Mapeamento da produção científica veiculada em periódicos sobre a temática APAE (2000-2015)

João Henrique da Silva

Resumo


A presente pesquisa teve por objetivo analisar as produções científicas em formato de artigos veiculados em períodos sobre a temática Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). Trata-se de um estudo quali-quantitativo, de abordagem metodológica bibliométrica e de análise de conteúdo. Os procedimentos metodológicos foram desenvolvidos em três etapas que incluem a fase de preparação teórica e metodológica, de coleta e registro de dados, e de sistematização e análise dos resultados. Os resultados apontaram que 61 artigos publicados em 38 diferentes periódicos e elaborados por 171 autores, 178 contribuições, entre o período de 2000-2015. Foram identificadas 46 diferentes instituições, que prestam serviços de ensino concentradas nas regiões sul e sudeste do país. Constatou-se também que as temáticas se versam na área da Saúde e Educação. A produção acadêmica analisada apresenta diferentes objetivos e resultados obtidos sobre a APAE. O foco das pesquisas abrange temas relacionados à subjetividade humana, à relação família e instituições, à inclusão social e ao processo educacional das pessoas com deficiência. Os achados dos artigos desdobram os objetivos dos trabalhos, mostrando a relevância das ações desenvolvidas no interior das unidades apaeanas e as influencias do ambiente familiar e político. Portanto, reitera-se que a APAE é uma instituição filantrópica que procura desenvolver ações na área da saúde, educação e assistencial social, para as pessoas com deficiência. 


Palavras-chave


Educação Especial; Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais; Análise bibliométrica.

Texto completo:

PDF

Referências


BELLO, S.F. et. al. Indicadores bibliométricos da produção científica sobre transtornos de aprendizagem na base de dados SciELO. In: HAYASHI, M.C.P.I.; FARIA, L.I.L.; HAYASHI, C.R.M. (Org.). Bibliometria e cientometria: estudos temáticos. São Carlos: Pedro e João Editores, 2013. p. 195-205.

______; PIZZANI, L., HAYASHI, M.C.P.I. Descritores e suas interrelações: fonoaudiologia e educação especial. Distúrbios da Comunicação, São Paulo v. 22, n. 2, p.149-57. 2010.

BORGES SATO, D.T.; MAGALHÃES, I.; LOPES BATISTA JÚNIOR, J.R. Desdobramentos recentes da educação inclusiva no Brasil: discursos e práticas de letramento. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 12, n. 4, p. 699-724, out./dez. 2012.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 4, de 02 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília, DF: CNE/CEB, 2009.

______. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008.

BRAUN, A.C.; CARLOTTO, M.S. Síndrome de Burnout: estudo comparativo entre professores do Ensino Especial e do Ensino Regular. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 125-133, jan./abr. 2014.

DOMINGUES, F. et al. Atividade de leitura na Educação Especial: uso da biblioteca escolar e brinquedoteca. Revista ACB, Florianópolis, v.11, n.1, p. 221-232, jan./jul. 2006.

FERRI, C.; LINHARES HOSTINS, R.C. Práticas de Seleção e Organização do Conhecimento nas Escolas Regulares e Especiais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p. 231-251, jul./dez. 2008.

GELAIN, D.; RENE ORMEZZANO, G. Yoga, imaginário e teorias espiritualistas da educação: um estudo de caso. Revista do Centro de Educação, Santa Maria, v. 34, n. 3, p. 501-512, set./dez. 2009.

HAYASHI, M.C.P.I. Análise bibliométrica: leituras teóricas, procedimentos metodológicos e protocolo de coleta de dados. São Carlos, 2014. (mimeo).

MEDIANEIRA FRANZIN, S. et al. Formação de professores de Ciências Biológicas e a preocupação com as necessidades específicas na sala de aula. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 5, p. 91-100, jan./abr. 2015.

MELETTI, S.M.F. Indicadores Educacionais sobre a Educação Especial no Brasil e no Paraná. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 789-809, jul./set. 2014.

