Importância do profissional de saúde na educação sexual e parental

Mário Antônio Sanches, Larissa Parteka, Leide da Conceição Sanches

Resumo


Introdução: O planejamento familiar é um conjunto de ações onde são oferecidos recursos para concepção, planejamento da gravidez e educação sexual e parental.  Objetivos: Identificar o espaço que o profissional de saúde ocupa entre os diferentes agentes que lidam com informações sobre sexualidade e qual seu reflexo no planejamento familiar. Método: Trata-se de uma pesquisa descritiva e analítica com abordagem quantitativa. É baseada em um banco de dados fruto de pesquisa efetivada a partir da aplicação do Instrumento Planejamento da Parentalidade no Contexto da Bioética, que contou com 2196 participantes. Resultados: A maioria dos entrevistados recebe mais informações sobre sexualidade de amigos e familiares e apenas 8,6% recebe estas informações de profissionais da saúde. No entanto, vê-se que, apesar desta influência ser pequena, os profissionais de saúde impactam no planejamento familiar, pois 43,1% dos entrevistados que foram orientados por eles planejaram efetivamente a gravidez. Quem recebeu mais informações de profissionais da saúde também foram os que mais pensaram (32,4%) nos riscos de saúde na gravidez.  Considerações: Percebe-se que a influência dos profissionais da saúde na educação sexual e parental pode estar sendo reduzida a questões sanitárias. Tendo em vista os resultados da pesquisa torna-se indispensável a preparação do profissionais da saúde para uma educação sexual e parental mais ampla. A presença destes, junto com a família e escola, pode compor um tripé para se alcançar uma educação sexual e parental mais integral.  


Palavras-chave


Planejamento Familiar, Educação Sexual, Profissional de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Saúde. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em Acesso em 17 dez. 2017

BRASIL, Ministério da Saúde. Planejamento familiar: manual para o gestor, Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

CANO, Maria Aparecida Tedesch; FERRIANI; Maria das Graças Carvalho; GOMES, Romeu. Sexualidade na adolescência: um estudo bibliográfico. Rev. Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 8, n.2, p. 18-24. 2000

CASADO, Maria. Bioética y educación: Sobre la necesidad de adoptar una concepción de la bioética flexible y que promueva la educación en los principios de la Declaración Universal sobre Bioética y Derechos Humanos. Revista Latinoamericana de Bioética, 11(2), 62-71. Documento PDF en línea disponible en http://www.scielo.org.co/pdf/rlb/v11n2/v11n2a07.pdf

EGUREN, J. A. Paternidad responsable y valores humanos: aportación al diálogo sobre la planificación familiar. Valencia: Edicep, 1976.

GÓMEZ, V. Y ROYO, P. Construyendo espacios de diálogo: Una propuesta de enseñanza de la bioética. Acta Bioethica, 21(1), 2015, 9-18.

KIRBY D, LARIS BA. Effective curriculum-based sex and STD/HIV education programs for adolescents. Child Dev Perspect 2009; 3:21.

LIMA, Lívia Julienne da Silva. A equipe de saúde da família e a educação sexual na adolescência: um estudo em uma unidade de saúde da família. 2014. 91 f. (Dissertação de Mestrado) - Mestrado Profissional em Ensino em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Porto Velho, 2014 Disponível em: . Acesso em 5 mar. 2018

MARSTON, C.; CLELAND, J. The effects of contraception on obstetric outcomes. Geneva: World Health Organization, 2004. p. 7-15.

MASSÉ GARCÍA, María del Carmem. Decisiones de pareja en el comienzo de la vida – Límites y posibilidades del principio de autonomía. (Disertación de Máster en Bioética). U.P. Comilas: Madrid, 2008.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, n 40).

MOREIRA, B. J. R.; FORMER, V. Educação sexual na escola: construção e aplicação de material de apoio. Revista Experiências em Ensino de Ciências, Cuiabá, v.6, n.2, p.151-160, ago., 2011.

PAIVA, M. R. S. A. Quendinho. Atenção integral à saúde do adolescente. Manual de atenção à saúde do adolescente. São Paulo: SMS, 2006. P.84-89

SAITO, Maria Ignez; LEAL, Marta Miranda (2000). Educação sexual na escola. Disponível em: . Acesso em 15 nov. 2017

SANTOS, R. C. M.; PRADO, S. R. L. A. O enfermeiro no desenvolvimento da atenção primária à saúde do adolescente: técnicas e desafios. Revista de Enfermagem UNISA, São Paulo, v.2, p. 68-72, 2001

SFAIR, Sara Caram; BITTAR, Marisa; LOPES, Roseli Esquerdo. Educação sexual para adolescentes e jovens: mapeando proposições oficiais. Saúde soc., São Paulo, v. 24, n. 2, p. 620-632, Junho 2015.

SILVA, L. R. G. Sexualidade e orientação sexual na formação de professores: uma análise da política educacional. Curitiba: Editora CRV, 2011.

TOMITA, T. Y.; FERRARI, R. A. P. Adolescência e sexualidade no cotidiano da equipe de enfermagem do serviço de atenção básica de saúde. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 28, n.1, p. 39-52, jan/jun., 2007.

VALDIVIA, V. B. La violencia contra la mujer y los derechos sexuales y reproductivos. Revista Derecho PUCSP, n. 61, 2007. p. 81-110.

WHO (World Health Organization). Improving acess to quality care in Family planning. Medical eligibility criteria for contraceptive use. Geneva; 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .