Educação escolar indígena contra o epistemicídio

Jayson de Souza Morais, Rogerio da Palma

Resumo


Este artigo tem como objetivo abordar a educação escolar, em especial a educação escolar indígena, encarando esta última sob a ótica de uma tentativa de luta contra o epistemicídio, uma educação em prol da sobrevivência da diversidade entre os saberes. Por meio da comparação entre as grades curriculares de uma escola indígena e de uma escola urbana, pretende-se refletir sobre a intensa luta travada pelos povos indígenas no Brasil, perpassando pela educação, uma luta por reconhecimento, por um direito coletivo a ser e viver de acordo com uma cosmovisão própria. Atualmente, pode se ver nas aldeias um modelo educacional que tenta seguir por um caminho diferente do que foi trilhado historicamente; uma luta por afirmar o diferente em um mundo que legitima apenas o que cabe dentro do modelo capitalista de sociedade.


Palavras-chave


Epistemicídio; povos indígenas; educação escolar indígena.

Texto completo:

PDF

Referências


e Terra, 1995.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. “Os índios na história do Brasil no século XXI: da invisibilidade ao protagonismo”. Revista História Hoje, v. 1, no 2, p. 21-39, 2012.

ASSIS, Wendell Ficher Teixeira. “Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo”. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 613-627, Set./Dez. 2014.

BENITES, Eliel. Oguata Pyahu (Uma Nova Caminhada) no Processo de Desconstrução e Construção da Educação Escolar Indígena da Aldeia Te’ýikue. Campo Grande, Dissertação (Mestrado) Universidade Católica Dom Bosco, 2014.

BENITES, Tonico. “A escola na ótica dos Ava Kaiowa. Impactos e interpretações indígenas”. Dissertação (mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio de janeiro. Rio de janeiro, 2009.

BENJAMIM, Walter. “Tese sobre o conceito da historia”. In: Walter Benjamim – Obras escolhidas. Vol. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BALANDIER, Georges. A situação colonial: abordagem teórica. Cadernos Ceru, v. 25, n. 1, 02, p. 33-58, 2014.

BRAND, Antonio. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowa Guarani: os difíceis caminhos da palavra. Tese de doutorado. Porto Alegre, 1997.

DALMOLIN, Gilberto Francisco. “Colonialismo, política educacional e a escola para povos indígenas”. Tellus, Campo Grande, ano 3, n. 4, p. 11-25, abr. 2003.

FERREIRA, Eva Maria L. A participação dos índios Kaiowá e Guarani como trabalhadores nos ervais da Companhia Matte Laranjeira (1902-1952). Dissertação (Mestrado em História) – UFGD, 2007.

HONNETH, Axel. Luta por Reconhecimento. A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed.34.2003.

MAGALHAES. Edvard Dias (org). Legislação Indigenista brasileira e normas correlatas. Brasilia: FUNAI/CGDOC. 2003.

LEDA, Manuela Corrêa. “Teorias pós-coloniais e decoloniais: para repensar a sociologia da modernidade”. Temáticas, Campinas, 23, (45/46): 101-126, fev./dez. 2015.

MAAR, Wolfgang Leo. À guisa de introdução: adorno e a experiência formativa, in: THEODOR, Adorno. Educação e emancipação. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p.11-28.

MARTINS, José de Souza. Fronteira. A degradação do Outros nos confins do humano. São Paulo: Hucitec, 1997.

MENESES, Maria Paula. “Epistemologia do Sul”. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, 2009.

MORAES, José Augusto Santos. “O pentecostalismo entre os índios da reserva indígena de Dourados, da década de 1980 até os dias atuais”. XII Encontro da Associação Nacional de História, Seção de Mato Grosso do Sul. Anais..., Aquidauana, UFMS, 2014.

ONU, Organização das Nações Unidas sobre direitos dos povos Indígenas/ONU. Campo Grande, Portal de Cultura Guaicuru, 2010.

NASCIMENTO, Adir Casaro. “A educação e o indígena no Brasil”. REU, Sorocaba, SP, v. 41, n. 2, p. 331 – 335, dez. 2015.

TROQUEZ, Marta Coelho Castro. “Educação escolar indígena no Brasil: por uma revisão de conceitos, de políticas e de práticas”. Horizontes – Revista de Educação, Dourados, MS, v. 3, n. 4 julho a dezembro de 2014.

URQUIZA, Antonio Hilário Aguilera; NASCIMENTO, Adir Casaro. “Curriculo e a produção de sujeitos indígenas”. In: Didática e Prática de Ensino na relação com a Escola. Campo Grande: Editora UCDB, 2014.

VIETTA, Katya. “Tekoha e te’yguassu: algumas considerações sobre articulações políticas kaiowa e guarani a partir das nações de parentesco e ocupações espaciais”. Revista Tellus, Campo Grande, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

 ISSN: 2358-1840

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported .