Casamento de crianças no Brasil: um ensaio sobre comunicação, pobreza e direitos humanos

Resumo

O presente texto trata de uma reflexão acerca do tema Casamento de Crianças no Brasil, a partir de uma análise de material de cunho jornalístico. A discussão é feita tomando como base a noção de pobreza principal motivador da prática no país. Conceito este, elencado a partir da análise, que auxiliou no entendimento sobre a temática, aliada as noções de Mídia e Direitos Humanos, com o objetivo de refletir como e por que ocorre o Casamento de Crianças no Brasil, já que o país apresenta legislações que proíbem essa prática. As notícias e/ou reportagens utilizadas ajudaram a compreender que há uma emergência no debate sobre o papel da Mídia e dos Direitos Humanos frente à proteção da infância e os temas que afetam diretamente o público infantil.

Biografia do Autor

Vitória Brito Santos, Universidade Feevale

Doutoranda e Mestra em Diversidade Cultural e Inclusão Social (Universidade Feevale), Bolsista CAPES. Licenciada em Pedagogia (UFPel).

 

Saraí Patrícia Schmidt, Universidade Feevale

Doutora e Mestra em Educação (UFRGS); Bacharela em Jornalismo (Unisinos). Docente dos Programas de Pós-Graduação em Diversidade Cultural e Inclusão Social e Processos e Manifestações Culturais da Universidade Feevale.

Referências

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DOS DIREITOS DA INFÂNCIA (ANDI COMUNICAÇÂO E DIREITOS). Infância e Juventude, Brasil: Casamento infantil que não se vê, Brasília, 2016

BANCO MUNDIAL. Fechando a Brecha: Melhorando as Leis de Proteção à Mulher contra a Violência. Washington, 2017.

BARROS, Ricardo Paes; HENRIQUES, Ricardo; MENDONÇA, Rosane. Desigualdade e pobreza o Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 42, p. 123-142, fev., 2000.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e Medo na Cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 12 jun. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. 3. ed. Porto Alegre: Assembleia Legislativa, 2008.

BRASIL. Lei nº 12.015, de 7 de agosto de 2009. Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e o art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, que dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal e revoga a Lei no 2.252, de 1º de julho de 1954, que trata de corrupção de menores. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12015.htm. Acesso em: 24 jun. 2019.

CAMACHO AZURDUY, Carlos A. Democratización de la sociedad: Entre el derecho a la información y el ejercicio de la ciudadanía comunicativa, Sala de Prensa, [S.l.], Ano 6, v. 3, n.71, p. 1.10, 2004.

CHARAUDEAU, Patrick. Problemas de abordagem na análise do discurso. In: CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2008.

COLLING, Ana. A construção histórica do masculino e do feminino. In: STREY, Marlene N.; CABEDA, Sonia T. Lisboa; PREHN, Denise R. (Orgs.). Gênero e Cultura: questões contemporâneas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 13-38.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS (CIDH). (1969). Convenção americana sobre os direitos humanos: assinada na Conferência especializada interamericana sobre direitos humanos, San José, Costa Rica, 22 nov. 1969. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm. Acesso em: 18 ago. 2019.

COMPARATO, Bruno Konder. Especialização em Educação em Direitos Humanos. São Paulo: USP, 2015.

CRESPO, Antônio Pedro Albernaz; GUROVITZ, Elaine. A pobreza como um fenômeno multidimensional. RAE- eletrônica, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-12, jul./dez, 2002.

MALDONADO, Alberto Efendy. Produtos midiáticos, estratégias, recepção. A perspectiva transmetodológica. Ciberlegenda, n. 9, p. 1-15, 2002.

MARTINS, José de Souza. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. 3. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

MATA, Maria Cristina. Comunicación y ciudadanía: problemas teóricos: políticos de su articulación. Fronteiras – Estudos Midiáticos, São Leopoldo, v.8, n.1, p. 5-15, jan. /abr. 2006.

MCKINLEY, Terry. O que é pobreza? Boa pergunta. Centro Internacional de Pobreza, Brasília, n. 26, p. 1-2, fev./2008.

MINAYO, Maria Cecília; HARTZ, Zulmira Maria de Araújo; BUSS, Paula Marchiori. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000.

NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

O COMEÇO DA VIDA. Direção: Estela Renner, Produção: Maria Farinha Filmes, Brasil: UNICEF, Instituto Alana, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Fundação Bernard Van Leer, 2016. 1 DVD (1h37min), son., color.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Declaração Universal dos Direitos das Crianças. [S.l.], 20 nov. 1959. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/c_a/lex41.htm . Acesso em: 12 jun. 2019.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Boaventura de Souza. Poderá o direito se emancipatório. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 65, p. 3-75, maio, 2013.

SCALON, Celi. Desigualdade, pobreza e políticas públicas: notas para um debate. Contemporânea, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 49-68, jan./jun. 2011.

UNICEF. Escritório Brasil. Biblioteca. UNICEF no Brasil. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://www.unicef.org.br/ . Acesso em: 12 jun. 2019.

Publicado
2021-06-30