37.

BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 20 de dezembro de 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm Acesso em: 17 dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. MEC, Brasília, 2018, p.1-113.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Alfabetização. MEC, Brasília, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Tempo de Aprender. Formação continuada em práticas de alfabetização. Secretaria da Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2020.

BUNZEN, Clecio. Um breve decálogo sobre o conceito de “literacia na política nacional de alfabetização (PNA,2019). Revista Brasileira de Alfabetização – ABAlf, Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 44-51, 2019.

BORTOLANZA, Ana Maria Esteves. GOULART, Ilsa do Carmo Vieira. CABRAL, Giovanna Rodrigues. Diferentes perspectivas de alfabetização a partir da Base Nacional Comum Curricular: concepções e desafios. Ensino Em Re -Vista, Uberlândia, MG, v.25, n. Especial, p. 958-983, 2018.

CARVALHO, Marlene. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre a teoria e prática. Petrópolis, RJ,2005.

CARVALHO, Marlene. Guia Prático do Alfabetizador. 2ª ed. São Paulo: Ática S.A., 1995. 95p

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. Palavra aberta- BNCC e a alfabetização em duas versões: concepções e desafios. Educação em Revista, Belo Horizonte, Dossiê Alfabetização e Letramento no Campo Educacional, v.36, 2020.

GONTIJO, Cláudia Maria Mendes. ANTUNES, Janaína Silva Costa. Diálogos com o plano nacional de alfabetização (2019): contrapalavras. Revista Brasileira de Alfabetização - ABAlf Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 32-38, 2019.

GONTIJO, Cláudia Maria Mendes. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): comentários críticos. Revista Brasileira de Alfabetização, Vitória, v. 1, n. 2, p. 174190, jul./dez. 2015.

LEAL, Telma Ferraz. Apontamentos sobre a política nacional de alfabetização 2019. Revista Brasileira de Alfabetização – ABAlf, Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 76-85, 2019.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1530 - 1555 out./dez. 2014.

MACIEL, Francisca Izabel Pereira. Onde estão as pesquisas sobre alfabetização no Brasil? Revista Brasileira de Alfabetização – ABAlf, Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 58-59, 2019.

MENDONÇA, Onaide Schwarts. O percurso histórico dos métodos de alfabetização. Faculdade de Ciências e Tecnologia – Departamento de Educação UNESP/ Presidente Prudente, 2011.

MONTEIRO, Sara Mourão. A concepção de alfabetização na Política Nacional de Alfabetização/MEC/2019. Revista Brasileira de Alfabetização - ABAlf , Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 39-43, 2019.

MORAIS, Artur Gomes de. Análise crítica da PNA (Política Nacional de Alfabetização) imposta pelo MEC através de decreto em 2019. Revista Brasileira de Alfabetização – ABAlf, Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 66-75, 2019.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. História dos métodos de alfabetização no Brasil. Abr. 2006.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Essa base nacional comum curricular: mais uma tragédia brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 2, p. 191-205, 2015.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. A “Política Nacional de Alfabetização” (Brasil,2019): uma “guinada” (ideo) metodológica para trás e pela direita. Revista Brasileira de Alfabetização – ABAlf, Belo Horizonte, MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 26-31, 2019.

SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita. Revista Brasileira de Educação, 2003.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

TEIXEIRA, Zildiane Souza. MARTINS, Kézia Siméia Barbosa da Silva. Base nacional comum curricular (BNCC) e o processo de alfabetização e letramento da criança: impactos para a escola de ensino fundamental em Parintins, AM. Fortaleza – CE: VI Congresso Nacional de Educação (CONEDU), 2019.

TRICHES, Eliane de Fátima. A formulação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e concepções em disputa sobre o processo alfabetizador da criança (2015-2017). 2018. 162. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Grande Dourados – Dourados, MS: UFGD, 2018.

Publicado
2021-06-30