MELO, D.C.F.; SILVA, J.H. As políticas públicas da educação especial e a FENAPAES sob a perspectiva gramsciana. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Rio Claro, v. 11, n. 1, p. 151-164. 2016.

MOURA, W.L. et al. Importância da prática esportiva como meio de inclusão social para pessoas com deficiência mental na cidade de Montes Claros – Motricidade, Portugal, v. 8, n. S2, p. 613-623. 2012.

MOURÃO, L.; SAMPAIO, S.; DUARTE, M.H. Colocação seletiva de pessoas com deficiência intelectual nas organizações: um estudo qualitativo. Organizações & Sociedade, Salvador, v.19 - n.61, p. 209-229, abr./jun. 2012.

PANTALEÃO ALVES, E.; SOBRINHO, R.C. Escolarização de alunos com deficiência e as inter-relações família, escola e gestores públicos da educação especial. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 27, n. 48, p. 171-184, jan./abr. 2014.

PEREIRA, M.A.; JUNIOR, A.F.; HAYASHI, M.C.P.I. Os Institutos Históricos e Geográficos no Brasil: estudo bibliométrico no banco de teses da CAPES. In: HAYASHI, M.C.P.I.; FARIA, L.I.L.; HAYASHI, C.R.M. (Org.). Bibliometria e cientometria: estudos temáticos. São Carlos: Pedro e João Editores, 2013. p. 229-246.

PEREIRA, D.M.R. et al. Educação Especial e o Bibliotecário: atuação em atividades de leitura para portadores de necessidades especiais. EXTENSIO – Revista Eletrônica de Extensão, Florianópolis, n. 6, p. 1-15. 2008.

PLETSCH, M.D. A escolarização de pessoas com deficiência intelectual no Brasil: da institucionalização às políticas de inclusão (1973-2013). Archivos Analíticos de Políticas Educativas, Estados Unidos, v. 22, n. 81, p. 1-25, ago. 2014.

PROCURADORIA JURÍDICA (FENAPAES). A Rede APAE no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2014.

ROSSATO, S.P.M.; LEONARDO, N.S.T. A queixa escolar na perspectiva de educadores da Educação Especial. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 15-23, jan./jun. 2012.

ROSSI-BARBOSA, L.A.R. Expectativa e Satisfação dos Pais ou Responsáveis dos Usuários da APAE Atendidos na Clínica de Pacientes Especiais do Curso de Odontologia da Unimontes-MG. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, Paraíba, v. 7, n. 1, p. 51- 58, jan./abr. 2007.

SACARDO, M.S. Estudo bibliométrico e epistemológico da produção científica em Educação Física na Região Centro-Oeste do Brasil. Tese (Doutorado em Educação Especial), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.

SANTOS BOETTGER, A.R.; LOURENÇO, A.C.; CAPELLINI, V.L.M.F. O professor da Educação Especial e o processo de ensino-aprendizagem de alunos com autismo. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 46, p. 385-400, maio/ago. 2013.

SCHIPPER, C.M.; WITZEL, D.G. Discurso e mídia: construção de concepções da pessoa com deficiência intelectual em propagandas. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 52, p. 295-310, maio/ago. 2015.

SILVA, M.R. Análise bibliométrica da produção científica docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da UFSCar: 1998-2003. Dissertação (Mestrado em Educação Especial), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

______; HAYASHI, C.R.M.; HAYASHI, M.C.P.I. Análise bibliométrica e cientométrica: desafios para especialistas que atuam no campo. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, USP, v. 2, p. 110-129. 2011.

SILVA, R.C.; HAYASHI, M.C.P.I. Aplicação da bibliometria na avaliação de periódicos científicos no campo da Educação Especial. In: HAYASHI, M.C.P.I.; MUGNAINI, R.; HAYASHI, C.R.M. (Org.). Bibliometria e cientometria: metodologias e aplicações. São Carlos: Pedro e João Editores, 2013. p. 149-161.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .