Importância do profissional de saúde na educação sexual e parental

  • Mário Antônio Sanches
  • Larissa Parteka PUCPR
  • Leide da Conceição Sanches Faculdades Pequeno Príncipe
Palavras-chave: Planejamento Familiar, Educação Sexual, Profissional de Saúde.

Resumo

Introdução: O planejamento familiar é um conjunto de ações onde são oferecidos recursos para concepção, planejamento da gravidez e educação sexual e parental.  Objetivos: Identificar o espaço que o profissional de saúde ocupa entre os diferentes agentes que lidam com informações sobre sexualidade e qual seu reflexo no planejamento familiar. Método: Trata-se de uma pesquisa descritiva e analítica com abordagem quantitativa. É baseada em um banco de dados fruto de pesquisa efetivada a partir da aplicação do Instrumento Planejamento da Parentalidade no Contexto da Bioética, que contou com 2196 participantes. Resultados: A maioria dos entrevistados recebe mais informações sobre sexualidade de amigos e familiares e apenas 8,6% recebe estas informações de profissionais da saúde. No entanto, vê-se que, apesar desta influência ser pequena, os profissionais de saúde impactam no planejamento familiar, pois 43,1% dos entrevistados que foram orientados por eles planejaram efetivamente a gravidez. Quem recebeu mais informações de profissionais da saúde também foram os que mais pensaram (32,4%) nos riscos de saúde na gravidez.  Considerações: Percebe-se que a influência dos profissionais da saúde na educação sexual e parental pode estar sendo reduzida a questões sanitárias. Tendo em vista os resultados da pesquisa torna-se indispensável a preparação do profissionais da saúde para uma educação sexual e parental mais ampla. A presença destes, junto com a família e escola, pode compor um tripé para se alcançar uma educação sexual e parental mais integral.  

Biografia do Autor

Larissa Parteka, PUCPR
Acadêmica de Medicina, bolsista CNPq de Iniciação Científica
Leide da Conceição Sanches, Faculdades Pequeno Príncipe
Doutora em Sociologia, docente no Programa de Pós-graduação em Ensino das Ciências da Saúde.

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em <http://www.saude.gov.br/bvs/publicacoes/direitos_sexuais_reprodutivos_metodos_anticoncepcionais.pdf> Acesso em 17 dez. 2017

BRASIL, Ministério da Saúde. Planejamento familiar: manual para o gestor, Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

CANO, Maria Aparecida Tedesch; FERRIANI; Maria das Graças Carvalho; GOMES, Romeu. Sexualidade na adolescência: um estudo bibliográfico. Rev. Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 8, n.2, p. 18-24. 2000

CASADO, Maria. Bioética y educación: Sobre la necesidad de adoptar una concepción de la bioética flexible y que promueva la educación en los principios de la Declaración Universal sobre Bioética y Derechos Humanos. Revista Latinoamericana de Bioética, 11(2), 62-71. Documento PDF en línea disponible en http://www.scielo.org.co/pdf/rlb/v11n2/v11n2a07.pdf

EGUREN, J. A. Paternidad responsable y valores humanos: aportación al diálogo sobre la planificación familiar. Valencia: Edicep, 1976.

GÓMEZ, V. Y ROYO, P. Construyendo espacios de diálogo: Una propuesta de enseñanza de la bioética. Acta Bioethica, 21(1), 2015, 9-18.

KIRBY D, LARIS BA. Effective curriculum-based sex and STD/HIV education programs for adolescents. Child Dev Perspect 2009; 3:21.

LIMA, Lívia Julienne da Silva. A equipe de saúde da família e a educação sexual na adolescência: um estudo em uma unidade de saúde da família. 2014. 91 f. (Dissertação de Mestrado) - Mestrado Profissional em Ensino em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Porto Velho, 2014 Disponível em: <http://ri.unir.br/jspui/handle/123456789/1346>. Acesso em 5 mar. 2018

MARSTON, C.; CLELAND, J. The effects of contraception on obstetric outcomes. Geneva: World Health Organization, 2004. p. 7-15.

MASSÉ GARCÍA, María del Carmem. Decisiones de pareja en el comienzo de la vida – Límites y posibilidades del principio de autonomía. (Disertación de Máster en Bioética). U.P. Comilas: Madrid, 2008.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, n 40).

MOREIRA, B. J. R.; FORMER, V. Educação sexual na escola: construção e aplicação de material de apoio. Revista Experiências em Ensino de Ciências, Cuiabá, v.6, n.2, p.151-160, ago., 2011.

PAIVA, M. R. S. A. Quendinho. Atenção integral à saúde do adolescente. Manual de atenção à saúde do adolescente. São Paulo: SMS, 2006. P.84-89

SAITO, Maria Ignez; LEAL, Marta Miranda (2000). Educação sexual na escola. Disponível em: <http://pediatriasaopaulo.usp.br/upload/html/451/body/07.htm>. Acesso em 15 nov. 2017

SANTOS, R. C. M.; PRADO, S. R. L. A. O enfermeiro no desenvolvimento da atenção primária à saúde do adolescente: técnicas e desafios. Revista de Enfermagem UNISA, São Paulo, v.2, p. 68-72, 2001

SFAIR, Sara Caram; BITTAR, Marisa; LOPES, Roseli Esquerdo. Educação sexual para adolescentes e jovens: mapeando proposições oficiais. Saúde soc., São Paulo, v. 24, n. 2, p. 620-632, Junho 2015.

SILVA, L. R. G. Sexualidade e orientação sexual na formação de professores: uma análise da política educacional. Curitiba: Editora CRV, 2011.

TOMITA, T. Y.; FERRARI, R. A. P. Adolescência e sexualidade no cotidiano da equipe de enfermagem do serviço de atenção básica de saúde. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 28, n.1, p. 39-52, jan/jun., 2007.

VALDIVIA, V. B. La violencia contra la mujer y los derechos sexuales y reproductivos. Revista Derecho PUCSP, n. 61, 2007. p. 81-110.

WHO (World Health Organization). Improving acess to quality care in Family planning. Medical eligibility criteria for contraceptive use. Geneva; 1996.

Publicado
2019-03-19
Seção
Artigos